sábado, 31 de dezembro de 2011

482 - TUDO PODE DAR CERTO (FILME DE WOODY ALLEN)

Boris Yellnikoff (Larry David) é um velho rabugento que tem o hábito de insultar seus alunos de xadrez. Ex-professor da Universidade de Columbia, ele considera ser o único capaz de compreender a insignificância das aspirações humanas e o caos do universo. Um dia, prestes a entrar em seu apartamento, Boris é abordado por Melodie St. Ann Celestine (Evan Rachel Wood),  lhe implora para entrar. Ele atende ao pedido, a contragosto. Percebendo sua fragilidade, Boris permite que ela fique no apartamento por alguns dias. Ela se instala e, com o passar do tempo, não aparenta ter planos de deixar o local. Até que um dia lhe diz que está interessada nele. 


Woody Allen retorna à Nova York com uma comédia nada convencional sobre um misantropo extravagante (Larry David) e uma jovem impressionante e ingênua vinda do sul (Evann Rachel Wood). Quando seus irritados pais (Patricia Clarkson e Ed Begley, Jr.) aparecem para buscá-la, eles são surpreendidos por complicações amorosas malucas. Todos percebem que para encontrar o amor basta uma combinação de sorte, acaso e apreciar o valor do que quer que funcione para você.


Curiosidades:

Allen resolveu dar uma folga para Scarlett Johansson, e escalou para protagonista a atriz Evan Rachel Wood, de 'Aos Treze' e 'Across the Universe'.




Elenco:
Larry David (Boris Yellnikoff)

Adam Brooks (Boris\' Friend #1)
Lyle Kanouse (Boris\' Friend #2)
Michael McKean (Joe - Boris\' Friend #3)
Clifford Lee Dickson (Boy On Street)
Yolonda Ross (Boy\'s Mother)
Carolyn McCormick (Jessica)
Samantha Bee (Chess Mother)
Conleth Hill (Leo Brockman)
Marcia DeBonis (Lady At Chinese Restaurant)
Evan Rachel Wood (Melodie St. Ann Celestine)
John Gallagher Jr. (Perry)
Willa Cuthrell-Tuttleman (Chess Girl)
Nicole Patrick (Perry\'s Friend)



OUTRAS INFORMAÇÕES
Direção: Woody Allen

Gênero: Comédia
Duração: 92 min.
Distribuidora: Califórnia Filmes
Comédia Romântica
Classificação indicativa: Não recomendado para menores de 12 anos
Roteiro: Woody Allen

Distribuição: California Filmes
Ano de Produção: 2009


Fonte
http://www.cinepop.com.br/filmes/tudopodedarcerto.htm 
http://www.adorocinema.com/filmes/tudo-pode-dar-certo/

481 - A NEVE BRANCA DA RÚSSIA (FILME RARO)

A Neve Branca da Rússia (1980) (Filme sobre o Alekhine - em russo). Encontrei há pouo este filme feito ainda nos tempos da União Soviética (1980) que tenta, ao seu modo politicamente correto, mostrar àquele período político russo sobre a parte mais trágica da vida do exilado campeão mundial Alexander Alekhine.

Albertus disse...


O filme é uma adaptação mais ou menos fiel do famoso livro do Kotov, que por certo foi quem o adaptou. Para além dos dados históricos inegáveis, a historia em si é um romance, com toda a liberdade que isso supõe. Quem o queira ver como um documentário, pode se desiludir.


Mas contudo, decidi postar esta película porque é simplesmente a única sobre Alekhine, ademais feito pelos seus compatriotas e seguidores, embora bastante tardios, jamais objectivos, mas sempre entusiastas (falo por exemplo do próprio Kotov que investigou e divulgou sobre o 1º campeão mundial russo...)


Sobre o tema do álcool, o filme é eloquente (ninguém pode negar que o grande Alexander consumia importantes quantidades do mesmo), mesmo assim, os autores do filme se encarregaram de pôr-lhe na boca as palavras esclarecedoras sobre o decurso do 1º match, onde o Alekhine diz que os últimos jogos conduzidos pelo Euwe foram totalmente superiores, a pesar de ele ter deixado de beber nessa última fase. Com isso, o mérito do grande Max ficou totalmente reconhecido.


Como disse no próprio post, o filme foi feito respeitando os códigos políticos, até porque o próprio Euwe, se não me engano, era o presidente da FIDE.
Rini Luyks disse...



De facto, o próprio Alekhine mencionou mais tarde "excesso de confiança" como causa da sua derrota no 1º match contra Euwe em 1935 (e na verdade, no re-match dois anos mais tarde Euwe não teve hipótese).


Max Euwe era na altura professor de matemática num liceu de raparigas (e continou a sê-lo depois de ganhar o título).


Também teve mérito como escritor de livros de xadrez e mais tarde como presidente da FIDE (ele salvou in extremis o match Fischer-Spassky em 1972 com muita dipomacia).


A sua importância para a divulgação do xadrez na Holanda é enorme.


Fonte:
http://ogatodoalekhine.blogspot.com/2010/10/neve-branca-da-russia-filme-sobre-o.html 

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

480 - OS CAVALEIROS DO BRONX (KNIGHTS OF THE SOUTH BRONX)

Amigos leitores, agora uma sugestão de filme para as aulas de Xadrez na Escola. Os Cavaleiros do Bronx (Knights of the South Bronx – 2005) conta a história de um grupo de alunos de uma escola de um bairro violento de New York que descobre através do aprendizado do Xadrez que existem possibilidades de transformação da própria realidade.
Executivo de meia-idade desempregado aceita ser professor em uma escola do Bronx onde encontra crianças bastante difícieis. Ao ensiná-las a jogar xadrez e a usar este conhecimento em suas vidas diárias, Ted Danson desenvolve uma bela conexão com as crianças e as encaminha para uma vida melhor.

Fiquei surpreso em descobrir tantos filmes sobre xadrez. Imaginei apenas 05 ou 06 filmes e pronto. Nada disso. Estou descobrindo muita coisa boa, especialmente para professores de xadrez. Agradeço a Deus por tanta sorte!



Ficha Técnica:

DVDTítulo Original: Knights Of The South Bronx
Gênero:Drama
Elenco:
Ted Danson
Keke Palmer
Malcolm David Kelley
Devon Bostick
País de Origem: Estados Unidos da América
Estreia Mundial: 2005
Duração: 89 minutos

Comentários:
Deodato Gomes Costa (50 anos)
Assisti ao filme em um sábado dia 26-03-2011. Um professor de xadrez veio ministrar uma oficina na Escola só que antes projetou o filme como motivação. Não tem como não emocionar. Ver crianças e adolescentes da periferia se ocupando de algo que vem interferir radicalmente em suas formas de pensar. Adolescentes que se envolvem com algo que apontando um caminho os torna confiantes em suas capacidades de superar condições atrofiadoras de vida. Criança e Adolescentes que estão em processo de estruturação de suas personalidades se descobrem como um ser humano capaz de ser melhor. Um filme sensível que toca fundo este. É uma lição de esperança para todos.

Otto disse: Olá! Sou professor de história em uma escola de uma comunidade marcada pela probreza, violência e exclusão – triste realidade brasileira – e no lugar de ficar ensinando obsecadamente mais-valia, modos de produção, exploração para alunos analfabetos funcionais descobri que era mais urgente alfabetizá-los e ensinar-lhes que pensar, refletir detidamente sobre algum problema. E que isso era bom e prazeroso. O xadrez tornou-se então a minha maior ferramenta. Os resultados são insipientes mas muito animadores. Para animá-los ainda mais e, quem sabe, converter alguns colegas professores achei que este filme poderá ser de enorme ajuda. Assim, quem puder arranjar ou apontar-me como consigo uma cópia estará fazendo um enorme serviço. Meu e-mail é ottoagramos@gmail.com e onde trabalho é bairro Retiro, região de Nova Contagem,Contagem, Minas Gerais, Brasil.


Maykon Martins (21 anos)

O filme é simples e encantador, mostra que nem sempre o mundo da as mesmas oportunidades a todos e para alguns é somente um jogo, para outros é a esperança de uma vida melhor...


Larissa disse:
Adorei! Já vi e é um dos meus filmes favoritos


José Airton disse:
Melhor do que eu esperava. Apesar de ser meio bobo.

Glésia Ferreira disse:
Emocionante!


Fontes Pesquisadas:http://www.pensandoescola.com.br/xadrez/tag/os-cavaleiros-do-bronx/
http://telecine.globo.com/filmeInicial/5454/cavaleiros-do-bronx-os
http://interfilmes.com/filme_24460_Os.Cavaleiros.do.Bronx-(Knights.of.the.South.Bronx).html

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

479 - END GAME

Nova Série – Endgame, Solucionar Crimes é um Jogo de Estratégia
Arkady Balagan (Shawn Doyle, de “Big Love”) é um russo, mestre de xadrez, ex-campeão mundial, que após presenciar o assassinato de sua noiva passa a sofrer de paranóia social. Assim, Arkady isola-se do mundo, passando a viver em uma suíte de um hotel de luxo em Vancouver, Canadá.

Com medo de sair, mas precisando pagar suas contas, ele começa a utilizar seu raciocínio lógico e estratégico para solucionar crimes. Para realizar o trabalho de campo ele conta com a ajuda dos funcionários do hotel, bem como por aficcionados por xadrez, fãs do campeão.

Criada por Avrum Jacobson, “Endgame” estreou no dia 14 de março de 2011 pelo canal Showcase, no Canadá. Produzida pela Thunderbird Films, em associação com a Front Street Pictures, a série tem 13 episódios encomendados para a primeira temporada.

A ideia surgiu quando o canal pediu ao roteirista e produtor um novo projeto. Na época, ele estava finalizando a produção de “ReGenesis”, série de 2004 a 2008, com 52 episódios.

Visto que a reclusão do personagem principal poderia limitar as histórias, Jacobson desenvolveu o projeto de forma a permitir que o público penetre na mente do personagem. Dessa forma, imagens mostram a linha de raciocínio utilizada por Arkady para solucionar os crimes. Através de sua imaginação, ele é capaz de estabelecer os motivos que levam uma pessoa a cometer um crime, a ‘presenciar’ entrevistas com testemunhas, a ‘conversar’ com os mortos e a estabelecer diferentes cenários do caso que investiga.

No elenco também estão Melanie Papalia, que interpreta Pippa, irmã da falecida noiva de Arkady; Patrick Gallagher (Glee), como Hugo, gerente de segurança do hotel; Torrance Coombs (The Tudors), como Sam, fanático por xadrez e fã do mestre; Katharine Isabelle, como Danni, garçonete do bar do hotel; Carmen Aguirre, como Alcina, uma das camareiras do hotel; Lisa Ray, como a noiva de Arkady; e Veena Sood, como Barbara.

É possível fazer o download pela internet dos 13 episódios.


Fontes
http://xadrez.altervista.org/xadrez/dirversos.htm 
http://veja.abril.com.br/blog/temporadas/series-canada/nova-serie-endgame-solucionar-crimes-e-um-jogo-de-estrategia/

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=k95l0TOMgO8

478 - OS JOGADORES DE XADREZ

Os Jogadores de Xadrez
Título Original: Shatranj Ke Khiladi
 
Enquanto a história decorre inexoravelmente, transformando a Índia numa colónia britânica, dominada pela Companhia das Índias, dois indianos aristocratas passam o seu tempo a jogar xadrez. Indiferentes à crise política, ao abandono a que as mulheres os votam, à proximidade de uma guerra.



 
Direção: Satyajit Ray
Richard Attenborough



Não é um filme fácil de se ver, de forma alguma, este Os Jogadores do Fracasso, um dos últimos da carreira prestigiosa do grande Satyajit Ray (1921-1992), o maior cineasta indiano do século XX. Muito ao contrário. Mas é poderoso, imponente. Tem toda a marca de um grande diretor.

Tento explicar o que quis dizer com a primeira afirmação. Já não é nada fácil comprender muitas das situações apresentadas em filmes indianos, mesmo quando a ação se passa mais perto de nossos dias, e em ambientes urbanos, porque a gente conhece muito pouco dos valores, dos símbolos, dos signos daquela sociedade. Os Jogadores do Fracasso (o título em inglês, para o mercado internacional, foi The Chess Players, os jogadores de xadrez) se passa em um reino da Índia então colônia britânica, mais propriamente colônia de uma empresa britânica, a East India Company, em 1856. Ah, sim: e o reino em questão sequer é hinduísta, e sim de maioria muçulmana.

E o diretor Satyajit Ray escolheu um tom de fábula, de sátira, para contar sua história passada nesse reino tão distante de nós, geográfica e temporalmente.

Coloca em discussão temas complexos, delicados, difíceis, como o choque cultural, a responsabilidade e a irresponsabilidade dos governantes, a apatia das elites, o alheamento dos nobres, dos ricos, seu distanciamento total da realidade social de um povo e um país submetido ao jugo de uma potência colonialista. E usa, para isso, símbolos, signos, valores, formas de expressão que nós, ocidentais, absolutamente não dominamos, não compreendemos.

O monarca do lugar, cuja capital é a cidade de Lucknow, o marajá, o nababo, o rei, Nawab Wazed Ali Shah (Amjad Khan), é ao mesmo tempo um homem bom e um pobre diabo. Não foi talhado para o papel que lhe deram na sociedade; é absolutamente inapetente para tudo que tem relação com administração, governo, tomada de decisão. É um poeta, um compositor – está no lugar errado, na hora errada. O representante da East India Company e de sua Majestade a Rainha Victoria, o general Outram (interpretado por Richard Attenborough), por sua vez, é um supremacista, um etnocêntrico, um inglês que jamais deveria ter botado a cabeça para fora do clubes dos ricos londrinos de então – não compreende nada que seja diferente de seu mundo, de seus valores, só é capaz de enxergar o mundo a partir de seu próprio umbigo. Tem um desprezo profundo pelo rei com quem tem que negociar.

Os personagens que acabam dominando a fábula contada por Ray, no entanto, são dois nobres, Mirza (Sanjeev Kumar) e Mir (Saeed Jaffrey). Descobriram o xadrez, estão apaixonados pelo jogo de xadrez, jogam loucamente, alucinadamente, o dia inteiro. Bem no início do filme, depois dos créditos iniciais em que há imagens belíssimas em close-up das peças dos jogos e das mãos cheias de anéis dos dois jogadores movendo-as, um narrador com voz em off nos situa no tempo e no espaço, até dizer uma frase assim: “Poderíamos perguntar se eles não trabalham, pois passam todo o dia a jogar. Não, eles não trabalham: são nobres.”

Mirza e Mir dedicam-se tanto ao xadrez (enquanto fumam seus narguilês e comem o que os criados lhes trazem) que um deles é incapaz de perceber que o sobrinho que tenta se esconder debaixo de sua própria cama quando ele aparece de repente no quarto está comendo a sua mulher, e não fugindo dos guardas do rei, explicação besta que apresenta ao ser flagrado.

Satyajit Ray, um artista profundamente humanista, sempre preocupado com as grandes questões morais – alguns de seus filmes enfocam basicamente a questão da corrupção, do dinheiro sujo, por exemplo – devia certamente estar se referindo à incompetência das elites indianas em lidar com os problemas do país, na época em que o filme foi feito, 1977. Os patéticos personagens de Mirza e Mir seguramente são o espelho de lideranças da Índia da época – mas o que conhecemos da Índia de 1977 para saber a quem ele estava se referindo?

Com essa pergunta, não estou pretendendo de forma alguma questionar a qualidade do filme. Só tento explicitar como é difícil para nós, brasileiros comuns, que conhecemos pouco sobre a Índia, esse país tão absolutamente complexo, compreender a obra de Ray em toda a sua grandeza.

E que grandeza. Que maravilhoso cineasta é esse senhor, que dirige, escreve, dirige a fotografia e ainda compõe a trilha sonora – tudo com maestria.

Ray apresenta longas – e belíssimas – seqüências em que há cantos e danças. É uma tradição do cinema indiano as seqüências de cantos e danças; a Índia, é sempre bom lembrar, é o maior produtor mundial de filmes. Só para dar um exemplo: em 2006, a Índia produziu 930 filmes. Os Estados Unidos, o grande Império, que atrai cineastas do mundo inteiro, é o segundo colocado, com 800 filmes. Entre o segundo e o terceiro colocados há um abismo – o Japão teve 350 produções. O planeta China, onde vive um de cada cinco terráqueos, fez 260 filmes. E a França, que se julga, com todo o direito, o berço do cinema, assim como se julga, sem direito algum, o berço de tudo o que há de bom na civilização, fez 203.


Fonte
http://cinema.sapo.pt/filme/shatranj-ke-khiladi/

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

477 - OS REIS DO XADREZ (KING OF CHESS)

Em Taipei, Taiwan, um executivo de televisão está ajudando o inicio de um programa de televisão sobre crianças prodígio. Prepara um segmento com um jovem prodígio do xadrez. Enquanto ele faz isso, ele se lembra de uma visita ao continente na época da Revolução Cultural para visitar um primo. Enquanto viajava de trem, ele encontrou um outro jogador de xadrez que estava a caminho de um campo de prisioneiros.

Como ele se pergunta o que aconteceu com ele, o filme corta para trás e para frente entre as duas histórias diferentes. Uma delas é sobre a competição acirrada que o prodígio deve enfrentar em 1980 em Taipei, o outro é sobre a competição do torneio em campos de trabalho chineses na década de 1960.




Encontramos dificuldades em compreender a tradução do texto desta produção chinesa.

Detalhes do Filme

Título: The King of Chess
Tempo: 111 minutosStatus: Released
País: China
Gênero: Adaptação, Drama




Fonte de Pesquisa
http://movies.nytimes.com/movie/211156/The-King-of-Chess/overview

476 - UM LANCE NO ESCURO (NIGHT MOVES)

Grande atuação de Gene Hackman neste filme dirigido por Arthur Penn em sua melhor forma. Com seu casamento no fim, o detetive particular Harry Moseby (Hackman) é contratado pela família de uma adolescente que fugiu para a Flórida. Ele vai atrás da garota e tenta trazê-la de volta, descobrindo uma série de histórias mal-explicadas.
FICHA TÉCNICA

Diretor: Arthur Penn


Elenco: Gene Hackman, Susan Clark, James Woods, Melanie Griffith, Jennifer Warren, Dennis Dugan.


Produção: Robert M. Sherman
Roteiro: Alan Sharp
Fotografia: Bruce Surtees
Trilha Sonora: Michael Small
Duração: 95 min.
Ano: 1975
País: EUA
Gênero: Policial
Cor: Colorido
Estúdio: Warner Bros
 


Fonte:
http://www.cineclick.com.br/filmes/ficha/nomefilme/um-lance-no-escuro/id/5497

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

475 - CASABLANCA

Um dos filmes mais emblemáticos da história do cinema, Casablanca, encontra-se intimamente relacionado com o xadrez. Sobre este filme eu não preciso falar muito. É um clássico que sempre será visto. Vejam a riqueza de detalhes pesquisados para esta postagem.


Em uma das cenas mais importantes do filme, o ator principal - Humphrey Bogart - aparece diante de um tabuleiro de xadrez, ou bem jogando, ou bem analisando uma determinada posição.


Essa posição corresponde à Defesa Francesa, como se de uma premonição se tratasse. Ainda que para Bogart e Bergman "sempre haverá Paris", no final ele fica sem ela, ainda que - isso sim, bem acompanhado por sua francesa.


A opinião geral é que o xadrez era só um passatempo durante as rodagens de Casablanca, filme que Michael Curtiz dirigiu em 1943, já que - fora da câmara - Claude Rains, Humphrey Bogart e Paul Henreid o praticavam assiduamente.


Entretanto, o xadrez aparece em uma das cenas principais, no começo da fita, quando Ugarte (Peter Lorre) tenta falar no Café Américain com Rick Blaine (Bogart). A cena foi incluida por sugestão do mesmo Bogart.


Uma imagem inspirada nesta cena foi utilizada como base para o cartaz publicitário do filme destinado à França, ainda que substituindo Ugarte pelo senhor Ferrari (Sydney Greenstreet), o volumoso chefe do mercado negro, cujo cigarro rodeia de fumaça o rosto circunspecto de Ilsa Lund (Ingrid Bergman).


Inclusive "em um rascunho do roteiro de Casablanca, Rick e Renault jogam xadrez enquanto decola o avião de Victor e Ilsa." [Frank Miller: "Casablanca as time goes by... 50th Anniversary commemorative", Turner Publishing Inc., Atlanta 1992, página 137.]


Tudo isso parece indicar que o xadrez cumpre sutilmente certa função semântica neste filme já imortal, posto que em uma obra de arte todo detalhe é potencialmente significativo. Nos demoremos na cena inicial no Café, examinemos a situação do filme e a comparemos com a situação das peças no tabuleiro de xadrez.


Rick está só em frente ao tabuleiro. Não joga, mas parece estar analisando uma posição presumivelmente delicada, difícil ou chave (ninguém dedicaria muito tempo em uma posição óbvia, que requer lances fáceis). Já é algo chamativo que Rick se encontre sentado do lado das pretas, pois o habitual é que se analise do lado branco, e que todas as publicações enxadrísticas reflitam esta convenção.


Sempre haverá Paris e sempre haverá a dupla Ingrid Bergman e Humphrey Bogart para relembrar este clássico filmado e ambientado durante a Segunda Guerra. Casablanca se passa justamente na porção francesa do Marrocos, governada pelos colaboracionistas de Vichy, por onde passavam todos aqueles que almejavam fugir da guerra em direção aos Estados Unidos. Em tempos de Oscar, vale dizer que Casablanca ganhou como melhor filme, diretor e roteiro em 1943, em plena guerra.
 
Além de refugiados e membros da resistência, a cidade de Casablanca ficava, naquela época, repleta de nazistas e oportunistas de plantão. É nesse clima que Ilsa Lund (Ingrid Bergman) e Rick Blaine (Humphrey Bogart) se reencontram e relembram a Paris de antes da guerra e que Rick tem que optar em socorrer seu rival Laslo, líder da resistência tcheca em fuga dos nazistas, ou revidar por ter sido deixado o Ilsa no passado. Em um dos vários diálogos memoráveis, Ricky pergunta ao inspetor de polícia por que salvaria Laslo. Sabiamente, o policial responde: “Porque atrás dessa sua cara cínica, há um sujeito sentimental”. E é desse sentimentalismo irônico que eu mais gosto no filme.
 
Ao som da eternizada As Time Goes By, o filme se desenrola com diálogos bem humorados e cenas inesquecíveis. Lançado em plena Segunda Guerra, imagino que os espectadores da época tenham ficado sem saber como tudo terminaria de fato – àquela altura do campeonato, não se tinha ideia do que ia acontecer com a Europa e com o mundo e o final do filme sugere uma certa incerteza quanto ao futuro dos personagens. Mesmo sabendo do desfecho da guerra e dos anos que se seguiram, até hoje, quando assisto à última cena, também me pergunto o que terá sido de todos eles. Um golpe de mestre do diretor Michael Curtiz em meio ao nevoeiro.
 
Elenco:
Humphrey Bogart como Richard Blane
Ingrid Bergman como Ilsa Lund Laszlo
Paul Henreid como Victor Laszlo
Claude Rains como capitão Louis Renault
Conrad Veidt como major Heinrich Strasser
Sydney Greenstreet como Senor Ferrari
Peter Lorre como Ugarte
Madeleine LeBeau como Yvonne
Dooley Wilson como Sam



Prêmios e indicações

Óscar de:
Melhor filme Warner Bros. (Hal B. Wallis, Produtor) Venceu
Melhor diretor Michael Curtiz Venceu
Melhor ator Humphrey Bogart Indicado
Melhor roteiro adaptado Julius J. Epstein, Philip G. Epstein e Howard Koch Venceu
Melhor ator coadjuvante Claude Rains Indicado
Melhor fotografia Arthur Edeson Indicado
Melhor edição Owen Marks Indicado
Melhor Trilha sonora Max Steiner Indicado

Curiosidades
Em 1989, o filme foi selecionado para preservação no Registro Nacional de Filmes dos Estados Unidos sendo considerado "culturalmente, historicamente ou esteticamente significativo".

Em 2005 foi nomeado um dos 100 melhores filmes dos últimos 80 anos pela Time.com (os filmes selecionados não foram classificados).

Em 2006, o Writers Guild of America, West votaram o roteiro de Casablanca o melhor de todos os tempos na sua lista dos "101 Greatest Screenplays".

O filme foi reconhecido várias vezes pelo American Film Institute em muitas de suas listas.


Fontes pesquisadas:
http://cinegarimpo.com.br/casablanca/ 
http://www.65anosdecinema.pro.br/1474-CASABLANCA_(1942)
http://members.fortunecity.com/marcelomoraes/casablanca.htm
http://www.adorocinema.com/filmes/casablanca/trailers-e-imagens/#11895
http://pt.wikipedia.org/wiki/Casablanca_(filme)

474 - FRESH

Desiludido pelas dificuldades da vida, Michael (Sean Nelson), um garoto negro de 12 anos, que transporta pelas ruas do Brooklin heroína e crack para os traficantes do lugar, inteligente, apelidado de Fresh, trafica drogas, por intermédio do traficante Esteban (Giancarlo Esposito), para sobreviver e ajudar a família.

Mas tem como ponto de honra freqüentar a escola para não desapontar a tia Frances. Em segredo, ele sempre passa pela Washington Square, onde seu pai (Samuel L. Jackson), um cara genial que acabou na miséria, joga xadrez e ensina ao filho os rudimentos de estratégia e análise. Quando por acaso Fresh testemunha o assassinato de um colega de classe, ele se torna um alvo em potencial.

Sam ensina o filho a jogar xadrez e mais, a encarar a vida como um tabuleiro, no qual as peças devem ser movimentadas após muito raciocínio. Levado a uma situação limite, o garoto põe a experiência e habilidade estratégica em ação, desenvolvendo um engenhoso plano para proteger sua vida e derrotar os assassinos.

Ao longo da história, Fresh, que não usa drogas, tenta salvar sua irmã Nichole (N’Bushe Wright), dependente química que namora um traficante poderoso. Como num jogo, ele esquematiza seu golpe de mestre e com um xeque mate consegue se vingar. Com uma extraordinária performance de Samuel L. Jackson (Pulp Fiction) e dirigido por Boaz Yakin (Duelo de Titãs), o filme é eletrizante, é pura emoção para o seu entretenimento.

Elenco
Sean Nelson ... Fresh
Giancarlo Esposito ... Esteban
Samuel L. Jackson ... Sam
N'Bushe Wright ... Nichole
Ron Brice ... Corky
Jean-Claude La Marre ... Jake
José Zúñiga ... Lt. Perez
Luis Lantigua ... Chuckie
Yul Vazquez ... Chillie
Cheryl Freeman ... Aunt


Gênero Drama/Policial/Suspense
Direção Boaz Yakin
Duração 114 minutos
Áudio 2.0 DD (Inglês, Português)
Legendas Português, Espanhol, Japonês


Quem assistiu disse-me que é um bom filme. Por isso guardei em minha memória o nome deste filme baseado no xadrez.



Fontes
http://www.cineplayers.com/filme.php?id=3391
http://www.web-libre.org/medias/affiche-films/7a006957be65e608e863301eb98e1808.jpg

473 – LANCE FINAL


Após a execução de um suposto serial killer assassinatos semelhantes voltam a acontecer, uma peça de xadrez é sempre deixada no local do crime. Um ex-detetive com dons paranormais é reinterado à polícia para solucionar, junto com seu antigo parceiro, estes crimes atuais. Entre a culpa, por ter enviado o cara errado à cadeira elétrica e o desafio de encontrar o novo serial killer, os dois entram num jogo em que cada lance pode ser o final.


Este filme que é recomendado para maiores de 16 anos, traz um grande elenco numa produção que produz muita adrenalina.


Assista de um só tempo e descubra quem primeiro que todo mundo quem é o serial killer. A minha esposa conseguiu descobrir. Tente.


No elenco a participação de David Carradine (Kill Bill vol. 1 e 2, Kung Fu Killer e etc), Matt Schulze (Velozes e Furiosos e Fúria sob duas rodas), Daniel Baldwin (Desejos Macabros, Face a Face com o Inimigo, Herói por Acidente e etc). Enfim, entre no jogo, faça a sua jogada e veja se não vai errar.




Elenco
Matt Schulze .... Dan Marlowe
Lochlyn Munro .... Detective Krieg
Daniel Baldwin .... Jasper Haig
David Carradine .... Captain Baker
Amanda Detmer .... Amy Marlowe
Christina Gabrielle .... Clare
Melissa Greenspan .... Briggs
Lyndsay Griffin .... Veronica
Rachel Hunter .... Iris Quarrie
Maggie Kretzmer .... Bartender
Anika C. McFall .... News Anchor
Tina Morasco .... Dr. Ornston
Kristin Richardson .... Sarah Underhill
Paul Sampson .... Eric
Sarah Ann Schultz .... Nicky Z.
Tucker Smallwood .... Myron
Shasta Smith .... Officer
Phil Weldele .... Officer

472 - VIVA A RAINHA

FILME PARA O PÚBLICO INFANTIL
Rainha inventa jogo para que seu entediado rei não começe uma guerra. É a oportunidade da pequena Sara, que se acha menos inteligente que os outros, de descobrir seu verdadeiro potencial e a capacidade de realizar seus sonhos.


No filme uma garota tem vontade de aprender xadrez, mas não se acha capaz. Então o pai de uma amiga lhe conta uma historia sobre uma rainha que fez um desafio de xadrez para que o rei não fosse mais as guerras, entrando assim na historia a garota transforma-se numa campea. Filme vencedor do Prêmio Montgomery e do Prêmio do Juri Adulto do Festival de Filmes Infantis de Chicago em 96.


Elenco
Tiba Tossijn .... Sara
Maya van den Broecke .... Rainha Negra
Monique van de Ven .... Rainha Branca
Lisa De Rooy .... Susanne de Wall, mãe de Sara
Derek de Lint .... Bob Hooke, pai de Sara
Cas Enklaar .... Bispo Branco
Piet Bestebroer .... Bispo Negro
Rudolf Lucieer .... professor
Pieter Lutz .... avô de Sara
Serge-Henri Valcke .... Rei Negro
Jack Wouterse .... Rei Branco
Karen Baars .... Alice


Principais prêmios e indicações

Chicago International Children's Film Festival (EUA)
Esmé Lammers recebeu o Prêmio Montgomery e o filme tirou segundo lugar no Prêmio Júri Adulto para filme de cinema.
Nederlands Film Festival 1996 (Holanda)
Venceu na categoria de Melhor Filme.
Würzburg International Filmweekend 1997 (Alemanha)
Recebeu o prêmio de Melhor Filme Infantil.

Fonte
http://filmow.com/viva-a-rainha-t17132/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Lang_Leve_de_Koningin

domingo, 25 de dezembro de 2011

471 - FACE A FACE COM O INIMIGO


Velha capa do filme em VHS convertido para DVD
Peter Sanderson é um campeão de xadrez que se torna o maior suspeito dos crimes terríveis que vêm acontecendo na cidade. Odiado por seus adversários, ele se envolve com uma mulher que é brutalmente assassinada. Uma psicóloga é contratada para diagnosticar o suspeito e acaba apaixonada por ele. Cruéis mortes acontecem. Em cada vítima, uma mensagem do assassino. Pelas pistas deixadas, Peter descobre que o assassino é seu rival no xadrez e que a última cartada está chegando ao final. Num clima de suspense onde não se pode perder um minuto, Peter quer saber qual será a próxima jogada de seu inimigo, pois um lance errado pode levá-lo à morte. Mas ele colabora com a polícia na captura deste serial killer que vai jogando com ele, como se fosse xadrez, matando outras mulheres e o avisando antes. Até quando seqüestra a filha do herói num xeque-mate definitivo.

Você vai assistir um filme quase que num único fôlego. As cenas e os acontecimentos vão acontecendo rapidamente. O suspenso vai crescendo e cresce no expectador a curiosidade, por que? quem é o assassino?

Este filme é recomendado para maiores de 14 anos. Você vai assistir e vai gostar deste filme estrelado por Chistopher Lambert e Diane Lane (sua esposa quando o filme foi rodado), Tom Skerrit e Daniel Baldwin (presente no filme Lance Final).

Elenco
Christopher Lambert ... Peter Sanderson
Diane Lane ... Kathy Sheppard
Tom Skerritt ... Capt. Frank Sedman
Daniel Baldwin ... Det. Andy Wagner
Codie Lucas Wilbee ... David, 9 Years Old
Joshua Murray ... Peter, 14 Years Old
Frank C. Turner ... Doctor
Don Thompson ... Father
Megan Leitch ... Mother
Alex Diakun ... Grandmaster Lutz
Ferdy Mayne ... Jeremy Edmonds
Katharine Isabelle ... Erica Sanderson
Mark Wilson ... Newscaster
Kehli O'Byrne ... Debi Rutlege
Blu Mankuma ... Steve Nolan


Ficha Técnica
Gênero: Suspense
Diretor: Carl Schenkel
Ano: 1992
Idioma: Inglês - Legendado em Português


Espaço Para Imagens do Filme














Fontes Pesquisadas

http://cinema.uol.com.br/filmes/face-a-face-com-o-inimigo-1992.jhtm
http://www.epipoca.com.br/filmes_detalhes.php?idf=13767

sábado, 24 de dezembro de 2011

470 - LANCES INOCENTES - PROCURANDO POR BOBBY FISCHER


Capa do meu velho "LANCES INOCENTES"
 O título original do filme é "Searching for Bobby Fischer" (Procurando por Bobby Fischer) e tem tudo a ver com a história de Bobby Fischer. O filme começa com imagens em preto e branco do noticiário de época e a sua história é contada do início até o fim do filme, como pano de fundo a história principal, do garoto prodígio americano Josh Waitzkin, que foi campeão americano escolar de xadrez.

Bobby Fischer foi um gênio para o xadrez americano e mundial. Foi o mais jovem (16 anos) Grande Mestre de Xadrez de toda a história e vencera todos os grandes de sua época até decidir o título mundial em 1972, em Reykjavík, Islândia, contra o russo Boris Spassky, derrotando-o de forma convincente a disputa que paralizou a Guerra Fria que havia entre a Rússia (URSS) e os Estados Unidos da América (USA).

Fischer como ficou conhecido entre os amantes do xadrez e tinha um excepcional talento enxadrístico, talvez um presente da Deusa Caíssa. Na disputa do título mundial foi convencido a jogar a sumpremacia da inteligência mundial graças a fabulosa bolsa de US$ 1,000.000,00 ou seja, um milhão de dólares, quantia somente paga, naquela época, nas disputas de título mundial de boxe.

Bobby Fischer aos 20 anos de idade
 A história de Bobby Fischer é muito longa e estamos deixando de lado a história principal, mais alguns detalhes sobre o Gênio de Fischer que recusou a defesa do seu título em 1975 por pedir de bolsa a bagatela de um milhão e quinhentos mil dólares, considerando a importância do xadrez para a supremacia americana e sumiu do cenário mundial por mais de 20 anos, só retornando em 1992 para um encontro com o mesmo Spassky em Belgrado e Montenegro, reeditando de forma não-oficial a final de 1972, para ajudar os refugiados da guerra, o qual venceu novamente mesmo estando inativo todos estes anos e o russo tivesse continuado jogando. O filme também é uma homenagem a este gênio incompreendido do xadrez.


Bobby Fischer acabou com um duradouro reinado dos russos no xadrez em 1972, numa histórica disputa na Islândia.

Os líderes soviéticos usavam a hegemonia no xadrez para apregoar a superioridade do comunismo. Ao bater Boris Spasski, o campeão mundial, Fischer se tornou um herói da Guerra Fria. (Não vou escrever sobre a Guerra Fria, simplesmente me recuso. Preguiça. Wikipedia para maiores detalhes.) Fischer de alguma forma antecipou no tabuleiro o fim do comunismo.


Bobby Fischer em 2005. Tabuleiro do confronto de 1972 contra Spassky em Reykjavik

Spasski era assessorado, nos intervalos das partidas pelo título mundial, por 35 grandes mestres de xadrez. Fischer tinha um caderno de anotações, e ele próprio, e sua mente prodigiosa. E venceu. Fischer sonhava fazer uma casa na forma de uma jogada clássica de xadrez, o roque. Não fez. Ele tinha sido o principal trunfo de si próprio na Islândia, e depois se converteu também em seu pior inimigo. Via conspiradores por toda parte. Tinha sempre a seu lado pílulas para neutralizar envenenamento em sua comida.

Morreu solitário como sempre foi, Bobby Fischer, um gênio, um gigante, um herói improvável, o campeão eterno de todos nós os desajustados, e foi com um arrepio que eu soube que o local escolhido por ele para morrer foi a remota Islândia, onde vivera seus dias de rei e guerreiro, onde fora capaz de destruir, sozinho, apoiado apenas em seu extraordinário talento e em sua vontade inquebrável, um exército de quase 40 grandes mestres soviéticos ávidos por liquidar aquele judeu americano petulante. A Islândia era acolhedora para ele, como era acolhedor o clube de xadrez novaiorquino em que, garoto, estudava longamente o jogo quando devia estar na escola.

Enfim, vamos falar do nosso belo filme que nos incentivou nesta longa e duradoura pesquisa.


LANCES INOCENTES

É um excelente filme e que serve para uma reflexão sobre o xadrez nas escolas, o pensamento de educadores e dos pais do garoto com visões diferentes dos professores de xadrez. Quando da morte de Bobby Fischer em janeiro de 2008 a Paramount Pictures esteve para relançá-lo. Mas, de qualquer maneira  o filme ficou em destaque e foi bastante procurado por amantes e simpatizantes do xadrez.

A história principal do filme é sobre a vida de Josh Waitzkin (Max Pomeranc), um garoto normal como milhões de garotos americanos, vive com seus pais e sua irmã, vai a escola e tem os seus brinquedos favoritos empilhados em seu quarto.

Mas um dia Josh quando brincava no parque descobre um mundo que até então não conhecia, o mundo dos homens desocupados do parque que passam os dias a jogar vários jogos diferentes, inclusive o xadrez, por dinheiro. No meio desde mundo Josh descobre algo mágico que o arrebatara logo de cara, Josh descobre um "mundo" preso em 64 casas, um tabuleiro onde dois Reis, um de branco e um de preto comandavam seus exércitos numa luta interminável.

Nem a chuva e nem os gritos de sua mãe, fazia com que Josh desgrudasse os olhos do tabuleiro, e os jogadores, mesmo debaixo de chuva, nem pensavam em parar de jogar.

Quando é introduzido um personagem que carrega sobre si o espírito do jogo, impregnado em seu modo de ser e seu amor pela aventura e desafio da luta: Vinnie (o fantástico ator Laurence Fishburne), que devolve a bola que Josh havia perdido, mas Josh devolve a bola a Vinnie em troca da peça de xadrez que havia achado no chão. É simbólico isso e muito forte também.

O pai de Josh, Fred Waitzkin (Joe Mantegna), um cronista esportivo, nem desconfia que seu filho não está mais interessado no beisebol.

Diante do interesse de Josh pelo parque e o jogo de xadrez, sua mãe Bonnie Waitzkin (Joan Allen) pede ao marido para ensinar o filho a jogar o tal jogo, mas após Josh vencer o pai seguidas vezes, Fred Waitzkin resolve contratar um professor para ensinar seu filho e desenvolver a capacidade natural dele para o jogo.

Então é introduzido na história Bruce Pandolfini (Ben Kingsley), na realidade, um dos maiores professores de xadrez de toda a história.

Pandolfini ensina tudo o que o menino precisa aprender para ser um grande enxadrista e Josh, impulsionado por seu pai, passa a disputar todos os torneios mais importantes de xadrez dos EUA, vencendo muitos e se tornando num menino prodígio.

Até que no final do campeonato nacional de sua categoria Josh tem que enfrentar outra grande promessa do xadrez americano, Jonathan Poe (Michael Nirenberg), onde o vencedor seria sagrado campeão do campeonato escolar americano daquele ano.

Josh leva para esta partida tudo que aprendera com Pandolfini, seu professor, mas leva também o espírito de luta que aprendera com Vinnie nos jogos na praça, onde as únicas regras eram lutar até o fim e ser leal.

Josh, após uma luta complicada no meio jogo, oferece empate para Jonathan numa final que sabia que estava ganho para ele, oferecendo assim, dividir o título; mas seu adversário não aceita e Josh o derrota com precisão matemática, sagrando-se campeão sozinho e em seguida termina o filme.

A mensagem é que tudo na vida, e o xadrez ensina isso, é preciso disciplina, lealdade e espírito de luta.Pensando bem, os Lances não são inocentes, são inteligentes. Assista e comprove.


ELENCO


Max Pomeranc .... Josh Waitzkin
Joe Mantegna .... Fred Waitzkin
Joan Allen .... Bonnie Waitzkin
Ben Kingsley .... Bruce Pandolfini
Laurence Fishburne .... Vinnie
Michael Nirenberg .... Jonathan Poe
Robert Stephens .... professor de Poe
David Paymer .... Kalev
Hal Scardino .... Morgan
Vasek Simek .... jogador russo
William H. Macy .... padre
Dan Hedaya .... diretor do torneio
Laura Linney .... professora
Anthony Heald .... pai brigando


PRINCIPAIS PRÊMIOS E INDICAÇÕES

Oscar 1994 (EUA)
- Indicado na categoria de Melhor Fotografia

MTV Movie Awards 1994 (EUA)
- Venceu na categoria de Melhor Produtor

Festival de Tóquio 1993 (Japão)
- Recebeu o Prêmio Especial do Júri e Menção Especial

Camerimage 1994 (Polônia)
- Recebeu o Sapo de Bronze
- Indicado ao Sapo de Ouro.


CURIOSIDADES

O filme é baseado na vida de Joshua Waitzkin e adaptado do livro escrito pelo pai de Joshua, Fred Waitzkin.

O personagem Jonathan Poe, o rival jovem de Josh no filme, é baseado no real prodígio jovem do xadrez, Jeff Sarwer.

A estrela do filme, Max Pomeranc, foi escolhido porque jogava xadrez na vida real. Os produtores queriam alguém que se postasse corretamente e à vontade jogando xadrez.

Nenhum dos outros atores sabia jogar xadrez, mas Joe Mantegna aprendeu no decorrer das filmagens.

Muitos dos personagens de famosos jogadores de xadrez foram interpretados por eles mesmos, como Joel Benjamin, Kamran Shirazi e Roman Dzindzichashvili.

O filme apresenta em flash-backs cenas com Bobby Fischer e, numa delas, ele aparece derrotando o então campeão Spassky.

Bobby Fischer reclamou do filme, dizendo que ele era parte de uma conspiração para denegri-lo e ganhar dinheiro às suas custas

FOTO DO SITE DE JOHN WAITZKIN

BIOGRAFIA DE JOSH WAITZKIN

Nascido na cidade de Nova York, começou primeiramente a jogar xadrez aos 6 anos de idade. Ele descobriu o jogo enquanto passava adiante do Washington Square Park na cidade de Nova York, onde muito dos 'nativos' jogavam xadrez rápido. Esse rápido e agressivo estilo de xadrez apelou a ele e ele imediatamente aderiu ao jogo. Como um competidor escolar ele ganhou 8 títulos nacionais e sua carreira juvenil estava imortalizada quando a Paramount Pictures lançou : "Procurando Bobby Fischer", filme baseado na sua vida e amor ao xadrez. Josh se tornou um Mestre Nacional aos 13 anos de idade e Mestre Internacional aos 16 anos, assim como Bobby Fischer!! Hoje, Josh é um dos mais populares e extensamente identificado jogadores de xadrez e ganhou uma reputação mundial pela graça humana com o qual ele fala e escreve sobre o jogo.


FONTES PESQUISADAS:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Searching_for_Bobby_Fischer
http://www.joshwaitzkin.com/ 
http://sodelerever.blogspot.com/2010/05/lances-inocentes-filme.html
http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20081111111432AAs6VQ6
http://www.diariodocentrodomundo.com.br/?tag=bobby-fischer