segunda-feira, 27 de setembro de 2010

210 - Vai começar os Jogos Estudantis da Castanha

Já foram encerradas no dia 24/09 (6ª feira) as inscrições para os XXVII Jogos Estudantis da Castanha, evento também conhecido como Jogos da Semana da Castanha.



Esta é uma oportunidade que o poder público realiza para colocar os alunos de estabelecimentos de ensino em evidência e reconhecer os melhores atletas e escolas das escolas públicas e privadas em âmbito desportivo.



O certame que envolve diversas atividades esportivas é promovido pela Prefeitura de Marabá, através da Secretaria Municipal de Educação (Semed), sob a coordenação do Departamento de Educação Física, Professora Rosângela Botelho.



Segundo informações do site da prefeitura municipal serão disputadas dez modalidades esportivas, entre estas, o Xadrez, nas categorias: Mirim (para nascidos entre os anos de 1998 a 2000), Infantil A (para nascidos entre os anos de 1996 e 1997) e Juvenil B (para nascidos entre os anos de 1993 e 1995) dos sexos masculino e feminino.



A coordenação ressalta que o objetivo é ampliar a participação em atividades esportivas a todos os estabelecimentos de ensino das redes estadual, municipal e privada do município de Marabá, promovendo a mobilização da classe estudantil em torno do esporte.



Os jogos terão início a partir do dia 30 de Setembro e prosseguem até o dia 24 de outubro tendo como palco das competições o Ginásio Poliesportivo.



Esperamos que os Jogos Estudantis da Castanha sejam coroados de sucesso, principalmente na modalidade Xadrez e, ainda, que seja componente de um calendário de atividades sistematizadas e não fique apenas em eventos pontuais.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

209 - Livro de Xadrez para o Ensino Pré-Escolar

UMA MENSAGEM AOS PAIS


FATORES IMPRESCINDÍVEIS PARA O SUCESSO



QUANTO VALE A EDUCAÇÃO DE SEU FILHO?


O QUE ELE SERÁ QUANDO CRESCER?


O QUE O FUTURO RESERVA PARA O SEU FILHO?





Essas perguntas só terão respostas quando nada mais puder ser modificado. O melhor a fazer, portanto, é preparar o melhor possível os nossos filhos para estarem aptos a desempenhar suas funções quando o futuro chegar.



Uma coisa, porém, é certa: venha ele (ou ela) a ser um grande atleta – em qualquer esporte – ou empresário bem sucedido, militar advogado, professor, engenheiro etc., não importa a profissão escolhida, está comprovado que são fatores imprescindíveis para o sucesso:



  • compreensão rápida dos assuntos tratados e fatos ocorridos;

  • capacidade de análise rápida das diferentes situações;

  • velocidade de raciocínio para encontrar a solução de questionamentos o mais rápido possível;

  • aprendizagem constante e mais rápida de novos conhecimentos;

  • memorização permanente para lembrar-se sempre do que aprendeu e observou;

  • autoconfiança em suas capacidades etc.


De acordo com experiências realizadas em diversas partes do mundo e por nós mesmos em mais de 40 anos de experiências, observações e constatações, todas as capacidades que levam uma pessoa ao sucesso podem ser desenvolvidas pelo estudo e prática do milenar Jogo de Xadrez.



Naturalmente, por estar ligado intimamente à Educação, torna-se necessário o ensino deste jogo de forma pedagógica e não apenas teoricamente, como acontece nos clubes, nos quais muitos enxadristas se dedicam a ensinar o jogo, e na grande maioria dos livros de xadrez.



Esta visão técnica da aprendizagem remonta às raízes de correntes educacionais já ultrapassadas, mas ainda vigora na maioria dos livros sobre o assunto. Isto decorre de a maioria dos livros de Xadrez serem escritos por jogadores de xadrez e não por professores; quem não tiver uma formação pedagógica, muito naturalmente, por melhor que sejam suas intenções, ficará limitado a um enforque técnico do jogo. Não resta a menor dúvida de que a visão técnica deverá ser abordada a partir de determinado estágio de evolução do aluno, porém sem descurar nunca dos aspectos pedagógicos. Estes, sim, irão garantir uma formação mais abrangente e completa, propiciando o desenvolvimento da consciência da cidadania.



QUANDO COMEÇAR A PRATICAR O JOGO DE XADREZ?



O mais cedo possível. Já existem escolas desenvolvendo o xadrez desde o Jardim de Infância envolvendo crianças de 5 e até de 4 anos. Se pensarmos que o genial José Raul Capablanca aprendeu sozinho vendo o pai em suas partidas e derrotando-o aos 4 anos de idade, poderemos afirmar, sem sombra de dúvida, que o Xadrez deve ser ensinado, enfatizo – de forma pedagógica – o mais cedo possível.



Foi pensando nisso e constantemente solicitado por responsáveis que desejam informações sobre o assunto , que me propus a escrever sobre minhas experiências e pesquisas educacionais sobre a aprendizagem do Xadrez e seu benefícios no desenvolvimento pleno da Educação.



Este texto é parte do Prefácio da Obra:

Xadrez Pré-Escolar


Uma abordagem pedagógica para o professor


Editora Ciência Moderna


Professor Sylvio Rezende




COMENTÁRIOS:

1. tive contato via e-mail com o Professor Sylvio Rezende e este, demonstrou profunda curiosidade em conhecer a Cidade de Marabá. Traçávamos planos para a realização do Seminário: O Xadrez como Instrumento de Inclusão Escolar, não realizado por falta de apoio;


2. O Professor Sylvio Rezende preocupado com a falta de bibliografia voltada ao ensino de xadrez, por meio desta obra procura repassar parte da experiência de 40 anos com o Ensino de Xadrez nas Escolas. Produziu uma obra para o ensino-aprendizagem para crianças com idade pré-escolar que desejam aprender o maravilho jogo, desfrutando do prazer, da beleza, das alegrias e dos intangíveis benefícios que provoca nos praticantes.




3. Na Fase Pré-Escolar, por volta dos quatros anos de idade, a criança, de um modo geral ainda não aprendeu a ler e nem a escrever e o Professor precisa de um suporte pedagógico para repassar o conhecimento em bases adequadas aos alunos.




4. O autor enriqueceu sua obra com diversos exercícios e jogos preparatórios, tomando por base o uso de recursos pedagógicos e de pesquisas desenvolvidas pelo autor. Um livro imprescindível como apoio educacional e não ficará empoeirados nas prateleiras, principalmente, na biblioteca do bom professor de xadrez. Excelente livro.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

208 - PROJETO DE LEI PARA IMPLANTAÇÃO DO XADREZ NAS ESCOLAS DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

PROJETO DE LEI Nº 314/2009


A Deputada Estadual Janete de Sá, no exercício de suas atribuições constitucionais, amparada na previsão do artigo 146, I, do Regimento Interno, apresenta o seguinte Projeto de Lei:


Cria no âmbito das escolas de ensino fundamental e médio no Estado do Espírito Santo, públicas e privadas, a obrigação de ensino e prática do xadrez como complemento educacional obrigatório de forma interdisciplinar.




A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO


DECRETA:
Art. 1° As escolas de ensino fundamental e médio no Estado do Espírito Santo, públicas e privadas, passarão a oferecer aos alunos o ensino e prática do xadrez, em aulas introduzidas preferencialmente na disciplina educação física.


Art. 2° A abordagem teórica levará em conta a origem do esporte como jogo, arte, ciência, regras básicas e deverá demonstrar a importância do esporte como fomentador de desenvolvimento do raciocínio crítico, da disciplina individual e da ética.


Art. 3° Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.


SALA DAS SESSÕES, 25 DE JUNHO DE 2009.


JANETE DE SÁ


Deputada Estadual – PMN






JUSTIFICATIVA DO PROJETO


Da Constitucionalidade e Legalidade em Face da Constituição e Leis Federais em Razão da Matéria


A Constituição Federal estabelece que as diretrizes e bases da educação em todo o país são de competência exclusiva da União. Assim, para ditar normas de caráter geral sobre educação, apenas o Congresso Nacional pode se manifestar, conforme especificado no artigo 22, XXIV, da Constituição.


As normas gerais estão estabelecidas na Lei Federal n° 9.394/96, conhecida como Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB, que sobre os currículos do ensino fundamental e médio, diz o seguinte:


Art. 9° A União incumbir-se-á de:


IV – estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, competências e diretrizes para a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio, que nortearão os currículos e seus conteúdos, de modo a assegurar formação básica comum.


Assim, o currículo que vigora hoje nas escolas estaduais, com indicação de disciplinas e distribuição de carga horária, compreende aquilo que ficou delimitado como conteúdo básico comum mínimo, o que não impede que novos conteúdos sejam acrescentados ou disciplinas criadas, até mesmo ampliando a carga horária mínima estabelecida pelo artigo 24, I, da LDB, qual seja, 800 horas distribuídas por no mínimo 200 dias letivos.


Desse modo, observados os parâmetros definidos pela legislação e regulamentos federais, os Estados e Municípios possuem plena competência para ampliar os currículos escolares ou determinar a focalização de determinados aspectos no modelo já estabelecido.


Isso fica muito claro quando o artigo 34 da LDB estabelece jornada mínima no ensino fundamental de 4 horas de trabalho efetivo em sala de aula, sendo progressivamente ampliado o período de permanência na escola.


Segundo o artigo 10 da mesma Lei, é de competência dos Estados organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições oficiais dos seus sistemas de ensino, além de poder baixar normas complementares para o seu sistema de ensino (incisos I e V).


No Ensino Médio, cuja manutenção é obrigação do Estado, observadas sempre as regras federais estabelecidas, deve-se procurar o aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo formação ética, desenvolvimento intelectual e do pensamento crítico (inciso III, do artigo 34, da LDB).


Resta demonstrado, portanto, que eventual direcionamento novo no currículo básico, do Ensino Fundamental e Médio, desde que observados os parâmetros mínimos estabelecidos pela matéria federal que rege a matéria, é de competência legislativa estadual, aliás, é uma necessidade.


É dever do Estado, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber, bem como, a vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais são princípios que devem reger a educação no Brasil, conforme determina o artigo 3°, incisos, II e I, da LDB.


Assim, o Poder Legislativo tem competência para deliberar sobre a matéria.


A Constitucionalidade do Projeto foi reconhecida pelo Governo do Estado através da MENSAGEM DE VETO 008/2007, cujo teor fazemos questão de transcrever:




“MENSAGEM N.º 008/2007


GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO


GABINETE DO GOVERNADOR


VITÓRIA, 11 DE JANEIRO DE 2007.




Senhor Presidente:


Dou conhecimento à Mesa Diretora dessa Assembléia legislativa que vetei totalmente, o projeto de lei nº 278/2005 de autoria da Deputada Janete de Sá, por considerá-lo contrário ao interesse público.


Após aprovação nessa casa o projeto foi transformado no autógrafo de lei nº 226/06 e encaminhado ao chefe do poder executivo através, do OF. Nº 460/SGP/ALES, para a manifestação constitucional.


O objetivo do projeto da deputada é “criar no âmbito das escolas públicas e privadas de ensino fundamental e médio do Estado do Espírito Santo, a obrigação de ensino e prática do xadrez como complemento educacional na disciplina educação física”.


Em que pese não existir violação constitucional no projeto de lei em apreço, tanto formal quanto material, não se pode esquecer que os problemas existentes no setor educacional são incontáveis, em sua maioria urgentes e prioritários em relação à inclusão do xadrez como disciplina obrigatória. eis porque, fazendo uso da competência privativa que me outorga a Constituição Estadual em seus artigos 66, § 2º e 91, IV, veto totalmente o PL Nº 278/2005, por considerá-lo inoportuno e contrário ao interesse público.”


Em que pese o posicionamento do Governo, à época da propositura original, entendemos que nos últimos três anos a educação capixaba saltou a patamares jamais imaginados, merecendo reconsideração por parte de toda a sociedade a discussão sobre a aplicação do xadrez nas escolas, dadas todas as vantagens para o intelecto que essa pratica propicia.


Assim, amparados na constitucionalidade já reconhecida pelo Poder Executivo, tornamos a propor o presente projeto de lei.




DA JUSTIFICATIVA SOCIAL DO PROJETO


Nos primeiros anos da vida do homem a atividade central manifesta é o jogo, sendo notáveis os conceitos que assim aprende. Numa brincadeira de Carrinho, por exemplo, utiliza planos inclinados, velocidade, atritos, etc.., coisas que tardará a aprender na escola, como bem delineou o ilustre ex-Vereador do Município de Curitiba, no Paraná, Antônio Borges dos Reis, ao obter aprovação de projetos de lei para introduzir o ensino do xadrez naquela Cidade.


Segundo Piaget, a partir dos 7 anos criança pode jogar atendo-se a regras ou normas, abandonando assim a arbitrariedade que seus jogos possuíam até então. Estes jogos de regras têm importante papel socializante, uma vez que forçam a adaptação a um código comum, auxiliam a aceitar pontos de vista dos demais, limitam suas próprias liberdades em favor dos outros, e a criança aprende a discutir, compreender e ceder.


É importante entender que o significado do jogo para adulto e para a criança é distinto. Enquanto que para o adulto é uma diversão ou passatempo a criança compromete toda sua personalidade, lutando e esforçando-se para realizar o que deseja, num processo semelhante ao que ocorrerá em seu trabalho na vida adulta.


O potencial educativo dos jogos não tem sido explorado em sua total potencialidade pelos pedagogos.


“Desde tempos imemoriais os torneios tem sido mestres dos homens. Desde há muito, antes mesmos que houvesse algum vestígio de pensamento científico, o homem aprendeu mediante o jogo como atuar de acordo com um plano”.


O jogo de xadrez, como auxiliar na educação, visa principalmente:


 Formar um pensamento organizado e desenvolver uma imaginação criadora capacitada a uso construtivo, dando condições ao futuro adulto de vencer as dificuldades da vida, condições que um simples comunicar de conhecimentos não proporciona.
 Auxiliar a escola a desempenhar suas funções de educar e desenvolver a personalidade dos alunos.


Na Alemanha Oriental, durante vários anos, os pedagogos observaram o desenvolvimento comparativo de grupos infantis que jogavam ou não xadrez, tendo em conta os resultados escolares expressos nas notas e concluíram:


1 – o xadrez está excelentemente adaptado para estimular a atividade e estabilizar a personalidade dos alunos durante seu crescimento, contribuindo ainda por seu elemento de competição (e as aptidões e conhecimentos necessários para o êxito) a libertar os fatores da personalidade decisivos.


2 – ajuda particularmente a ultrapassar as crises de instabilidade da puberdade.


3 – a profunda lógica que requer o jogo do xadrez favorece o pensamento lógico em geral e tem uma influência positiva sobre os resultados escolares, em particular matemática.


4 – há diferença evidente (especialmente notada quando os alunos de uma turma paralela seguem xadrez) em tenacidade, vontade, concentração e memória.


Fundada em 1973, na Inglaterra, a sociedade para o ensino do xadrez desenvolve uma grande e produtiva atividade, publicando material e auxiliando as escolas a implantá-lo, concluindo que:


1 – muitas crianças preferem coisas concretas em lugar de idéias;


2 – uma ampla aceitação do xadrez nas escolas como recreação intelectual seria uma obra de benefício nacional e um estímulo à maturidade intelectual;


3 – o poder de concentração, a habilidade em realizar um plano adaptado e realizado no tabuleiro poder ser utilizado com vantagem no jogo, muito mais importante, na vida;


4 – a previsão, acompanhada pela capacidade competitiva deve servir para abrir a porta à razão.


Na França, alguns estudos foram feitos, para introduzir o xadrez nas escolas, e Georges Ronald e Victor Rahn dão uma conclusão:


 O enxadrista adquire rapidez, decisão e espírito de responsabilidade porque cada movida que faz repercute no futuro.

Mesmo sendo superficialmente fascinante, não há, em nosso sistema educacional, preocupação em ensinar aos jovens como devem encarar um dia as responsabilidades em suas vidas, nem como o êxito de sua carreira estará condicionado por suas rápidas decisões.


Na Alemanha Federal, o Estado de Bremem introduziu o xadrez nas escolas primárias como matéria optativa alegando a necessidade de oferecer aos alunos uma ocupação agradável, útil e de interesse durante o tempo livre.


A opinião do supervisor de ensino, pedagogo dr. Rehberg, é de que:


 Jogando xadrez modelam-se as qualidades necessárias para a vida de um ser humano, qualidade como raciocínio, tenacidade, espírito de invenção, conseqüência e outras.

 Este jogo tranqüiliza e oferece alegrias.


De outros países que tem vasta experiência no ensino de xadrez, como Rússia, Iugoslávia, Cuba, Suécia e Espanha não se pode obter informações maiores dos resultados obtidos.


Países que iniciaram um processo de ensino de xadrez escola na América Latina são: Argentina, Venezuela e México.


Estados Unidos e Canadá têm xadrez principalmente nas universidades.


No Paraná, a Fundepar e a Federação Paranaense de Xadrez elaboraram um plano para o ensino de xadrez nas escolas. Como projeto piloto, e sem maiores fontes onde embasar o ensino de xadrez, procurou-se criar cada escola uma experiência distinta, função das condições sociais dos alunos, de suas disposições, do diretor, dos professores e do instrutor de xadrez.


O xadrez foi como um esporte substituindo a educação física, como matéria didática (no horário de outras disciplinas), como lazer e como matéria extra-classe.


Sobre o ensino de Xadrez nas Escolas, assim se manifestou no ano de 1980, o Engenheiro Civil Ernesto Luiz de Assis Pereira:


“é bem conhecida a característica que possui o jogo de xadrez de desenvolver e melhorar as faculdades criativas e de raciocínio lógico-dedutivo das mentes em formação. A sua prática traz como principal benefício, o aumento de sua capacidade de racionalização dos problemas inerentes a todas as áreas da atividade humana.”


Alguns países europeus, reconhecendo a importância do jogo de xadrez na formação plena da mente e da personalidade dos jovens, incluíram a sua prática nos currículos escolares dos seus níveis de ensino primário.


Há alguns anos trás, foi incluído no currículo das classes integrais do Colégio Estadual do Paraná um clube de utilidades onde uma das disciplinas era o ensino do jogo de xadrez. Os alunos que mais se interessaram no aprendizado, a partir de então passaram a demonstrar uma melhor aptidão de diversas disciplinas, principalmente a de caráter físico-matemático.


Por outro lado, o histórico de Clube de Xadrez de Curitiba demonstra que seus sócios, de modo geral:


 Passam no vestibular na primeira tentativa;

 São bons alunos;


 São pessoas responsáveis nas obrigações que assumem;


 Apresentam espírito de liderança;


Desse modo, indo de encontro à meta governamental de melhoria da educação, ao viabilizar tecnicamente uma atividade de melhoria de cunho social como é o aumento da capacidade intelectual da população jovem, o projeto em tela, dirigido em especial às crianças e adolescentes, em muito contribuíra para sua boa formação.


O xadrez é considerado o jogo, esporte e ciência. Jogo, pois aquele que não o conhece atribui vitória, derrota ou empate à sorte ou azar. Esporte, pois contém elementos de competição e de lazer. Ciência, pois o seu domínio exige estudos e aplicação.


Porém, para aqueles que o conhecem, xadrez é também arte onde o efeito estético e prático convergem, produzindo obras imortais.


Talvez esta seja a verdadeira razão para a popularidade do xadrez. Através da competição o enxadrista deixa sua obra para os que virão.


Em síntese, o objetivo do presente projeto é proporcionar aos jovens estudantes das escolas públicas estaduais, o aprendizado deste fantástico esporte, ciência, cultura e arte. Tudo com escopo de aprimorar a cultura e o raciocínio do jovem estudante.


Afinal, como afirmava Goethe, “o xadrez é ginástica de inteligência.”


Pela exposição retro mencionada, resta indubitável que o aprendizado do xadrez nas escolas públicas do estado do espírito santo pode contribuir muito para melhoria do intelecto dos educandos, na formação de cidadãos mais disciplinados e com raciocínio crítico mais aguçado, tudo para a formação de uma sociedade mais justa, livre, solidário e consciente, o que é o máximo anseio da sociedade brasileira, expressado nos termos dos iniciais artigos da constituição da república.


Em 24/08/05.
http://www.al.es.gov.br/images/documento_spl/5452.html

domingo, 19 de setembro de 2010

207 - PEDRO HENRIQUE GESTER VENCE NA ESCOLA MADRE CELESTE

A manhã de domingo, 19/09/2010, foi de Xadrez para os alunos da Escola Madre Celeste, situada na Folha 31 na Nova Marabá, que participaram da 3ª Olimpíadas Internas, na modalidade de Xadrez. A manhã foi muito quente e com boas apresentações dos atletas. Estiveram acompanhando a competição a Diretora Marilúcia e o Professor e Coordenador dos Jogos Alexadre Barreto, além de pais e alunos.


Cumprindo uma programação bem organizada, sem a realização de jogos simultâneos, o dia foi bom para os enxadristas que competiram com muita tranquilidade. O certame foi organizado pelo Clube de Xadrez Marabá que, realizou um bom trabalho por meio do Sistema Suíço em 5 rodadas com o tempo de 15 minutos de reflexão.




PARTICIPANTES
1. Victor Vasconcelos e Silva 5ª Série do Ensino Fundamental - D.Nascimento 26-02-2000
2. Heitor José Brito Macieira 5ª Série do Ensino Fundamental - D.Nascimento 16-11-1999
3. Lívio Antonio V. Medina M. 5ª Série do Ensino Fundamental - D.Nascimento 06-07-1999
4. Paloma Cristina Moreira C. 7ª Série do Ensino Fundamental - D.Nascimento 12-02-1997
5. Pedro Henrique Gester 8ª Série do Ensino Fundamental - D.Nascimento 02-12-1996
6. Rudney Roberto S. Fava 1º Ensino Médio - D.Nascimento 25-11-1995
7. André Luís S. Bernardo 1º Ensino Médio - D.Nascimento 11-09-1995
8. Carlos Augusto P. Gester 1º Ensino Médio - D.Nascimento 14-03-1995
9. Gilson Dais C. Júnior 2º Ensino Médio - D.Nascimento 02-09-1994
10. Ricardo Schiavine 2º Ensino Médio - D.Nascimento 23-03-1993




1ª RODADA
1 Victor Vasconcelos e Silv, 0:1 Rudney Roberto S. Fava,
2 André Luís S. Bernardo, 1:0 Lívio Antonio V. Medina M,
3 Paloma Cristina Moreira C, 0:1 Carlos Augusto Penha Gest,
4 Gilson Dais C. Júnior, 0:1 Pedro Henrique Gester,
5 Ricardo Schiavine, 1:0 Heitor José Brito Macieir,


2ª RODADA
1 Pedro Henrique Gester, 1:0 André Luís S. Bernardo,
2 Rudney Roberto S. Fava, 1:0 Ricardo Schiavine,
3 Carlos Augusto Penha Gest, 1:0 Victor Vasconcelos e Silv,
4 Heitor José Brito Macieir, 1:0 Paloma Cristina Moreira C,
5 Lívio Antonio V. Medina M, 0:1 Gilson Dais C. Júnior,


3ª RODADA
1 Carlos Augusto Penha Gest, 0:1 Pedro Henrique Gester,
2 André Luís S. Bernardo, 1:0 Rudney Roberto S. Fava,
3 Gilson Dais C. Júnior, 1:0 Heitor José Brito Macieir,
4 Ricardo Schiavine, 1:0 Lívio Antonio V. Medina M,
5 Victor Vasconcelos e Silv, 0:1 Paloma Cristina Moreira C,


4ª RODADA
1 Pedro Henrique Gester, .5:.5 Ricardo Schiavine,
2 Rudney Roberto S. Fava, 0:1 Carlos Augusto Penha Gest,
3 Gilson Dais C. Júnior, 1:0 André Luís S. Bernardo,
4 Heitor José Brito Macieir, .5:.5 Victor Vasconcelos e Silv,
5 Paloma Cristina Moreira C, 1:0 Lívio Antonio V. Medina M,


5ª RODADA
1 Rudney Roberto S. Fava, 0:1 Pedro Henrique Gester,
2 Carlos Augusto Penha Gest, .5:.5 Gilson Dais C. Júnior,
3 Ricardo Schiavine, 1:0 Paloma Cristina Moreira C,
4 André Luís S. Bernardo, 1:0 Heitor José Brito Macieir,
5 Lívio Antonio V. Medina M, 0:1 Victor Vasconcelos e Silv,


CLASSIFICAÇÃO FINAL
1º Pedro Henrique Gester, 4.5 pts 15.5 milésimos
2º Carlos Augusto Penha Gest, 3.5 pts 13.5 milésimos
3º Gilson Dais C. Júnior, 3.5 pts e 12.5 milésimos
4º Ricardo Schiavine, 3.5 pts e 10.0 milésimos
5º André Luís S. Bernardo, 3.0 pts e 11.5 milésimos
6º Rudney Roberto S. Fava, 2.0 pts e 16.0 milésimos
7º Paloma Cristina Moreira C, 2.0 pts e 10.0 milésimos
8º Heitor José Brito Macieir, 1.5 pts e 13.5 milésimos
9º Victor Vasconcelos e Silv, 1.5 pts e 09.0 milésimos
10º Lívio Antonio V. Medina M, 0.0 pt e 13.5 milésimos


A Direção da Escola Madre Celeste e a Comissão Organizadora prepararam troféus e medalhas personalizadas como incentivo a prática do Xadrez, que tem a frente, neste trabalho de difusão o Prof. Alexandre Barreto. Todos os alunos participaram do início até o final, sem nenhuma partida ganha por WO.


A competição serviu de entusiasmo para uma maior preparação dos melhores atletas, visando a participação nos Jogos Estudantis da Semana da Castanha.

206 - PARAENSE BRUNO MAURO (PARAUAPEBAS) FICA EM 19º LUGAR NAS OLIMPÍADAS BRASILEIRAS DE 2010

Com a participação de atletas de 23 estados do naipe masculino, as Olimpíadas Brasileiras 2010, foi realizada em Fortaleza, capital do Estado do Ceará, no período de 11 a 13 de setembro, em 05 rodadas, pelo Sistema Suíço de emparceiramento, evento que contou com a participação dos enxadristas paraense Bruno Mauro Valente Soares no masculino e, no feminino a atleta Darlene Brito Assunção, ambos da cidade de Parauapebas.


O campeão foi o enxadrista João Paulo Casemiro Marques da cidade mineira de São Sebastião do Paraíso. O atleta que venceu as Olimpíadas Escolares de 2010 com 100% de aproveitamento, ou seja, 5 vitórias, também foi o Campeão Brasileiro Sub-16 de 2010.


A Cidade de Parauapebas pode representar o Estado do Pará na maior competição estudantil do Brasil, cabendo a cada estado enviar o seu representante. A delegação parauapebense pode, assim, vivenciar a experiência de uma competição organizada pelo Comitê Olímpico Brasileiro – COB. A arbitragem ficou sob o comando do Árbitro Internacional Antonio Bento e dos : AF E. Mourão, AF I. Macedo, AR Bezerra, AR Tonini, AA Pontes, AA Silva


A competição contou com a participação de atletas dos seguintes estados: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Minas Geral, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe, Tocantins.


Os estados que não enviaram representantes foram: Acre, Amapá, Rio Grande do Sul e Roraima.


Alguns estados tinham como representantes atletas com rating da Federação Internacional de Xadrez, foram eles: Miguel Âng Alvarenga de Carvalho (RJ), João Paulo Cassemiro Marques (MG) e Petrus Fay Dias da Fonseca (AL).


O atleta paraense Bruno Mauro Valente Soares enfrentou e venceu o atleta maranhense Artur Lima de Miranda, empatou com o atleta baiano Icaro Vilas Boas Suzart Falcão e o pernambucano Eder Thiago Morgano Marques. Perdeu para o atleta paulistano Tiago Filipe da Silva Jonas e o mato-grossense Alex Castro Silva.


O Clube de Xadrez Marabá parabeniza ao atleta Bruno Mauro Valente Soares pela demonstração de boa técnica e capacidade. Você escreveu, não apenas o seu nome, o nome de Parauapebas e do Estado do Pará. Parabéns pelo 19º lugar.



Classificação Final
1º João Paulo Cassemiro Marques (MG) Col Objetivo S.S. Paraíso - 5 pts e 8 milésimos
2º Miguel Âng Alvarenga de Carvalho (RJ) Colégio E Curso Cem - 4 pts e 10½ milésimos
3º Petrus Fay Dias da Fonseca (AL) Colégio Contato - 4 pts 9 milésimos
4º Yuri Gabriel Aguiar Brito (ES) Gov. Christiano - 3½ pts e 8 milésimos
5º André Severino Varela (SC) EBM. Concórdia 3½ pts e 8 milésimos
6º Benilson da Silva Ferreira (DF) CEF 115 Recanto das Emas - 3½ pts e 8 milésimos
7º Marcos Vinicius Contrera Sakada (PR) Colégio Paroquial - 3 pts e  9 milésimos
8º Tiago Filipe da Silva Jonas (SP) Colégio Santa Cecilia 3 pts e 8 milésimos
9º Francisco Allysson da Silva Muniz (RN) Facex - 3 pts e  8 milésimos
10º Filipe Matheus Barros de Freire (SE) AMADEUS - 3 pts e 8 milésimos
11º Patrick Oliveira de Goes (CE) Jenny Gomes - 3 pts e 5½ milésimos
12º Matheus Garcett Souza dos Santos (MS) E.M. Benfica 2½ pts e 8½ milésimos
13º Victor Rebouças Reis (AM) Escola Celus - 2 pts e 10 milésimos
14º Dyogo Koithi Okada (GO) Colegio Lassale - 2 ptes e 8½ milésimos
15º Renato Verissimo Aguiar Sousa (TO) Col. Dom Alano - 2 pts e 7½ milésimos
16º Reinan Pereira dos Santos (RO) Escola Maria Aparecida - 2 pts e 7 milésimos
17º Alisson Santos Rocha (PI) E.M. Nossa Senhora da Paz - 2 pts e 6½ milésimos
18º Mateus de Oliveira Mota (PB) Escola Manoel Nunes 2 pts e 5 milésimos
19º Bruno Mauro Valente Soares (PA) Centro de Ensino Fênix - 2 pts e 4 milésimos
20º Icaro Vilas Boas Suzart Falcão (BA) Col. Militar do Salvador - 1½ pts e 8 milésimos
21º Alex Castro Silva (MT) Colegio Isaac Newton 1½ pts e 6 milésimos
22º Artur Lima de Miranda (MA) Dom Bosco - 1 pt e 6 milésimos
23º Eder Thiago Morgano Marques (PE) Colegio Dom Bosco 1 pt e 6 milésimos

205 - A PARAENSE DARLENE ASSUNÇÃO (PARAUAPEBAS) FICA EM15º LUGAR NAS OLIMPÍADAS ESCOLARES DE 2010

As Olimpíadas Escolares 2010 no naipe feminino contou com a participação de enxadristas de 26 estados da federação: Pernambuco, Amazonas, Santa Catarina, Rio Grande do Norte, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Paraná, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Alagoas, Tocantins, Maranhão, Rondônia, Roraima, Rio de Janeiro, Amapá, Minas Gerais, São Paulo, Bahia, Mato Grosso, Piauí, Sergipe e Espírito Santo.

O título máximo ficou com a atleta nordestina Ramyres Santana Coelho, da cidade de Petrolina, Estado de Pernambuco. A atleta tem uma excelente trajetória e tem projeto de disputar um título mundial de xadrez. Visite o blog da campeã: http://ramyrescoelho.blogspot.com/2010/09/ramyres-campea.html


No naipe feminino tivemos a representante do Estado do Pernambuco com rating FIDE e com 100% de aproveitamento, ou seja, 5 vitórias.


A representante paraense, natural do município de Parauapebas, Darlene Brito Assunção, de 13 anos de idade, aluna da Escola Plácido de Castro, disputou a competição organizada pelo Comitê Olímpico Brasileiro – COB, em 05 rodadas pelo Sistema Suíço. Darlene logrou êxito frente a jogadora Camila da Silva Santos (PI) e Nathielly Christina de Fátima (RO) e perdeu para Ramyres Santana Coelho (PE), Ayana Hama (MG) e Vhendala Heloísa Pimenta (MT). Com 02 pontos a atleta Darlane Brito Assunção alcançou o 15º lugar.




CLASSIFICAÇÃO FINAL
1º Ramyres Santana Coelho (PE) 5 pts e  8 milésimos
2º Luisa Vital Martins (GO) 4 pts e 9½ milésimos
3º Carine Kátia Campestrini (SC) 4 pts e 9 milésimos
4º Rosângela Martins de Souza (RN) 4 pts e 8½ milésimos
5º Allana Leal Rodrigues dos Santos (RR) 3½ pts e 9 milésimos
6º Ayana Hama (MG) 3½ pts e 8½ milésimos
7º Zhuowen Huang (SP) 3 pts e 10 milésimos
8º Daniela Barbosa Caparelli (DF) 3 pts e 9 milésimos
9º Vanessa Ketlyn Sousa Rodrigues (CE) 3 pts e 8½ milésimos
10º Alynne Ribeiro da Rocha (AM) 3 pts e 8 milésimos
11º Vhendala Heloisa Pimenta (MT) 3 pts e 7 milésimos
12º Jaqueline Jhenif Barbosa d Nunes (BA) 3 pts e 7 milésimos
13º Vitoria das Neves Giorgini (RJ) 2½ pts e 6½ milésimos
14º Anne Kelly de Melo Calheiros (AL) 2½ pts e 6½ milésimos
15º Darlane Brito Assunção (PA) 2 pts e 8½ milésimos
16º Rafaela da Silva Santos (SE) 2 pts e 8½ milésimos
17º Jaqueline dos santos ditós (PR) 2 pts e 8½ milésimos
18º Maria Eduarda Angeli Galvani (MS) 2 pts e 8 milésimos
19º Giovana Pinheiro de Carvalho (MA) 2 pts e 8 milésimos
20º Daniele Schulz (ES) 2 pts e 5½ milésimos
21º Camila da Silva Santos (PI) 2 pts e 5 milésimos
22º Izabel Mendes da Silva (TO) 1 pt e 7½ milésimos
23º Rebecka Maria Ireneu Lantmann (PB) 1 pt e 6½ milésimos
24º Nathielly Christina de Fatima (RO) 1 pt e 6 milésimos
25º Serena de Sousa Costa (FO) 1 pt e 5 milésimos
26º Marina Carolina Coelho Gonçalves (AP) 0 pt 4 milésimos


Resta-nos parabenizar a equipe que acompanhou os enxadristas Darlane e Bruno Mauro. Acreditamos que este foi apenas o primeiro bom resultado de vocês.


Fonte:http://xadrezcearensenews.blogspot.com/

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

204 - REUNIÃO NO PRÓXIMO DIA 24/09/2010 (SEXTA-FEIRA)

Como estamos tentando pautar algumas ações e, pautados por algumas contingências, vimos por meio deste, convidar os simpatizantes e candidatos aos cargos de diretoria e conselho fiscal do Clube de Xadrez Marabá, para uma reunião que acontecerá neste 24 de setembro, as 20 horas na Sede da Apema na Folha 22 - Nova Marabá, telefone 8166-1616.

Os convites estão sendo encaminhados via e-mail. É importante que haja uma presença mais numerosa para debatermos e tomarmos algumas decisões:

1- Aprovação da criação da Coordenação de Xadrez do Ensino Fundamental;
2- Diretoria;
3- Mensalidades Sócios Contribuintes e Sócios Apoiadores;
4- Calendário para o restante de 2010;
5- Aniversário do Clube no próximo dia 21 de outubro;
6- Calendário para o ano de 2011 e outros assuntos importantes.

Vamos todos comparecer e mostrar muita ATITUDE, CRIATIVIDADE e SUCESSO em nossas ações.


BREVE INFORMATIVO DO CLUBE DE XADREZ

As coisas estão acontecendo, felizmente. Este espaço serve para informar sobre alguns fatos relevantes a cerca do dia-a-dia do Clube:
 
1- Fizemos uma visita recente ao empresário Tarcísio Marques - Tratorpeças e, não ficou acertada a parceria, pelo menos agora. Ficou a possibilidade de contarmos com o apoio do mesmo após as eleições (Matéria publicada no site).

2- Fomos informados da possibilidade de apoio de outro importante empresário local. Talvez devamos marcar uma reunião com o mesmo. De antemão, temos ainda o Plano B, com outro empresário, o nosso objetivo é de parceria.

3- Estamos sendo convidado para uma entrevista com em um canal de televisão local. Assim, devemos conversar para termos novidades para divulgar no ar. Ainda não temos a definição da diretoria e de uma programação de trabalho, devemos aguardar a concretização de nossas decisões.

4- Fomos convidados e deveremos participar de um programa de Rádio local, provavelmente no início do mês de outubro. Trata-se de um programa de Debates entre vários entes representativos do segmento da educação e do Xadrez. Vamos conversar sobre este programa.

5- Estamos conversando e acompanhando a implantação do Projeto Mais Educação do Governo Federal e Escolas Municipais. Estamos sendo pautados para fazermos uma capacitação para os monitores que trabalharão nas escolas.

6- Algumas Escolas estão realizando suas Olimpíadas Internas e estão solicitando nosso apoio: Escola Liberdade (já realizada), Artes e Manhas (realizando), Madre Celeste (no dia 19/09/2010) e Anísio Teixeira.

Com muita Fé em Deus vamos continuar com nossas atividades. Vamos adiante.

Francisco Arnilson de Assis
8166-1616

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

203 - O PROJETO MAIS EDUCAÇÃO - SUPORTES EDUCACIONAIS

Dentre as atividades de trabalho da Secretaria Municipal de Educação, Formação de Educadores, o Clube de Xadrez Marabá tomou parte em uma palestra, realizada neste 14 de setembro às 10h00 da manhã, no Auditório da Escola Municipal de Ensino Fundamental Judith Gomes Leitão, no Núcleo Urbano da Velha Marabá.




O evento contou com a presença do educador da Semed, Orlando Moraes e equipe, além de cerca de uma centena de dirigentes de escolas que trataram de variados temas e contou com a participação do dirigente do Clube de Xadrez Marabá, Francisco Arnilson de Assis.




O representante do Clube de Xadrez procurou repassar informações sobre o que e para que serve se implantado o ensino nas escolas. Os diretores de Escola puderam ter um maior conhecimento sobre alguns benefícios.






O QUE É E PARA QUE SERVE O XADREZ


Neste jogo, é possível aprender e a jogar em qualquer idade. Ao contrário de outros esportes, você nunca precisará se aposentar. Para a pessoa idosa torna-se uma excelente terapia mental e também desenvolve a memória e ajuda a mantê-la ativa por mais tempo. O xadrez desenvolve a atenção e a capacidade de concentração focalizando o objetivo principal de um plano de ação para obter a vitória. Desenvolve o pensamento lógico, a imaginação, a criatividade, ensina a independência, pois, o praticante é forçado a tomar importantes decisões tendo como única influência o seu próprio julgamento.




O praticante gozará de certas capacidades como a de predizer e prever as conseqüências das ações. Ensina a avaliar os riscos de cada situação e escolher àquela que possibilitará menor risco.




Nas escolas ensinará a procura pelo melhor movimento, o melhor plano, a continuação mais bonita dentre as intermináveis possibilidades. Encoraja o progresso mediante o estudo, sempre buscando o aprimoramento pessoal e técnico nas tomadas de decisões, ou seja, o crescimento mediante mérito próprio.




Com apoio e didática pedagógica, será possível um ensino e uma aprendizagem consciente, onde o aluno deverá ser estimulado continuamente ao aprimoramento de sua capacidade de pensar. Desenvolver a autoconfiança em seu processo de crescimento escolar, adequando-se às exigências da Educação Moderna.






PESQUISAS COMPROVAM MELHOR RENDIMENTO ESCOLAR


Dentre as pesquisas científicas realizadas em diversas partes do mundo, destaca-se a realizada na Bélgica em 1976. O Dr. Johan Christian, depois de dois anos de experiências com dois grupos de 20 crianças entre 10 e 11 anos, comprovou que o aproveitamento escolar do grupo experimental foi 13,5% superior ao do grupo regular.




O pesquisador Joyce Brown na cidade de New York no ano de 1981 constatou considerável melhora no comportamento dos alunos, 60% menos incidentes e suspensões, além da melhora no aproveitamento escolar de 50% na maioria dos estudantes envolvidos.




George Stephenson (Marina, Califórnia-USA, 1985), após 20 dias consecutivos ddesenvolvendo um trabalho com um grupo de estudantes, constatou os seguintes resultados entre os alunos que apresentaram maior aproveitamento escolar:




Rendimento acadêmico 55%
Comportamento 62%
Esforço 59%
Concentração 56%
Auto-estima 55%




Os agraciados com o Prêmio Nobel de Economia de 1994, John Nash, John Harsanyl e Reinhard Selten, fundamentaram seu trabalho na chamada Teoria dos Jogos. (“Durante anos, três acadêmicos que se dedicaram a estudar o comportamento da economia segundo a lógica dos jogadores de xadrez,” “ganharam na semana passada o Prêmio Nobel de Economia” – Revista Veja, 19/10/1994 – * grifos nossos).






O PROJETO MAIS EDUCAÇÃO EM MARABÁ



A oportunidade também foi aproveitada para apresentação de alguns planos do Clube de Xadrez, como a formação da Ala Feminina de Senhoras e a Capacitação Empresarial, cursos que deverão ter a aprovação dos futuros dirigentes.




O Clube pretende, também, conforme o interesse dos educadores, criar o Departamento de Xadrez Educacional composto por educadores do Ensino Fundamental, com a participação de diretores escolares da rede pública e particular. Formando uma coordenação geral para discutir, debater, buscando a construção de projetos e estratégias visando a implantação do xadrez em diversas atividades pedagógicas, segundo a realidade das escolas locais.




Da mesma forma, deseja-se compor as coordenações do Ensino Médio e do Ensino Superior, cada uma buscando alternativas pedagógicas para diferentes finalidades como melhoria no rendimento escolar, redução da evasão escolar e, para a pesquisa e acompanhamento por parte de profissionais do ensino superior possa avaliar o grau de mudança desenvolvida nos alunos.




Os educadores demonstraram grande interesse em participar da implantação de atividades enxadrísticas e pediram apoio para o Programa Mais Educação do Governo Federal na forma de capacitação para os monitores que vão ministrar oficinas de xadrez. Cerca de 10 escolas vão oferecer o ensino de xadrez no contraturno do aluno, ou seja, para os que estudam no período matutino as aulas serão no período verspertino e vice-versa, são elas: Salomé Carvalho, Manoel Cordeiro, Irmã Teodora, Luterana, Judith Gomes Leitão, Silvino Santis, Basílio Miguel, Emília Ferreiro, Darcy Ribeiro e José Mendonça Virgolino.




A este respeito, o Clube de Xadrez vai prestar total apoio às Escolas e aos Monitores, servindo-se como um porto-seguro, aproveitando-se da vasta experiência adquirida ao longo de 21 anos de existência do Clube, podendo inclusive oferecer base bibliográficas aos monitores.




Na oportunidade Francisco Arnilson destacou a importância do Mais Educação que, se bem trabalhado nas Escolas vai deixar um impacto altamente positivo aos alunos envolvidos. Acredito que o Projeto tem tudo para ser sucesso e causar um grande impacto na melhoria intelectual, educacional e na parte comportamental. Vamos acompanhar e auxiliar sempre que for necessário e, principalmente, quando formos solicitados.




Durante a palestra vimos vários educadores pedirem o apoio e fazerem sugestões e solicitaram o apoio do Clube de Xadrez, é o caso das escolas: Elcione Barbalho, Darcy Ribeiro, Liberdade, Irmã Teodora entre outras.




Ficou o espaço aberto entre a Semed, por meio do Professor Orlando Moraes e o Clube de Xadrez Marabá para ampliar o diálogo e a parceria. Esperamos que o poder público possa contribuir neste grande projeto que utiliza-se da ferramenta pedagógica do xadrez, formando melhores cidadãos e contribuindo no desenvolvimento intelectual de nossos estudantes. Acredito que daremos os primeiros passos, destaca Francisco Arnilson.




LEIA MAIS SOBRE O XADREZ ESCOLAR:


REVISTA CONEXÃO PROFESSOR FAZ MATÉRIA SOBRE XADREZ ESCOLAR
sábado, 21 de março de 2009






Revista CONEXÃO PROFESSOR do Rio de Janeiro.




"O jogo de xadrez é considerado pelos estudiosos como um importante instrumento pedagógico que pode ajudar bastante no desenvolvimento da relação ensino-aprendizagem nas escolas.A prática enxadrística estimula o desenvolvimento de habilidades cognitivas como atenção, concentração, raciocínio lógico, memória, organização de ideias, imaginação, antecipação, espírito de decisão, autocontrole, disciplina, perseverança etc.Para Antonio Villar Marques de Sá, Professor Associado da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília e um dos maiores especialistas em Pedagogia Enxadrística do Brasil, o xadrez, por se tratar de um jogo complexo, é uma das melhores atividades para desenvolver a capacidade intelectual dos jovens.“As crianças se desenvolvem muito bem no xadrez, apesar do estereótipo de que o xadrez é uma atividade para pessoas muito inteligentes ou ricas. É uma atividade muito socializadora. Pode ser trabalhada com pessoas de todas as classes sociais, de qualquer idade, sexo, portadores de deficiências...


Para o professor de Matemática e funcionário do NTE (Núcleo de Tecnologia Educacional) de Itaperuna (RJ), Jorge Wilson Martins da Rocha, o xadrez deve ser utilizado sim como ferramenta pedagógica nas escolas, mas deve ser ensinado tanto por um jogador, que vai mostrar como se joga, quanto por um professor, que irá desenvolver o lado pedagógico da atividade. É fundamental a mescla entre o conhecimento pedagógico e o conhecimento específico do xadrez para que se obtenham bons resultados. Jorge Wilson é tricampeão estadual do Espírito Santo. Em Itaperuna, o professor dá aulas de xadrez no Centro Educacional Rocha, no Centro Educacional Redentor, no Colégio Estadual Rotary e na escola particular Guimarães. Os especialistas acreditam que as crianças podem ser iniciadas no xadrez desde pequenas. Baseada em trabalhos que desenvolveu em pré-escolas do município de Bauru (SP), Rosa Maria Fernandes Scalvi, Doutora em Ciência e Engenharia de Materiais pela Universidade de São Paulo (USP), afirma que a partir dos cinco anos de idade a criança já apresenta habilidades para aprender os primeiros movimentos, o valor das peças etc. “Com sete anos a criança já é capaz de prever lances, elaborar estratégias e começar a entender as regras não só do jogo de xadrez, como de qualquer outro, entendendo que nem sempre é possível ganhar, que a quantidade de peças não significa superioridade no jogo etc.”, avalia Rosa Maria. Já o Professor Antonio Villar acredita que a idade ideal para uma criança enveredar pelos caminhos do xadrez seria aos oito anos, o que não impede que ela comece a ter os primeiros contatos com as peças e o tabuleiro antes disso.Para Wilson da Silva, mestre em Educação pela UFPR e doutorando também em Educação pela Unicamp, o xadrez merece crédito porque ensina às crianças o mais importante na solução de um problema, que é saber olhar e entender a realidade que se apresenta. “É comum notar crianças fracassando em matemática, por exemplo, por não entenderem o que o enunciado do problema lhes diz. Não sabem analisá-lo, aprendem fórmulas de memória; quando encontram textos diferentes não acham a resposta correta. [...]. Em uma época na qual os conhecimentos nos ultrapassam em quantidade e a vida é efêmera, uma das melhores lições que a criança pode aprender na escola é como organizar seu pensamento, e acreditamos que essa valiosa lição pode ser obtida mediante o estudo e a prática do xadrez”, destaca Wilson da Silva.Na sociedade de hoje não basta apenas ter o conhecimento, é preciso rapidez de raciocínio para tomada de decisão. Estamos sempre tendo que pensar em soluções para problemas cada vez mais urgentes e complicados. Por isso é muito importante ser criativo, usar a imaginação. Para tudo isso, o xadrez é uma ótima ferramenta.


Para Hindenburg Melão Jr., que entrou para o Guinness Book em 1998 com o “recorde mundial de xeque-mate anunciado mais longo em simultânea de xadrez às cegas”, é necessário que se façam algumas ressalvas quanto ao uso do xadrez como ferramenta pedagógica.“Infelizmente não há, que eu saiba, estudos bem conduzidos com a finalidade de avaliar os efeitos do Xadrez sobre o rendimento escolar ou sobre a evolução das faculdades intelectuais. Há muitos estudos, porém todos pecam em muitos aspectos. Um dos mais completos que conheço foi desenvolvido por Albert Frank, durante o período de 20 anos em que viveu na África, ensinando xadrez e Matemática a crianças e jovens. Albert é professor de Lógica e Matemática na Universidade de Bruxelas, árbitro internacional em várias revistas especializadas e fundador de uma sociedade internacional voltada para especialistas em Lógica e Puzzles chamada Ludomind. Recentemente foi campeão veterano da Bélgica, portanto possui uma excelente bagagem tanto para o ensino de xadrez quanto para o uso de ferramentas estatísticas de bom nível para investigar os resultados do estudo. No entanto, por limitações orçamentárias e de pessoal (professores) para colaborar, os estudos não tiveram como ser tão rigorosos quanto seria necessário, e as conclusões ficaram comprometidas. Há muitos estudos na Romênia, na Rússia, na Alemanha, na Inglaterra e em outros países. Até mesmo no Brasil há vários estudos que foram publicados nas extintas revistas Preto & Branco e Xadrez Coop, de trabalhos realizados por Antonio Villar Marques de Sá, Damaris Hadad, Joaquim de Deus Filho e outros. No entanto, os resultados anunciados nestas revistas carecem de teor científico por vários motivos metodológicos e técnicos. Um estudo de Joaquim de Deus Filho, por exemplo, se não me engano, se baseava numa amostra com 32 alunos. É um número muito pequeno, e não houve nenhum estudo com ferramentas estatísticas que permitisse isolar as variáveis que se desejava estudar. Apesar de todas estas ressalvas, intuitivamente me parece muito coerente supor que o Xadrez tenha um papel muito importante no desenvolvimento intelectual, por exercitar muitas habilidades diferentes e por tornar o raciocínio mais organizado. Isso pode ter aplicação em todas as áreas do conhecimento”, destaca Melão.


Antonio Villar acrescenta ainda que o xadrez se apresenta como um excelente instrumento na formação de futuros professores das mais diversas disciplinas, uma vez que favorece a compreensão da estrutura do pensamento lógico, o que facilitará a transmissão dos conhecimentos aos seus alunos.


Outros benefícios do xadrez:


- Estimula a auto-estima, a competição saudável e o trabalho em equipe;
- Pode ser usado como elemento estruturador do tempo livre do indivíduo;
- Por ser um jogo de regras, dita uma pauta ética em um momento propício para a aquisição de valores morais."




Fonte: http://www.conexaoprofessor.rj.gov.br/temas-especiais-21.jsp






O XADREZ E A MULTIDISCIPLINARIDADE


Revista CONEXÃO PROFESSOR do Rio de Janeiro.





É sabido que a prática do xadrez auxilia os alunos no seu rendimento escolar através do desenvolvimento de diversas habilidades cognitivas. No entanto, é fundamental que o professor saiba como utilizá-lo pedagogicamente na sala de aula. Não se trata apenas de uma atividade que se restrinja às aulas de xadrez ou às horas de lazer do aluno. O xadrez pode e deve ser trabalhado em sala de aula, de forma multidisciplinar, seja dentro da Matemática, da História, do Português ou de qualquer outra disciplina.






Segundo o Professor Sylvio Rezende, muitas pessoas só ligam a prática do xadrez à Matemática. “Isso é um equívoco. A abrangência do xadrez é muito maior e ele pode ser utilizado nas aulas de qualquer disciplina”, destaca.




O Professor Antonio Villar, da Universidade de Brasília, concorda que o ensino de xadrez possa ser integrado a todas as outras disciplinas da grade curricular. Para demonstrar isso, ele cita algumas formas de se trabalhar o xadrez em sala de aula junto a outras disciplinas:




História e Geografia - Podem ser enriquecidas pelo próprio fato de a origem do xadrez ser misteriosa, contando com diversas lendas e várias versões: “jogo do elefante” (siang k'i) na China no século 2 d.C. ou “jogo dos quatro membros” (chaturanga, em sânscrito) na Índia no século 6 d.C. Viajando por regiões como Pérsia e Arábia, o xadrez foi recebendo importantes contribuições desses povos antes de chegar à Europa por volta do século 10. Hoje, ele está presente nos cinco continentes.




Artes e trabalhos manuais - Os campos do conhecimento relacionados às Artes têm infindáveis relações com o xadrez. Além da confecção dos materiais enxadrísticos pelos próprios alunos, muitos livros, revistas, jornais, sites, CD-ROM e vídeos poderão ser utilizados pelo(a) professor(a) para ilustrar suas aulas, relacionando-as com balé, desenho, escultura, filatelia, publicidade e até arquitetura. Outra atividade possível é a criação e a apresentação de peças teatrais.




Ciências - O tabuleiro é um pequeno laboratório envolvendo observação, análise, hipótese e prova. Quanto à Física no Ensino Médio, uma aplicação, entre outras, será a construção, pelos alunos, de relógios de xadrez a partir de conhecimentos básicos sobre circuitos.




Matemática - No que concerne à Matemática, o xadrez é um dispositivo eficaz para a aprendizagem da aritmética (noções de troca, valor comparado das peças, controle de casas, enquanto exemplos de operações numéricas elementares...), da álgebra (cálculo do índice de desempenho dos jogadores, que é assimilável a um sistema de equações com “n” incógnitas...) e da geometria (o movimento das peças é uma introdução às noções de verticalidade, de horizontalidade, a representação do tabuleiro é estabelecida como um sistema cartesiano...).




Informática - O xadrez é um excelente meio para apresentar a informática aos alunos: gestão de torneios, navegação na internet, rating dos enxadristas, torneio com computadores, entre outros.




Língua Portuguesa e línguas estrangeiras - Partidas entre escolas, por correspondência, por fax, pela internet, e por telefone são pretextos para um salutar intercâmbio com pessoas de diferentes culturas e até línguas.




No que se refere à Literatura, existem mil anos de rimas, versos, emoções, desencantos e encantos com a temática do xadrez: conto (Edgar Poe); crônica (Fernando Arrabal); ficção científica (John Brunner); história em quadrinhos (Walt Disney); memórias (Garry Kasparov); novela (Stefan Zweig); poesia (Fernando Pessoa); policial (Arturo Péres-Reverte) e romance (Vladimir Nabokov). Também deixaram muitas citações sobre o esporte-arte-ciência em suas monumentais obras: Graciliano Ramos, Guimarães Rosa, Machado de Assis e Monteiro Lobato.




Educação Física - Dependendo do objetivo do(a) professor(a) de Educação Física, o enxadrismo poderá ser utilizado enquanto atividade lúdica, esporte, ferramenta pedagógica ou lazer. Também é uma ótima alternativa para dias chuvosos.


http://www.conexaoprofessor.rj.gov.br/temas-especiais-21a.asp

202 - CLUBE DE XADREZ VISITA EMPRESÁRIO DESPORTISTA


Neste dia 13 de setembro o Clube de Xadrez Marabá representado por meio de seus abnegados Francisco Arnilson, José Carneiro e Matheus Silva visitaram o empresário desportista Tarcísio Marques, Tratorpeças, destacado empresário local.


Durante a visita o Clube fez ampla exposição dos trabalhos realizados e da perspectiva de realizar inúmeros projetos, todos eles com enfoques sociais. Aliás, o Clube deseja formar o primeiro Grupo de Empresários Enxadristas, a Ala de Senhoras Enxadristas, com capacitação esportiva e demonstração de estratégias enxadrísticas para o segmento empresarial.


O Clube se propõe como foi apresentado na reunião, trabalhar os diversos níveis educacionais, seja nas escolas públicas e particulares, por meio do Departamento de Xadrez Educacional e com a formação de coordenações que traçarão as melhores estratégias segundo os níveis culturais.


Com as premissas de agir do Clube, Atitude, Criatividade e Sucesso visando abrir espaços para agir, inventividade e estratégias que possam não apenas motivar, como também estimular as escolas, diretores, coordenadores pedagógicos, professores e alunos, cada um recebendo o destaque que lhes forem merecidos.


O empresário Tarcísio Marques de forma educada afirmou que em um momento mais oportuno dará o apoio ao Clube e deseja o seu crescimento, que possa desempenhar o seu papel na sociedade marabaense.


Ficou evidente para todos os presentes, a paixão e o desejo do empresário de contribuir para o crescimento do clube de futebol do Águia de Marabá, sua grande paixão. Esperamos futuramente conseguir este apoio ao Clube, principalmente, por considerarmos o momento eleitoral, onde muitos empresários estão com os olhos voltados para a eleição do futuro governante, senadores e deputados.


Algumas empresas mais agressivas poderiam gostar de contratar o campeão Garry Kasparov para ser um diretor.


O Xadrez e o Empresário

Dentre diversos autores na área de desenvolvimento mental, gosto muito da abordagem de Tony Buzan, bastante conhecido pelo seu sistema de mapas mentais e formas criativas de aprendizagem. Ele tem uma larga experiência na pesquisa de aperfeiçoamento das capacidades do cérebro.


Buzan esclarece um mito a respeito do xadrez. O xadrez não é uma “atividade de hemisfério esquerdo” do cérebro – essa ideia circula por aí por muitos imaginarem que o xadrez envolve somente lógica e pensamento de cálculo de probabilidades. Trata-se de um esporte mental que envolve o cérebro todo, incluindo o hemisfério direito.


O nosso campeão enxadrista Rubens Filguth vai além. Na respeitada coletânea A Importância do Xadrez, revela como o jogo é importante em diferentes níveis de desenvolvimento intelectual e capacidade crítica.


Além de exercitar a mente, o sucesso da prática do xadrez pode ser convertido nas mais diferentes áreas de negócios, inclusive para vencer seus adversários.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

201 - ESTATÍSTICAS SOBRE OS VISITANTES DO BLOGGER

Este negócio de blog é muito interessante. Parece ser uma ferramenta muito limitada, restrita e, no entanto, apresenta várias surpresas, tamanha é a quantidade de possibilidades de inserções de gadget´s que, às vezes não sabemos como utilizá-las, mais são muitas. O exemplo foi a inserção do relógio que contabiliza os visitantes. Sem saber como colocá-lo em evidência e, até mesmo se havia esta possibilidade, procurei a ajuda do amigo Kenny que tem domínio sobre linguagem de computador. Colocamos um relógio bem bacana.


Sem conhecer muito sobre blog, descobri hoje, que esta ferramenta traz uma visão geral dos acessos, com uma estatística própria, interna, apresentando diversas informações sobre os acessos: agora, no dia, semana, mês e o acumulado. Apresenta também, as postagens mais visitadas. E o real número de visitantes atualizados e, para nosso espanto o número é muito significativo: 1.745. Graças ao bom Deus nosso trabalho está sendo visto.



Postagens mais visitadas

A matéria que faz uma reflexão sobre a visita da equipe do Jornal Nacional no Ar, chamou a atenção de muitos visitantes, recebemos comentários sobre a matéria que mostra uma realidade pouco animadora em relação ao município de Jacundá.
Possivelmente as escolas participantes do Projeto Mais Educação, precisando de subsídios aos seus projetos, sejam os visitantes sobre o artigo que trata dos benefícios proporcionados graças a prática do Xadrez.




Origens de Tráfego

Quem são os nossos maiores visitantes? A estatística demonstra que são: http://www.dxpebas.blogspot.com/,  graças ao trabalho que é desenvolvido pelo Departamento de Xadrez da Prefeitura de Parauapebas, iniciativa do Secretário de Esportes Anderson Moratório e do Coordenador do Departamento Francisco Araújo da Silva que não mede esforços em favorecer aos milhares de interessados em crescerem intelectualmente, o CX Marabá também faz visitas acentuadas para postagem e revisão e, também, o blog do amigo Ademir Braz, muito visitado, o qual, trata de assuntos variados. Vale a pena visitá-lo: http://www.quaradouro.blogspot.com./



Visitantes Internacionais

De fato não somos um Clube grandioso ou uma importante Federação, mas, não estamos invisíveis. Somos visitados, principalmente por brasileiros, o que é muito normal. Mais, muito surpreendido fiquei ao constatar que pessoas de outros países acessaram informações de Marabá por meio do Clube de Xadrez Marabá, isto é muito bom. Além do Brasil, outros 09 países: Estados Unidos, Canadá, Portugal, Suíça, Alemanha, Itália, Cabo Verde, França e Reino Unido acessaram as páginas e tiveram acesso as informações do CX  Marabá. No ranking aparecem 81 visitantes americanos, 25 canadenses e etc. Vejam o quadro geral, abaixo:


 

Resta-nos agradecer, agradecer muito aos nossos simpatizantes, praticantes, pesquisadores e todos que proporcionaram este momento de alegria, de mostrarem que somos úteis neste grandioso Planeta Terra.


200 - COMO CRIAR UM CLUBE DE XADREZ ESCOLAR

O QUE É UM CLUBE DE XADREZ ESCOLAR?




O clube de xadrez escolar combina atividades sociais e educacionais. Membros vêm para jogar, aprender, ensinar, rever velhos amigos e fazer novos. Os jogadores – não importa o nível de habilidade, experiência ou idade – falam uma língua comum, e uma que freqüentemente não é entendida em outras áreas da vida das pessoas. As rivalidades são amigáveis; as amizades são competitivas. Um clube pode oferecer uma ampla variedade de atividades. Podem ser xadrez rápido ou jogos avaliados, ou ambos. As atividades do clube podem incluir exibições simultâneas, palestras, e aulas normais ministradas por Masters e Experts. Alguns jogadores que vão ao clube regularmente não participarão de todo torneio escolar de fim de semana. Estes ávidos jogadores se satisfazem com xadrez "sério" e não perder ponto em competições como "um – jogo – uma – pausa – para – almoço". Em condições ideais, o clube atenderá a todos os jogadores – tanto para recreação como para sérios torneios. TODOS os membros são importantes para o sucesso do clube.






VOCÊ DEVE COMEÇAR UM CLUBE DE XADREZ?


Sim! Você não precisa ser um grande jogador, nem tampouco saber mover as peças. Toda escola possui crianças que já sabem como como jogar xadrez , e mais as que gostariam de aprender. "Ninguém na nossa escola joga xadrez" não é uma desculpa aceitável. A maior parte do tempo as crianças estão interessadas em aprender, e só precisam de alguém para organizá-las e supervisioná-las. Este guia ajudará você a resolver problemas que enfrentará para montar o clube. Se você não se acha pronto pode procurar informações no clube de xadrez mais próximo. Estes contatos o ajudarão nos seus esforços posteriores para organizar o clube e as atividades. Para todos os efeitos você deve iniciar o clube se tiver o suporte dos alunos e a disposição para gastar muita energia para que o clube obtenha sucesso. Conquiste o suporte do corpo de alunos da escola, pais, seu diretor e dos outros professores assim que possível. O apoio deles será útil quando o clube estiver mais ativo.






COMEÇANDO UM CLUBE DE XADREZ ESCOLAR


Repórteres sabem que as reportagens devem responder a essas questões básicas – quem? O que? Quando? Onde? Por que? e como? – estas são as questões certas para o projeto também, incluindo clubes de xadrez.






QUEM?


Você provavelmente não está sozinho nas suas esperanças – você tem um número de estudantes que desejam um clube escolar de xadrez com sucesso. É hora de decidir que outros estudantes você quer atrair, porque muitos dos seus futuros planos serão baseados nesta decisão. Considere o envolvimento de jovens em programas especiais. Lembre-se que o crescimento pessoal não tem limites. A administração da sua escola ficará satisfeita em ver jovens ativos num projeto patrocinado por ela. No entanto, o clube não pode ser um lugar par se matar tempo, ou evitar atividades escolares. O clube de xadrez pode e deve ser divertido, mas é uma experiência de aprendizado acima de tudo.






O QUÊ?


Seus alunos o ajudarão a trazer novos alunos e o ajudarão a decidir que tipo de atividades você deve fazer, mas será útil que você tenha um plano para as primeiras várias reuniões. Também centre os objetivos com os seus alunos: decida o que você e os jogadores desejam efetuar até o final do ano. Antes de anunciar estas informações no boletim dos alunos e panfletos, planeje uma agenda específica. Não se esqueça de jogar xadrez também! A maioria dos estudantes atraídos pelo xadrez tem necessidade de estrutura e regras. Experimente com várias atividades para determinar o que tem sucesso no seu clube.






QUANDO E COM QUE FREQÜÊNCIA?


As respostas para estas, aparentemente, simples questões podem ter maior efeito no sucesso do seu clube. Alguns clubes tem esta questão respondida por forças externas como salas ou bibliotecas disponíveis. Se encontrar após as aulas pode ser melhor, apesar de que alguns tem outras atividades após as aulas. Tenha em mente as possíveis atividades dos seus membros, bem como os horários do ônibus escolar, quando for decidir a hora da sua reunião. Você poderá se surpreender que o horário do recreio é uma boa hora para a reunião. A administração gostará de ver os alunos usando o período de lanche de uma maneira supervisionada e produtiva. E se os estudantes puderem levar o lanche com eles, eles terão mais tempo para jogar. De qualquer forma você deve permitir, pelo menos 30 minutos no recreio. Ou uma hora ou mais depois da aula. Encontre-se pelo menos uma vez por semana e, se possível, diariamente.






ONDE?


Encontre uma sala com mesas e cadeiras. Sua sala de aula deve ser grande o bastante para a sua primeira reunião organizacional e para se tornar o lugar permanente de reuniões do clube. Se a sala não for adequada, veja se a biblioteca está disponível no horário das reuniões. Mantenha o armazenamento preciso em mente quando for procurar um lugar na escola. Você vai precisar de um lugar para manter o equipamento, artigos de torneios, recordes do clube, e assim por diante. Um seguro armário ou a possibilidade de um gabinete trancado é uma clara vantagem.






POR QUÊ?


Uma de suas razões para montar um clube de xadrez é ter um lugar para que os alunos possam jogar xadrez ou para criar uma alternativa de existirem clubes na escola. No mais, você reconhece o valor educacional (pensamento crítico e abstrato, estratégia, lógica e análise) que vem do xadrez. Seus alunos vão melhorar a capacidade de concentração deles, e você pode ensinar os valores de espírito esportivo para os atletas. Estudos também têm mostrado que o xadrez pode ajudar as crianças a melhorar as suas notas na escola. Não importa que outra razão haja para ser um clube, a excitação nos olhos do aluno após ganhar seu primeiro jogo ou desafio em grupo, será razão suficiente.






COMO?


O resto deste guia é devotado a como fazer as coisas num clube de xadrez. O melhor jeito de descrever o lado não-técnico de "como" é "coleguismo". Trate os membros do seu clube como os convidados na sua casa. Cumprimente-os, apresente-os, esteja certo de que eles se sentem como se o clube fosse deles também. Uma boa maneira de saltar para um bom começo com o recém-chegado é certificar-se que você tem alguns lugares e tabuleiros extras, próximos. Deste modo nenhum visitante ficará desapontado. Quase nenhum lugar faz, mas procure padronizar o quanto antes. Outras partes importante em "como" são a estrutura e financiamento. Estas áreas são tão importantes que elas são tratadas em separado nesta publicação. Agora você vai ler como aprontar seu clube. Será trabalhoso, mas bem digno também.






SALTANDO PARA UM BOM COMEÇO


A PRIMEIRA PEQUENA REUNIÃO


Todos ficam nervosos no começo de alguma coisa, e seus novos membros estão aptos a estar tão apreensivos quanto você! Seja o mais amigável e calmo que puder. Adote uma folha de linhas de direção do clube (preparada por você, progressivamente) – algo que definirá as metas do clube. Pode ser muito cedo para eleger os oficiais, mas não para introduzir a idéia de que haverá uma divisão de autoridade. A seguir, esteja certo de ter algumas informações básicas sobre todos – nome, graduação, telefone e experiência em xadrez. Você pode querer participantes para preencher uma simples pesquisa, ou um formulário dos membros antes de começar a jogar. Você pode fazer cópias de uma amostra ou criar o seu. Para a primeira vez ou segunda, é provável juntar-se a pessoas aleatórias. Se você está planejando, você deve querer abandonar sua cadeira e jogo para fazer sala aos estudantes que entram pela porta.


Você deve ter alguns jogadores experientes, que queiram levar a sério o projeto. Não os deixe esperando por muito tempo! O quanto antes determine se você vai precisar de mais de um grupo (divisões A, B, C, etc.) Sua divisão principal será composta por aqueles jogadores com alguma experiência em torneios ou pelos que jogaram no clube da escola no ano anterior. Você deve manter todos juntos, caso te falte jogadores para formar o grupo A.


Uma das melhores atividade iniciais é o torneio "schuring" (todos contra todos). O tamanho da divisão ou seção deve ser se 8 a 12 jogadores.(se tiver mais de 12 o tornei leva muito tempo para terminar.) Depois que os jogadores da seção tiverem jogado com cada um, você pode organizar um outro torneio, no qual você vai na divisão A os três melhores de cada seção do torneio anterior. Se você achar novos alunos, simplesmente os coloque na base da divisão e permita que eles trabalhem. Se por acaso você encontrar um estudante de meia – idade que já tenha alguma experiência , se quiser, coloque-o na divisão apropriada.






EQUIPAMENTOS E SUPRIMENTOS


A maioria dos clubes provém os equipamentos para os membros. Os equipamentos pertencentes ao clube, tornam o mesmo mais "real" – e isto pode proporcionar um sendo desejável de uniformidade e união para as atividades de xadrez. Alguns equipamentos são essenciais:






PEÇAS


Utilize medida estandarte (rei de 8,7 cm, aproximadamente) com peças de plástico sólido. Fique longe de peças baratas, de plástico oco – elas tendem a quebrar e são simplesmente menos confortáveis de manusear. Crianças podem ser brutas com os equipamentos às vezes, então é bom ter peças "à prova de crianças". Mais tarde você pode proteger as peças colocando-as numa caixa de madeira ou sacola de vinil.






TABULEIRO


Use tabuleiros proporcionais a suas peças – ou do tamanho padrão de torneio (2'' to 21/2'' squares). Tabuleiros de cartão se estragam rapidamente. Tabuleiros dobráveis de vinil são excelentes. Cetifique-se de pegar aqueles que possuem a notação algébrica dos lados, para que os alunos aprendam mais rapidamente a anotar seus lances. Se a mesa dos estudantes for muito pequena para o tabuleiro de vinil, você pode querer usar tabuleiro mural. Se houver um professor experiente ou um grande número de alunos interessados, uma demonstração em projetores pode ser de muita valia. Se você desejar adquirir uma demonstração de tabuleiro de xadrez para a sua sala de aula, pode usar feltro e imã ou velcro.






LIVRO DE RESULTADOS


Muitos jogadores gostam de manter um recorde de jogos casuais. Você terá, é claro, que ensinar os alunos a como manter o escore, mas após uma única lição estarão prontos para usar o livro de notas.






LIVROS DE ESCORES


É absolutamente essencial para qualquer jogador sério do jogo, você deve encorajar cada um dos alunos a ter o seu próprio livro e mantê-lo atualizado. Eles serão capazes de voltar, rever os erros e checar o aprimoramento. O livro de escores deve ter pelo menos um diagrama atrás de cada página para finalização, com amplo espaço para anotações. É também útil ter a mão alguns diagramas vazios, no caso de por exemplo o sinal bater durante o jogo. Então os estudantes podem rapidamente se recordar da posição de um jogo e terminar a partida na reunião seguinte.






AGENDA


Tamanho e estilo não importam muito, mas você vai precisar de algum lugar para escrever notas organizacionais, assuntos financeiros, e por aí afora. Uma idéia boa é manter escrito todos os procedimentos do clube, porque é fácil de esquecê-los mais tarde.






LEMBRETES


Você pode manter a lista de plantão do clube no seu livro de notas, mas uma pasta de cartões é mais simples porque permite rápida expansão e revisão. Estes cartões também são um lugar para expandir notas sobre os seus alunos, como os telefones importantes e endereços (que devem ser confidenciais).






RELÓGIOS


Estes não são absolutamente essenciais, mas devem ser considerados quando o clube estiver pronto para participar de torneios ou ligas, onde o tempo é controlado. Se você decidir equipá-los para uso dos alunos, marque-os com o nome da escola ou as iniciais e cuide deles. Tristemente, estes são os itens que mais "surgem pernas e andam". Avise aos alunos que os relógios são mecanicamente delicados, que NÃO podem ser golpeados, especialmente durante partidas de velocidade, enfatize este fato ou terá que repor e/ou reparar os relógios sempre.






LIVROS E REVISTAS REFERENCIAIS


Poucos acessíveis livros para iniciantes cuidam para que novos membros melhorem a cada reunião. Trabalhe com a biblioteca de sua escola e o conselho dos alunos para conseguir alguns livros para a escola. Passe para a biblioteca uma lista com livros para iniciantes e avançados, que falem de aberturas, jogos de meio, finais e táticas. No mais seu clube deve ter as regras oficiais do jogo.






TORNEIO POR CORRESPONDÊNCIA (PARA MAIS TARDE)


Eventualmente correrão torneios, então você precisará de equipamentos como emparelhamento de cartas, gráficos de parede, finalização de envelopes, notas, etc.






PUBLICIDADE


Publicidade é importante para o sucesso imediato do seu clube. Se você quer que seu clube seja popular tem que fazer com que os alunos saibam sobre ele. A notícia de "boca em boca" é também uma das melhores formas de publicidade. Estimule os alunos a trazer amigos. A publicidade está onde você procura, procure em todo lugar!






PANFLETOS


São a chave da campanha publicitária. Faça o mais que você puder e precisar. Use uma figura atrativa de xadrez (como o desenho de uma peça) que grite "XADREZ!" para quem estiver vendo. Use letreiro limpo e não tenha medo de espaços em branco. Pregue os panfletos em quadros de avisos, peça para outros também colocá-los e deixe alguns na biblioteca e diretoria.






NOVOS LANÇAMENTOS
Escreva um simples enunciado descrevendo o que vai acontecer na sua escola. Digite-o! Tente por um ângulo local e enfatize a "porta de entrada" da natureza da sua escola. Especialmente enfatize o fato de que tanto garotas como garotos são bem – vindos e que os alunos podem se juntar no "meio do caminho". Comunique os lançamentos pessoalmente (se possível) para os jornais locais e publicações escolares. Se não puder pessoalmente, será mais difícil. Depois de publicar suas notícias, chame os receptores para ver se eles vão usá-las – e quando. Então prossiga com uma nota de agradecimento ou telefonema. Isso fará com que lembrem de você! Jornais locais e escolares, gostam de receber notícias sobre crianças, então deixe a timidez de lado e contate-os.






OFICIAIS DO CLUBE
Oficiais não são necessários nas primeiras reuniões, mas um clube de 10 –12 alunos, provavelmente vai precisar de algum tipo de líder de estrutura ou missão de responsabilidade. Os oficias do clube existem por duas razões: eles representam o clube no conselho estudantil ou outras atividades e serve os interesses e objetivos dos membros. Alguns clubes escolares dependem de um ou dois alunos para fazer tudo, e isto não é bom. Como conselheiro do clube, você deve se espalhar para trabalhar em tudo. Então todo aluno sentirá que ele ou ela é uma parte do clube. Em programas secundários, tanto os membros quanto os oficiais do clube se envolverão na tomada de decisões das atividades do clube. As seguintes funções são as mínimas para oficiais do clube, lembre-se às vezes duas ou mais funções podem ser exercidas por uma mesma pessoa.






PRESIDENTE


Inspeciona o funcionamento do clube, resolve disputas com o auxílio do conselheiro, e está pronto para banir qualquer oficial ausente ou negligente. Esta pessoa pode também ser encarregada de manter contato com o conselho escolar e atividades escolares.






VICE-PRESIDENTE


Ajuda o presidente e assume a função do mesmo se o presidente se ausenta. Pode também trabalhar com a publicidade ou telefonemas do comitê ou lidar com a postura de envolvimento.






SECRETÁRIO/TESOUREIRO


Lida com assuntos requeridos pela escola e com a parte financeira do clube. Mantém a lista de plantão a menos que seja a atividade de outra/o secretária/o específica/o . Trabalha com o conselho de alunos fazendo o orçamento do clube. Dependendo da idade dos alunos é melhor que você omita esta função e a faça você mesmo.






DIRETOR DE TORNEIOS/ATIVIDADES


Planeja eventos junto com o conselheiro e faça com que corram facilmente. Este aluno pode ser responsável pela "carreira" e pelo sistema de rating do clube.






DIRETOR DE PUBLICIDADE
Informa os membros dos eventos a vir e publicação de novidades juntamente com as notícias do clube. Algumas crianças sempre quiseram ser jornalistas. Esta é a chance delas, elas serão o seu contato com o jornal da escola. Não esqueça de colocar em cada edição do jornal escolar ou publicação do clube um problema de xadrez. Ele também pode escrever um jornal para o clube incluindo o resultado dos torneios.






CAPITÃO DO TIMIE


Trabalha com o conselheiro para preparar os demais para os próximos torneios.






SAUDADOR




Um ou dois alunos que darão as boas vindas aos novos membros, os apresentarão aos outros alunos, responderão perguntas e os colocarão num jogo assim que possível. São os oficiais essenciais. Eles devem ser amistosos sempre. Mude os saudadores a cada dois meses. Como conselheiro você deve obter informações (nome, telefone...) dos novos alunos, assim você fica em contato com eles e os encoraja a voltar. Lembre-se que as informações são confidenciais!






ANIMADOR DO CLUBE (MAIS TARDE)


Você vai querer um animador considerável, que pode ser o seu melhor amigo e aliado em xadrez avançado no clube. O animador presta suporte sempre que você patrocinar um evento na escola, se você precisar de ajuda com transporte para outras escolas para desafios (quando permitido pelo distrito), e arrecadamento de fundos. Ele pode ajudá-lo em coisas infindáveis, como registros, trazer e servir refrescos, recordes, ajudar a perder a paciência em julgamentos. Estabilize o grupo o mais rápido que puder . Os pais ficarão contentes em contribuir para uma atividade positiva para seus filhos e filhas.






MANTENDO O CLUBE


CONSTRUINDO UMA BASE: OS PRIMEIROS MESES


Você já tem, conseguiu seus primeiros membros, segurou as pontas até aqui. E agora? Continue!






FORMALIDADES


Alguns clubes começam a eleger os oficiais cedo, traçando e aprovando estatutos e constituições e outros problemas organizacionais. Seu alunos provavelmente só querem jogar xadrez. Muitos alunos tendem a se entediar com estas formalidades, mas tente encontrar voluntários o quanto antes. Coloque-os como saudadores e o que mais quiser.






SUPORTE ESCOLAR


A região e o diretor são como o suporte para quando você adiciona uma nova atividade extracurricular. Converse com o diretor e professores representativos, para discutir um pagamento extra para o tempo que você passa com atividades extra e/ou curriculares. O técnico do time, bem como o conselheiro do clube, devem ter algum pagamento extra, em função de sua agenda lotada e trabalho duro.






NOTÍCIAS DO LANÇAMENTO


BOLETINS ESCOLARES


Prepare comunicados curtos direcionados ao boletim informativo de sua escola. Anuncie a reunião organizacional bem sucedida acentuando os pontos positivos dela. Anuncie seus campeões, eleições, torneios e resultados. Repita o número da sala, hora, e o nome do conselheiro e lembre a todos que nunca é tarde para se unir ao clube.






JORNAIS LOCAIS


Você pode querer colocar um artigo na jornal da cidade. Se você tiver um grupo de pequeno a moderado, um lançamento pode ser um termo muito exagerado para o que você quer. Mas se for o termo que o jornal usar, você poderia usá-lo também. Prepare esta informação na escola ou no clube de xadrez para que o jornal saiba a origem. Isto dá mais crédito ao lançamento e eleva a efetividade. Um comunicado fala a escola ou jornal local, rádio ou TV que você tem novidades, e eles tem a permissão para resumir ou reescrever seu artigo. A tática é escrever tão bem que, reescrevê-lo seria perda de tempo. Seja Claro, Breve e Conciso.






PRECISÃO




Isto sem dizer que você deve manter seus fatos certos. Você deveria também fornecer um nome e um telefone para qualquer informação posterior. Você deve checar os estilo particular do seu papel na reportagem local. Por exemplo : eles gostam de incluir idades e notas de quase todos os alunos associados? Quantas sentenças eles usam tipicamente por parágrafo? Estas questões podem desenvolver precisão, mas elas enfatizam sua conformidade para uma boa escrita.






REDUÇÃO


Ache o ponto e fique aí. Jornais não tem tempo, espaço, nem tendência a copiar com muitos fundamentos e teorias. Eles querem notícias! Ás vezes eles publicam traços, partes maiores que exploram as estórias através dos fatos, mas isto normalmente é feito por eles mesmos. Lembre-se que os jornais normalmente cortam do final, portanto coloque os pontos críticos no início.






CLARIDADE


Lembre-se da diferença entre Português e terminologia enxadrística, e evite palavras e conceitos que precisem de explicação para os não enxadristas. Escreva frases curtas e simples, seja cuidadoso, especificamente, com os pronomes, para não confundir.






JORNALZINHO DO CLUBE


Este simples dispositivo pode ser a chave para o sucesso do clube. Lembre-se, "nomes vendem papéis". No jornal de um clube, nomes fazem membros felizes. Na sua forma mais simples, seu jornal ou boletim e meramente uma lista de eventos a vir – uma agenda de xadrez para seus alunos.


Certifique-se de que todos os estudantes – e membros potenciais – tenham uma cópia. É claro, eles devem levar para casa e mostrar aos pais. Lembre-se de que apenas colocar uma área de memória na mesa pode não ser suficiente, porque alguns alunos se ausentam durante o dia. Considere deixá-los com o professor que já esteja com eles antes do recreio ou do almoço. Então eles podem trazer o jornal para o clube. Outros alunos verão o quão especial seus membros do clube são e talvez queiram algumas informações e dêem uma olhada no jornal. Não se esqueça de deixar alguns exemplares na biblioteca e secretaria.


Além da agenda, você pode também reportar alguns eventos recentes – torneios, quadro de posições, novo rating. Encontre meios de incluir quantos nomes puder no ponto positivo.


O próximo passo será incluir alguns jogos entre alunos. Apenas anotações básicas. Outros jogos de natureza instrutiva podem ser publicados. Também não esqueça de incluir anedotas sobre a história do xadrez ou a cena local, notícias do país e do mundo, problemas de xadrez, fotos e desenhos ou qualquer coisa mais que a sua imaginação e energia sugerir.






INSTRUÇÃO


Todo clube de xadrez precisa considerar o desafio de ajudar os membros a crescer. Isto é praticamente crucial se seu clube tem esperanças de manter os iniciantes e novatos.


Sem fortalecimento, jogadores abaixo de 1000 rating freqüentemente ficam frustrados e desinteressados – E isto nenhum clube quer que aconteça.


Deve ser enfatizado o fato de todos os alunos jogarem com jogadores mais fortes para aprimorar seu jogo. O perdedor , no xadrez, aprende mais que o ganhador. O perdedor ganha sabedoria e até alguma satisfação. Diga aos alunos novos que a paciência será recompensada. O jogador mais velho vai se graduar e, se o mais novo continuar a praticar, pode ser um dos melhores da escola. Paciência é a virtude..


Iniciantes absolutos podem ser ensinados por quase qualquer jogador que queira ou se interesse. Escolha um bom livro da iniciantes e presenteie o material aos alunos. Você não precisa fazer o oficial, use apenas o eficaz.


Esteja certo de que os alunos saibam que bons livros de xadrez existem. Eles podem ser lidos e entendidos por qualquer um que queira aprender.


Você também pode usar os computadores da sua escola para uma outra oportunidade de aprendizado. Um grande número de programas está disponível em lojas e pela Internet.


Jogadores entre 1300 e 1700 rating podem também ser excelentes professores – não só para iniciantes mas também para que apesar de jogar há tempos sabem pouco das regras. Os segundos são os que freqüentemente perdem, os frustrados. Assim eles podem melhorar seu desempenho depois de ajudar colegas com lições básicas. Serão normalmente os suportes mais ávidos do seu clube.


Instrução não precisa ser limitada aos jogadores inexperientes. Não surpreendentemente, os jogadores veteranos são melhores professores para outros jogadores de torneios do que para os iniciantes, porque eles podem expressar suas idéias no jargão do xadrez. Porém, eles podem ajudar, sim. Não tenha medo de pedir para um Master ou Expert ajudar nas suas instruções básicas, Eles podem surpreender você com a sua atitude voluntária.


Não faça vista grossa a mais simples de todas as ferramentas instrucionais, a análise pós morte. Quando na sua primeira reunião um novo aluno reclamar de ser um iniciante, coloque-o junto a um jogador para que ele releia o jogo depois de feito. Imagine o quanto mais bem vindo ele se sentirá se alguns toques forem dados a ele pelo jogador que apenas jogou com ele. Finalmente você deve sugerir que todo jogador que joga valendo rating reveja um daqueles jogos. Seu alunos entram no xadrez para se divertir e ganhar alguns jogos então dê a eles uma das melhores ferramentas de aprimoramento: análise. No mais tente evitar pequenas facções no seu clube. Ás vezes o jogador mais experiente tende a excluir novos jogadores, divida todos em grupos e misture-os.






IDÉIAS DE PLANEJAMENTO DE LIÇÕES


Abaixo você vai encontrar uma lista para alunos que deve ser revista com todos os novos membros e aqueles que perderam a sabedoria em certas áreas do jogo:


I. Como aplicar o cheque mate: (Deixe que tentem em você – sem avisar antes – eles já devem saber isso ou parte disso... depois fale se necessário. Explique o que é empate, dando exemplos.)


a. Dama e Rei X Rei.
b. Duas Torres e Rei X Rei.
c. Uma Torre e Rei X Rei.
d. Conteste: Xeque Mate no menor número de lances.






II. Jogue dois ou três jogos simultâneos – discuta movimentos fracos (não diga maus movimentos) e bons movimentos – elogie-as sempre que possível.






III. Ensine a anotar os jogos:


a. Nomeie alguns quadrados e depois aponte para outros para eles nomearem.
b. Coloque um cavalo no tabuleiro – eles devem nomear todos os quadrado de movimentos possíveis.
c. Tenha um jogador experiente para mostrar ao principiante como anotar um jogo.






IV. Monte situações especiais como:


a. Peão e Rei X Rei – como defender e como avançar o peão.
b. Mate do Corredor.
c. Mates escolares e Mates tolos.






V. Ensine-os a como encastelar e porque.






VI. Ensine a teoria geral aberta.


a. Importância de controlar o centro.
b. Evitar mover a mesma peça repetidamente.
c. Não mexa a Dama muito cedo.
d. Encastele cedo no jogo.
e. Não faça muitos movimentos de peões logo.
f. Desenvolva cavalos e bispos rapidamente.
g. Não faça movimentos de cheque sem propósito, apenas para colocar o adversário em cheque.






Tente estas dicas em qualquer ordem – reveja a lição da semana anterior, mas tente principalmente enfatizar a aula da semana.






(Fonte: http://www.uschess.org)
http://www.cex.org.br/html/apresenta_template.php?template=sobre_o_xadrez.tpl
Centro de Excelência de Xadrez