domingo, 31 de outubro de 2010

229 - XXVII Jogos da Castanha no 07 de Novembro/2010

Hoje um dia especial. Eleiçoes importantes para o Governo do Estado e para a  Presidência da República. O Clube de Xadrez é apartidário e respeita as preferências pessoais. Nosso "metier", sobremaneira, é o Xadrez.

Definida a data para a realização dos jogos de xadrez na Semana da Castanha (XXVII Jogos Estudantis da Castanha) para o próximo dia 07 de novembro (domingo), na Escola Geraldo Veloso, Av. 2000 s/n - Novo Horizonte, a partir das 8h00.

O blogger registra que, no dia de hoje, 07 internautas visitaram o poster para verificar a data dos jogos de xadrez. Ao todo o blogger registrou 43 internautas interessados por informação na realização dos Jogos da Castanha - Xadrez

O Blogger também recebeu visitantes interessados e comentários em saber a data, local e horário da realização dos Jogos de Tênis de Mesa. Por enquanto, ainda não sabemos a data e estaremos encaminhando ao nosso internauta a respectiva informação. Vamos consultar os organizadores e informá-los depois.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

228 - Xadrez em alta na X OLIMPÍADAS DA ESCOLA FENIX

Com apoio da ASSOCIAÇÃO CULTURAL E ESPORTIVA CAVALEIROS DA DAMA, leia-se Carlos Alessander e CLUBE DE XADREZ MARABÁ, foi promovida a X OLIMPÍADA DO CENTRO DE ENSINO FÊNIX, de Parauapebas, realização do CENTRO DE ÊNSINO FÊNIX, incluindo a modalidade Xadrez. As competições enxadrísticas foram realizadas neste domingo (24) a partir das 8h00 no Auditório da Escola Fênix.

Nas disputas no naipe Feminino em cinco rodadas, tivemos a participação de 04 equipes e 08 atletas pelo Sistema Suíço com o tempo de 20 minutos de reflexão. A vencedora foi a Equipe ZEUS com 7,5 pontos, veja classificação final por Equipes:


FEMININO
POR EQUIPES
1º ZEUS 7,5 pontos;
2º TERRA 5,5 “
3º FOGO 5,0 “
4º H2O 2,0 “


Na classificação individual destaque para a atleta Marina Mendes Fick que obteve 3 vitórias e 2 empates, terminando sua participação de forma invicta. Veja a classificação geral individual:


FEMININO
INDIVIDUAL
1ºMarina M. Fick-FOGO/ 4pts/8mb;
2ºLouise Vitoria-ZEUS/4pts/6,5mb;
3ºNicole Lima/TERRA/3,5pts/8,5mb;
4ºVitoriaR.Bonfim/ZEUS/3,5pt/6,5mb
5ºKenia K. Silva/TERRA/2pts/5,5mb
6ºLaiss Gabriele Correa/H20/1pt/ 9,5
7ºRebeca M.Sousa/H20/1pt/9,5mb
8ºMaria J.Carneiro/Fogo/1pt/6,5mb



MASCULINO

O naipe masculino contou com a presença das quatro equipes e de 15 atletas, emparceirados pelo Sistema Suíço em 5 rodadas, também com o tempo de 20 minutos de reflexão. A vencedora foi a Equipe FOGO com 11 pontos:


MASCULINO
POR EQUIPES
1º FOGO 11 pontos
2º TERRA 10 “
3º ZEUS 10 “
4º H2O 9 “



MASCULINO INDIVIDUAL

O naipe masculino apresentou vasto elenco de atletas. Contou com a participação do aluno Bruno Mauro Valente, vencedor dos JEP´s  e SUPER JEP´S Estadual.


MASCULINO
INDIVIDUAL
1ºMarcio Muniz ZEUS 5 pts;
2ºSamuel V.Soares FOGO 4 pt, 9mb;
3ºWilgor Paz TERRA 4 pt 5,5 mb;
4ºBruno M.Valente FOGO 3 pt 10mb
5ºKeven Vieira Souza TERRA 3pt 8m
6ºPedro Henrique H2O 3 pt 7,5mb;
7ºAntonio S.Lacerda H2O 3pt 7,5mb;
8ºMurilo C. Costa ZEUS 3pt 7mb;
9ºArthur SousaSena ZEUS 2pt 8,5mb
10ºMarco A.Furtado FOGO 2pt 8,5
11ºFrancisco Assis FOGO 2 pt 7,5
12ºVinicius Alves H2O 2 pt 7,5mb;
13ºEduardo MonteiroTERRA2pt 6,5
14ºMarcos Oliveira H2O 1pt 8,5mb;
15ºErikson A.Farias TERRA 1 pt 5,5


Parabéns aos organizadores da Escola Fênix que pelo terceiro ano consecutivo promove e incentiva o enxadrismo em uma OLIMPÍADA ESCOLAR. Ao irmão CARLOS ALESSANDER sempre apoiando todos os eventos da região e ao PROFESSOR MÁRCIO LARANJEIRAS.


Crédito das imagens: http://www.cavaleirosdadama.org.br/

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

227 - O Xadrez fez sucesso na IX Olimpíada da Escola São Francisco

Muita agitação nesta quarta-feira (27), as diversas modalidades esportivas disputadas provocaram muita movimentação e ansiedade entre os milhares de estudantes da Escola Municipal São Francisco, situada no km 02 da BR 230 (Cidade Nova), tudo por conta da realização da IX OLIMPÍADA DA ESCOLA SÃO FRANCISCO.

O CLUBE foi convidado para organizar a Modalidade do Xadrez. Segundo o Professor Gileno os jogos seriam disputados por 04 equipes, sendo: Amarela, Azul, Verde e Vermelha, nas categorias A (menores de 11 anos) e B (acima de 11 anos de idade), todas com dois tabuleiros, sendo organizado 08 torneios individuais, conforme abaixo:



CATEGORIA A
MASCULINO
1º tabuleiro;
2º tabuleiro.

CATEGORIA B
MASCULINO
1º tabuleiro;
2º tabuleiro.

CATEGORIA A
FEMININO
1º tabuleiro;
2º tabuleiro.

CATEGORIA B
FEMININO
1º tabuleiro;
2º tabuleiro.

Ao todo tivemos a participação de 28 atletas disputando os jogos por níveis de força, ou seja, os 1ºs tabuleiros enfrentavam apenas os demais 1ºs tabuleiros. Os 2ºs enfrentavam apenas os 2ºs e assim sucessivamente com os demais tabuleiros. O 1º tabuleiro representa o enxadrista mais forte e o 2º tabuleiro o segundo enxadrista mais forte. Os torneios foram realizados no Sistema Schuring de turno e returno, cada atleta disputando 06 partidas com o tempo de 10 minutos de reflexão.

No geral tivemos a participação de 28 enxadristas, sendo: 15 do sexo masculino e 13 do sexo feminino e uma grande assistência de professores, alunos e coordenadores de equipes, acompanhando ponto a ponto o desempenho de seus atletas, além de alguns familiares.

As competições serviram para apontar as equipes vencedoras, somando pontos para a competição geral. As equipes vencedoras foram, conforme categoria e naipe, somando-se os desempenhos dos 1ºs e 2ºs tabuleiros:


CATEGORIA A 
NAIPE:  MASCULINO

1º VERMELHA 10,5 pts;
2º AZUL 6,5 pts;
3º VERDE 4,5 pts;
4º AMARELA 0,0 pt.



CATEGORIA A

NAIPE:  FEMININO
1º AMARELA 5,5 pts;
2º AZUL 4,5 pts;
3º VERDE 4,0 pts e 5 sb;
4º VERMELHA 4,0 pts e 4,5 sb.



CATEGORIA B

NAIPE:  MASCULINO
1º VERMELHA 7,5 pts;
2º AMARELA 6,0 pts;
3º VERDE 2,5 pts;
4º AZUL 2,0 pts.



CATEGORIA B

NAIPE:  FEMININO
1º VERDE 3,5 pts e 3,75 sb;
2º VERMELHA 3,5 pts e 3,5 sb;
3º AMARELA 3,0 pts;
4º AZUL 2,0 pts.



A metodologia de trabalho e somatória de pontos e entrega de medalhas seguiu a orientação estabelecida no Regulamento Geral da IX OLIESF. Segundo a metodologia adotada pelo sistema Swiss Perfect 98, utilizada nos emparceiramentos dos torneios individuais, tivemos os seguintes destaques (lembrando que esta metodologia não é a mesma da OLIESF. Destaques individuais:

Categoria A
Masculino
Primeiro Tabuleiro (04 atletas):

1º Marcos Vinícius, Equipe VERMELHA 6 pts 10.00 sb;
2º C. Emanuel, Equipe VERDE 3 pts 2.00 sb;
3º João Paulo, Equipe AZUL 2 pts 0.00 sb;
4º Rodrigo, Equipe AMARELA 0 pt 0.00 sb.


Categoria A
Masculino
Segundo Tabuleiro (04 atletas):
1º Hélio Conceição, Equipe VERMELHA 4.5 pts 11.25 sb;
2º Mábio, Equipe AMARELA 2.5 pts 8.25 sb;
3º Alex, Equipe VERDE 2.5 pts 7.25 sb;
4 Luis Fernando, Equipe AZUL 2.5 pts 6.25 sb.


Categoria B
Masculino
Primeiro Tabuleiro (03 atletas):
1º Nival, Equipe VERMELHA 3.5 pts 4.75 sb;
2º William, Equipe AZUL 2 pts 1.00 sb;
3º Leandro, Equipe VERDE 0.5 pt 1.75 sb.


Categoria B
Masculino
Segundo Tabuleiro (04 atletas):
1º Lourival, Equipe AMARELA 6 pts 12.00 sb;
2º Antonio Marcos, Equipe VERMELHA 4 pts 4.00 sb;
3º Marcelo, Equipe VERDE 2 pts;
4º Ian, Equipe AZUL 0 pt.


Categoria A
Feminino
Primeiro Tabuleiro (04 atletas)
1º Aliandra, Equipe AMARELA 5.5 pts;
2º Gabriela, Equipe VERDE 4 pts;
3º Estefane, Equipe AZUL 1.5 pts;
4º Brauna, Equipe VERMELHA 1 pt.

Categoria A
Feminino
Segundo Tabuleiro (03 atletas):
1º Maysa, Equipe VERMELHA 3 pts 3.00 sb;
2º Juliane, Equipe AZUL 3 pts 3.00 sb;
3º Jaqueline, Equipe AMARELA 0 pt.


Categoria B
Feminino
Primeiro Tabuleiro (03 atletas):
1º Poliana, Equipe VERDE 3.5 pts;
2º Erika, Equipe VERMELHA 2.5 pts;
3º Josiane, Equipe AZUL 0 pt.


Categoria B
Feminino
Segundo Tabuleiro (03 atletas):
1º Isabela, Equipe AMARELA 3 pts;
2º Camila, Equipe AZUL 2 pts;
3º Abigail, Equipe VERMELHA 1 pt.

O Clube de Xadrez Marabá parabeniza a todos que trabalharam na realização da maior competição estudantil escolar de xadrez. Parabeniza aos Professores Gileno, Salatiel, Nelinho, Ivaneide, Raimundinha e todos os demais servidores da escola, além de todos os alunos participantes.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

226 - Clube faz doação de alimentos ao Lar São Vicente de Paulo

Pela segunda vez o Clube de Xadrez faz doação de alimentos não perecíveis. As inscrições dos participantes do TORNEIO 21 DE OUTUBRO, promovido no dia 21/10/2010 rendeu a organização a coleta de 40 kg de alimentos para serem doados ao LAR SÃO VICENTE DE PAULO, situado na Folha 07, no Núcleo Urbano da Nova Marabá.

A entrega foi realizada pelo representante do Clube e das patrocinadoras do certame, ALZILENE NASCIMENTO e TANILZA RODRIGUES, das empresas REQUINTE STORE CONFECÇÕES LTDA e CORPO & SEDA MODA FASHION LTDA. As empresárias acreditam na melhoria da sociedade por meio da realização de projetos sociais e esportivos. Envolver os jovens é guardá-los do terrível mundo das drogas e da violência. E afirmam: poucos são os incentivos ao Esporte amador e em particular ao xadrez. Precisávamos ter, inclusive, mais de um Clube de Xadrez, pois, a Cidade é tão grande e poucas são as opções de lazer e de recreação aos jovens e adolescentes, enfatizaram.

O Lar São Vicente de Paulo está sendo coordenado por JUCILENE CLÁUDIA que é funcionária cedida pela Prefeitura Municipal de Marabá. Francisco Arnilson, do Clube de Xadrez faz uma pequena observação em relação ao trabalho ali desenvolvido: Parece que é uma vocação, um dom especial, cuidar com tanto amor e carinho, se exceder em força física e dar conta das muitas necessidades de tantos velhinhos. Estar presente em todos os momentos, ser mãe e ampará-los desde o carinho, a alimentação e os cuidados médicos. Até o carro para levar os velhinhos para um atendimento médico é o veículo particular da Sra. Jucilene, uma doação sem tamanho.

O abrigo é formado por 20 apartamentos que abrigam duas pessoas cada um. Alguns apartamentos são utilizados na administração e no depósito de materiais e de alimentos. Para melhorar a estrutura de funcionamento seria necessário a construção destes espaços e ainda de uma enfermaria.






O pôster apurou que sempre chega ajuda aos velhinhos. Deus não deixa os seus filhos desamparados. Sempre vem uma pessoa de espírito bom para deixar doações. Mas, ainda assim, o Lar precisa do apoio da sociedade local, dos políticos e dos empresários. Para manter toda esta estrutura em funcionamento precisamos de: materiais de limpeza, doações e condições de pagar nossas despesas. O abrigo não recebe ajuda financeira, por isso, acumula várias contas de energia elétrica que precisam ser pagas. A Coordenadora fala que está conseguindo colocar toda a documentação entidade em ordem, visando facilitar a celebração de convênios com instituições públicas e privadas.

Aproveitamos para fazer o registro da importante contribuição para o Torneio de Xadrez do amigo José Carneiro de Souza. Ele também é responsável por esta pequena ajuda que chega ao abrigo dos velhinhos.
Obrigado meu irmão. Obrigado também a todos os participantes e incentivadores e etc.

225 - DENIS OLIVEIRA VENCE TORNEIO DE ANIVERSÁRIO DO CLUBE DE XADREZ MARABÁ


Noite de festa para o Clube de Xadrez Marabá. Os 21 anos de fundação foi comemorado nesta 5ª feira (21/10) com o TORNEIO DE XADREZ 21 DE OUTUBRO, na Praça da Folha 27 na Nova Marabá. O aniversário foi comemorado com bolo personalizado com desenho de um tabuleiro de xadrez, velas de 21 anos e a música de parabéns pra você. Mais uma boa surpresa aconteceu, foi a chegada do dirigente do CLUBE CAVALEIROS DA DAMA, de Canaã dos Carajás, CARLOS ALESSANDER, que trouxe os seus parabéns, bolo e desejos de vida longa ao CLUBE.
O TORNEIO 21 DE OUTUBRO foi realizado no modo absoluto em 5 rodadas de 10 minutos. O evento foi prestigiado por 17 atletas marabaenses. A noite foi do atleta DENIS PEREIRA DE OLIVEIRA, enxadrista campeão municipal por várias vezes. Ele demonstrou boa forma cerebral ao vencer de forma invicta as 05 partidas disputadas e levou mais um troféu para sua galeria (foto ao lado, quando jogava contra o enxadrista Eduardo Ramalho).




O Vice Campeão,  MARCOS ANTONIO NERES FERREIRA venceu quatro partidas e foi um forte participante e ganhador da medalha de 2º colocado (na foto ao lado, recebe de Vanessa Ferreira a medalha pela excelente colocação de 2º lugar).










O terceiro colocado foi o militar do exército ANTÔNIO CARLOS MATOSO, pessoa educadíssima e bom enxadrista, um dos organizadores das Olímpiadas do Belog (na modalidade Xadrez).
Na foto ao lado com a medalha entregue pela Sra. Vanessa Ferreira.
 
 
 






Com muita experiência e boa técnica o atleta DENILDSON BARNABÉ ALVES conquistou o 4º lugar. Teve fortes competidores pela frente mas, conseguiu uma boa colocação.
O Denildson já é um enxadrista atuante e já foi vencedor de importantes torneios em Marabá.
A Sra. Vanessa fez a entrega da medalha.







Na 5ª colocação ficou o militar CARLOS EDUARDO C. RAMALHO. Foi derrotado pelo campeão Denis e para o atleta Matoso. O Eduardo é uma pessoa muito inteligente, educado, gente fina mesmo. Acreditamos que seu potencial ainda vai aumentar e, ainda vai contribuir para o crescimento do enxadrismo marabaense. Na fotografia ao lado, recebe com muita simpatia sua medalha.





O evento por pouco não foi realizado. Uma instabilidade climática, ameaça de chuva, respingos e pelos fortes ventos fizeram a Organização tomar uma importante medida, pois, os respingos começaram a molhar os materiais e equipamentos da organização do evento, causando a mudança de local, da Praça da Folha 27 para a frente da REVEMAR, onde ficamos abrigado embaixo de uma suntuosa barraca daquela concessionária.

O TORNEIO 21 DE OUTUBRO serviu, também, para recolher alimentos não perecíveis com destinação a SOCIEDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO, mais conhecido como Lar dos Vicentinos. Sabemos da necessidade da entidade. Segundo notícias veiculadas na Imprensa, são muitas as pessoas que recebem abrigo, cuidados que vão desde a higiêne, alimentação e cuidados com a saúde. Foram coletados, aproximadamente 40 kg de alimentos a partir da realização do certame esportivo.



UMA NOVA GERAÇÃO SURGINDO

Uma nova geração está sendo formada em ambiente escolar. Vimos na foto ao lado a presença de uma estudante do Centro Educacional Disneylândia que, ficou sabendo do evento e, mesmo sem condições de competir, foi bastante incisiva para que a sua mamãe a levasse ao local do torneio. Ainda participaram do torneio as atletas Aldeane e Iasmin que já gostam de paixão pelo xadrez. Outro participante ilustre é o garoto Ricardo Vinícius S. Castro, filho do baluarte José Carneiro de Souza, amante e incentivador do xadrez. Na foto ao lado fez um bonito embate com o experiente Antonio Jorge P. Oliveira.



Para comemorar e cantar os parabéns de mais de duas décadas de existência, o Clube recebeu de presente dois bolos. Um bolo foi patrocinado pela loja Corpo & Seda Moda Fashion. O outro bolo foi um presente surpresa do Clube de Xadrez Cavaleiros da Dama de Canaã dos Carajás com as velas de 21 anos. Todos os bolos estavam deliciosos e chamavam a atenção pelo sabor.

A comemoração de aniversário com a realização do Torneio e a coleta de alimentos não perecíveis causou uma boa sensação nos participantes. Por dois motivos: de estar praticando o esporte de sua paixão e, de poder contribuir com o abrigo de idosos do Lar São Vicente de Paulo.

Na ocasião, foram lembradas as origens do Clube de Xadrez Marabá que teve como pioneiros Rubens Carlos Kossatz e Antonio Carlos Silva Almeida, primeiros dirigentes e realizadores de importantes eventos como o I Torneio Aberto de Marabá com 24 participantes. Tudo começou no número 273 da Avenida Nagib Mutran, na Cidade Nova, com a reunião dos enxadristas e das primeiras competições. O Clube já possuiu sede na rua Sérvulo Brito, também na Cidade Nova. Já funcionou na rua 5 de Abril (antigo Bacaba). Na Folha 27, antigo Armarinho Pinheiro. Em um Escritório de Advocacia na travessa 7 de junho, na Velha Marabá. Até o momento o Clube aguarda apoio para a obtenção de uma Sede Social.

O atual presidente do Clube de Xadrez, Francisco Arnilson de Assis disse que o Xadrez está presente em muitas escolas, particulares e públicas. Embora, reconheça que ainda falta no setor educacional conhecimento, infra-estrutura e apoio para que o número de escolas seja ampliado.

O dirigente do Clube aproveitou a ocasião para agradecer a todos que possibilitaram a sobrevivência e manutenção do Xadrez, em especial aos enxadristas, Imprensa, Estudantes, Educadores e empresários. Aliás, recebemos o patrocínio da premiação da REQUINTE STORE CONFECÇÕES LTDA, a empresa CORPO  & SEDA MODA FASHION ofereceu o bolo tabuleiro de xadrez e a BANCA DE REVISTAS ALVORADA, os refrigerantes.

Créditos das Fotografias: Gileno Rocha e Carlos Alessander (http://www.cavaleirosdadama.org.br/)





VISITAS ILUSTRES



Em uma prova de muita simpatia e gosto pelo enxadrismo, recebemos a visita prestigiosa de pessoas importantes na história do Clube, como o experiente atleta Antonio Jorge P. Oliveira, Carlos Alessander de Canaã dos Carajás e da repórter Mariuza Giacomin. Antônio Jorge, veterano, dissiminou muita alegria e simpatia em jogar xadrez e difundir seus conhecimentos técnicos e táticos a jovem Iasmin Aguirra que foram utilizadas para derrotar o craque mirim Ricardo Vinícius.




A organização do Torneio recebeu com muita satisfação a prestigiosa visita do excelente ser humano CARLOS ALESSANDER, do Cavaleiros da Dama de Canaã dos Carajás. O Carlos é uma pessoa incansável e sempre consegue promover excelentes competições de xadrez, além de incentivar outros esportes e, ainda, idealizar grandes projetos desportivos. Nossa gratidão e agradecimento ao companheiro enxadrista. Sua presença foi uma  boa surpresa e nos deixou muitíssimo felizes. Uma outra visita muita agradável, que embelezou o Torneio foi a presença da amiga do esporte marabaense Mariuza Giacomin que fez a cobertura jornalista e ainda pode saborear do delicioso bolo de aniversário.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

224 - Parabéns, 21 anos anos de história do Clube de Xadrez Marabá

Hoje é o Aniversário do Clube de Xadrez, mais uma vez temos um evento enxadrístico para comemorar. O Torneio 21 de outubro reunirá enxadristas para mais uma comemoração em clima festivo e amistoso onde espera uma reunião gostosa e que sirva para uma reflexão do nosso querido clube esportivo.


O Torneio acontecerá na Praça da Folha 27 - Banca de Revistas Alvorada a partir das 18h00. O patrocínio das premiação e bolo comemorativo ao evento ficou a cargo da Banca de Revistas Alvorada do amigo José Carneiro, Corpo & Seda Moda Fashion Ltda, empresária Tanilza Maria Rodrigues e, Requinte Store Confecções Ltda, empresários Lena e Arnilson.



Na programação comemorativa ao aniversário de 20 anos de aniversário do Clube de Xadrez Marabá, realizado no dia 25 de outubro de 2009, na Praça São Francisco, Cidade Nova, brilhou a estrela do militar Carlos Eduardo Carneiro Ramalho, vencedor do TORNEIO DE XADREZ ABERTO CIDADE DE MARABÁ.


O torneio contou com a participação de 11 (onze) enxadristas, pelo Sistema Suíço em 05 rodadas com o tempo de 20 minutos de reflexão. A classificação ficou assim: Campeão Carlos Eduardo Carneiro Ramalho, em 2º lugar Raimundo Holanda, (amapaense de passagem por Marabá); em 3º lugar Carlos Jorge da Silva Martins; 4° Welderson Pereira dos Santos; 5° José Carneiro de Souza; 6° Antonio Carlos Matoso; 7° Lucas Medeiros; 8° Vinicius Rodrigues de Assis; 9°Jadson Souza Aguirra; 10° Matheus Henriques Barreiras Souza e 11° Jaqueline Iasmin Souza Aguirra.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

223 - TORNEIO DE XADREZ NO DIA 21 DE OUTUBRO

Pode até parecer não ser tão importante, tão significativo, o fato de estarmos celebrando o aniversário de 21 anos de existência do Clube de Xadrez Marabá é algo extraordinário. O Esporte amador não recebe apoio e nem atenção das autoridades. E continuar existindo por 21 anos tem que comemorar.


A comemoração será com a realização de TORNEIO 21 DE OUTUBRO, na categoria absoluto, na modalidade relâmpago, aberta a participação de enxadristas de todas as idades de ambos os sexos.




Será realizado em Praça pública, na Folha 27, proximidades da Banca de Revistas Alvorada a partir das 18h00. Para se inscrever o atleta precisa chegar minutos antes do evento e entregar 02 kg de alimentos não perecíveis que serão doados ao LAR DOS VICENTINOS.


A premiação que consistirá em um TROFÉU e MEDALHAS, serão entregues logo após o encerramento do certame.


O Clube agradece a todos que deram a sua contribuição para a existência e a realização de grandes eventos. Nossa maior alegria foi estar presentes ao longos destes 21 anos promovendo o enxadrismo em Marabá e diversos municípios atendendo a um público de aproximadamente 10.000 mil pessoas que aprenderam e agora jogam este nobre esporte.


Enfim, pelas graças de Deus pedimos um caminho melhor para o Enxadrismo em Marabá, para que seja fortalecido, apoiado e que cumpra com seus ideais. Amém!

Informações: 8166-1616

domingo, 17 de outubro de 2010

222 - BLOG REGISTRA 3.000 VISITANTES

O Clube de Xadrez Marabá tem conseguido atrair a atenção de diversificados públicos, que procuram maiores informações sobre os últimos acontecimentos do Xadrez marabaense. No dia 10 de setembro do corrente ano, o blog: http://cxmaraba.blogspot.com/2010/09/estamos-proximos-dos-1000-acessos.html havia registrado 1000 acessos.



Quase um mês após, chegamos a importante marca de 3.000 visitas. Considerando que a contagem iniciou-se no final de maio e início do mês de junho, temos, agora, aumentado o número de 12 para 20 visitas diárias. Assim, vem se consolidando o número de leitores ávidos por informações sobre o esporte e, cerca de 650 visitantes/mês.



Analisando pelo fato de não termos apoio, uma inserção programática nos estabelecimentos de ensino (apenas voluntária) segundo nossas condições financeiras e de tempo, mesmo faltando-nos uma sede para prestar melhores condições aos nossos praticantes, o número espelha uma grande valorização e uma ótima aceitação de nossos visitantes.


O Xadrez tem sido um tema em evidência nos últimos dias, nas Escolas e mídia local: FOLHA DO PARÁ, CORREIO DO TOCANTINS e OPINIÃO, RÁDIO ITACAIÚNAS PROGRAMA DIÁRIO SEMANAL, TV RBA CANAL 2 - JORNAL RBA MARABÁ. Tudo isto, poderia atrair maiores patrocinadores ao Clube, divulgando o Esporte e os Apoiadores, fugindo do senso comum de compreender o esporte como sendo apenas o futebol.



OS ARTIGOS MAIS VISITADOS - ÚLTIMA SEMANA

É importante analisar os números. No decorrer da semana que vai do dia 10 ao dia 17/10, tivemos :

1º Vai começar os Jogos Estudantis da Castanha com 17 visualizações de página;


2º CX Marabá comemorará 21 anos com Torneio, com 15 visualizações de página;


3º Leolar realiza torneio de xadrez com 07 visualizações de página;


4º Estatistas sobre os visitantes ao blog com 06 visualizações de página.




OS ARTIGOS MAIS VISITADOS - ÚLTIMO MÊS

De 17/09 a 17/10/2010, exatos 30 dias, os artigos mais visitados foram:

1º Artigos sobre os Benefícios da Prática do Xadrez 20/08/2010 38 Visualizações de página;


2º Vai começar os Jogos Estudantis da Castanha 27/09/2010 31 Visualizações de página;


3º Ernesto Paglia do Jornal Nacional no Ar considera ... 27/08/2010, 1 comentário 31 Visualizações de página;


4º Conheça o Estatuto do CX Marabá 10/07/2010 24 Visualizações de página;


5º Escola Liberdade realiza a sua 1ª Olimpíada Intern... 28/08/2010 20 Visualizações de página.




OS ARTIGOS MAIS VISITADOS - GERAL

Desde que o poster inseriu o relógio para contagem dos visitantes, no final de maio e início de junho, a procura por informações passsou a ter registro. Assim, podemos conhecer as postagens que receberam mais visitantes, veja a lista abaixo:



1º Artigos sobre os Benefícios da Prática do Xadrez 20/08/2010 77 Visualizações de página;


2º Ernesto Paglia do Jornal Nacional no Ar considera ... 27/08/2010, 1 comentário 73 Visualizações de página;


3º Conheça o Estatuto do CX Marabá 10/07/2010 45 Visualizações de página;


4º Escola Arte e Manhas é destaque nos JEM´s 07/06/2009 33 Visualizações de página;


5º Leolar realiza Torneio de Xadrez 24/02/2008 31 Visualizações de página;



VISITANTES NACIONAIS E INTERNACIONAIS

Reforçando a idéia da relevância, em função da grande procura por informações sobre o Xadrez e, tendo por base a formulação de projetos educacionais, tendo em vista elevando número de postagens importantes para justificação de projetos, o Clube de Xadrez tem investido em artigos pedagógicos e, divulgando a importância das políticas públicas de combate às drogas e à violência. Mas, é gratificante sabermos que somos visitados por outras nações, vejam a lista dos países e os números dos visitantes:



1º Brasil 2.766;


2º Estados Unidos 108;


3º Portugal 42;

4º Canadá 25;

5º Reino Unido 13;

6º Alemanha 8;

7º Japão 5;

8º Haiti 3;

9º Itália 3 e;

10º Argentina 2.



Assim, esperamos alcançar a marca dos 3.000 visitantes no decorrer deste final de semana. Uma coisa é certa, vamos continuar nosso trabalho e esperamos contar com algum apoio para fazermos mais e melhor e para mais pessoas.



NOSSOS AGRADECIMENTOS... NAS LÍNGUAS DOS PAÍSES VISITANTES:

AOS NOSSOS QUERIDOS VISITANTES, MUITO OBRIGADO!  (português)

VISITORS TO OUR DEAR, MANY THANKS! (inglês)

BESUCHER UNSEREN LIEBEN, VIELEN DANK! (alemão)

WATASHI-TACHI NO AISURU E NO HÕMON-SHA, ÕKU NO KANSHA! (japonês),

I VISITATORI DEL NOSTRO CARO, MOLTE GRAZIE!, (italiano).

221 - RAZÕES QUE LEVAM UMA PESSOA A USAR DROGAS

Quais as razões que levam uma pessoa a usar drogas?



Muitas são as razões que podem levar alguém a usar drogas. Cada pessoa tem seus próprios motivos. Os pais não devem tirar conclusões apressadas se suspeitam ou descobrem se o filho ou filha usou ou está usando drogas. É preciso que escutem com muita atenção o que o filho ou a filha tem a dizer para poderem compreender o que está acontecendo. Entre os possíveis motivos, destacamos:


1. A oportunidade surgiu e o jovem experimentou.

O fato de um jovem experimentar drogas não faz dele um dependente. Porém, mesmo experiências aparentemente inocentes podem resultar em problemas (com a lei, por exemplo). Um jovem que usou drogas passa a ser tratado muitas vezes como "drogado" por seus pais ou professores. O excesso de preocupação com o uso experimental de drogas pode tornar-se muito mais perigoso do que o uso de drogas em si.



Diante dessa situação os pais não se devem desesperar. Reagir com agressividade e com violência pode até mesmo empurrar o jovem para o abuso e a dependência de drogas. Os pais devem alertá-lo sobre possíveis riscos e, se possível, conversar francamente sobre o assunto, aproveitando a oportunidade.



2. O uso de drogas pode ser visto como algo excitante e ousado pelos jovens.

Cabe aos adultos alertar os jovens sobre os riscos relacionados com o uso de drogas. Entretanto, muitas vezes são justamente os riscos envolvidos que podem exercer atração sobre eles. Esta é uma das críticas que são feitas às campanhas antidrogas de caráter amedrontador, que exageram os riscos.


Assim, quando se falar em riscos, a informação deverá ser objetiva, direta e precisa, caso contrário o efeito poderá até mesmo ser oposto ao desejado. Grande parte dos jovens conhece pessoas que usam maconha e que nunca se interessaram por outras drogas. Para eles, a afirmação de que "a maconha é a porta de entrada..." pode soar mentirosa e, como conseqüência, deixarão de ouvir os adultos em assuntos realmente importantes. Por outro lado, se o jovem que ouve essa afirmação nunca experimentou drogas e pouco conhece do assunto, ele pode ficar muito curioso, principalmente porque para os adolescentes assumir riscos faz parte do jogo, em que o próprio risco é transformado em desafio.
 Por exemplo, alertar os jovens sobre os riscos de se consumir bebida alcoólica e depois sair dirigindo pode ser feito de forma clara, precisa e objetiva. Isso é muito mais educativo do que discursos dramáticos e aterrorizantes sobre os malefícios do álcool. Dizer de outra forma, tentar exagerar os riscos e perigos pode ser um estímulo ao uso de drogas, principalmente para os jovens.



3. As drogas podem modificar o que sentimos. Esse poder de transformação das emoções pode se tornar um grande atrativo, sobretudo para os jovens.

A melhor maneira de tentar neutralizar a atração que as drogas exercem seria estimular os jovens a experimentar formas não-químicas de obtenção de prazer. Os "baratos" podem ser obtidos através de atividades artísticas, esportivas, etc. Cabe aos adultos tentar conhecer melhor os jovens para estimulá-los a experimentar formas mais criativas de obter prazer e sensações intensas.



4. Muitas pessoas acreditam que os jovens acabam consumindo drogas pela influência de colegas e amigos (pressão de grupo).

Embora a "pressão do grupo" tenha influência, sabemos que a maioria dos grupos tem um discurso contrário às drogas; mesmo assim, alguns jovens acabam se envolvendo. Mais importante do que estar em acordo com o grupo é estar bem consigo mesmo. Os jovens que dependem exageradamente da aprovação do grupo são justamente aqueles que têm outros tipos de problemas (por exemplo, sentem-se pouco amados pelos pais, deslocados, pouco atraentes, etc.).



5. O uso de drogas pode ser uma tentativa de amenizar sentimentos de solidão, de inadequação, baixa auto-estima ou falta de confiança.

Nesses casos, é importante tentar ajudar o jovem a superar as dificuldades sem a necessidade de recorrer às drogas. Os pais devem dar segurança para seus filhos através do afeto. Eles devem se sentir amados, apesar de seus defeitos ou de suas dificuldades.



6. Mas não existe uma pressão externa para consumir drogas?

Sim, essa pressão certamente existe. Nossa sociedade tem como um de seus maiores objetivos a felicidade. O grande problema é que tristeza, descontentamento e solidão passam a ser vistos como situações a serem eliminadas, quando, na verdade, elas fazem parte da vida e devem ser compreendidas e transformadas. Desde muito cedo, as crianças têm um modelo de felicidade diretamente ligado ao consumismo: o que podemos comprar poderá nos trazer satisfação e felicidade. As propagandas de álcool, cigarro e chocolate veiculam esse modelo, para vender seus produtos. A crença ingênua de que "podemos comprar a felicidade" e de que "tristeza e solidão devem ser evitadas a qualquer preço" constituem o mesmo padrão de relação que os dependentes (consumidores) estabelecem com as drogas (produtos). Nesse sentido, podemos dizer que os "drogados" estão apenas repetindo o modelo de sociedade que lhes oferecemos.


Consumir drogas é uma forma de obtenção de prazer. Isso não pode ser negado. Devemos ter em mente queexistem maneiras de se obter prazer cujo preço a pagar pode ser muito alto. Devemos ensinar aos jovens que a fórmula de "felicidade a qualquer preço" imposta pela sociedade aos indivíduos não é a melhor maneira de se viver.

No comércio de drogas, jovens são muito utilizados pelos traficantes como intermediários (conhecidos como "aviões") na venda de drogas ilícitas. Esse comércio lucrativo torna-se uma alternativa de ganho, ainda que ilegal, mas também favorece o contato dos jovens com as drogas, com a violência e com as doenças a elas relacionadas.

Fonte: http://www.casadiajau.org/guia/20_razoes_usar_drogas.htm




EXISTEM SINAIS PARA IDENTIFICARMOS SE ALGUÉM ESTÁ USANDO DROGAS?



Com freqüência os pais querem saber quais os sinais que indicam que um jovem esteja usando drogas. Não existe maneira fácil de confirmar a suspeita.


Tentar identificar no jovem sinais ou efeitos das diferentes substâncias só tende a complicar ainda mais as coisas. O clima de desconfiança que se instala nessas situações prejudica muito o relacionamento entre os familiares.


É normal e esperado que os jovens tenham segredos e que dificultem o acesso de outras pessoas da família, sobretudo os pais, a questões de sua vida pessoal. Eles tendem também a experimentar situações novas, a assumir atitudes desafiantes e de oposição e até mesmo a apresentar comportamentos ousados que podem envolver riscos. Tais comportamentos constituem traços caraterísticos de uma adolescência normal. A grande dificuldade dos pais é saber até que ponto essas atitudes e comportamentos estão dentro do esperado ou se já significam que o jovem está passando por problemas mais graves e necessitando de ajuda.




O mais importante é que os pais tentem sempre conversar com os filhos. Mesmo que o diálogo se torne tenso e cheio de conflitos, ainda assim ele é uma via de comunicação importante. Os pais devem também se preocupar mais em ouvir do que em dar conselhos. Quando o jovem se isola e o acesso a ele se torna impossível, é um sinal de que é necessário procurar algum tipo de ajuda externa.

Fonte: http://www.casadiajau.org/guia/21_sinais_identificar_uso_drogas.htm

220 - CONSUMO DE CRACK CRESCE EM TODO O BRASIL, O QUE FAZER?

AUMENTA O CONSUMO DE CRACK NO BRASIL


Data: 01/09/2008

Em meados dos anos 80, uma nova droga surgia. Devido ao seu baixo custo e ao seu rápido e intenso efeito, o crack ganhou popularidade entre seus usuários, especialmente nas áreas urbanas mais pobres. Porém, ao mesmo tempo em que cria uma sensação de alegria no usuário, a droga também deixa efeitos significativos e potencialmente perigosos no corpo. As pessoas que o utilizam, mesmo que por poucas vezes, correm riscos de sofrer infarto, derrame, problemas respiratórios e mentais sérios.


Nos últimos anos, uma constatação preocupa a sociedade: o consumo de crack tem aumentado. Em 2005, segundo a última pesquisa nacional do Cebrid, órgão da Unifesp, 0,7% da população entre 12 anos e 65 anos dizia ter provado a droga, quase o dobro do 0,4% registrado quatro anos antes. No Rio Grande do Sul, já existem 50 mil dependentes. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde do Estado, o problema tornou-se uma epidemia.


No Ceará, o consumo de crack também cresce. A Delegacia de Narcóticos (Dnarc) de Fortaleza informou que cerca de 70% das apreensões listadas são da droga. Em 2007, pouco mais de oito quilos foram interceptados na cidade. Em 2008, as apreensões já somam 16,5 quilos. Em sete meses, o volume dobrou. Hoje, a droga é considerada a número um em Fortaleza, a mais vendida e a mais popular.


Segundo o psiquiatra Alexandre Sampaio, que trabalha no Centro de Atenção Psicossocial (CAPs) da Universidade Federal do Ceará (UFC), o aumento do consumo deve justamente pelas características da droga. “O crack é uma droga que gera prazer em questão de segundos e seus efeitos passam alguns minutos depois. Isto causa uma alta dependência e num tempo muito curto”, informa Sampaio.


Questionado sobre o tratamento mais adequado nos caso de dependência de crack, o médico revela que é o viciado quem deve procurar ajuda e que ela deve estar de plantão e agir de imediato. “É importante que as portas estejam abertas e no momento em que o paciente achar que tem algum problema, a ajuda deve ser de fácil acesso. Caso contrário, ele acaba desistindo”, explica.


Por isso, a participação da família é importante. “O paciente não pode encarar essa batalha sozinho. E isso já está comprovado: quando a família ajuda, a taxa de abstinência à droga é maior”, conclui Sampaio, dizendo também que não se deve dar dinheiro ou confrontar o dependente. “O certo é esperá-lo pedir socorro e estar pronto para atendê-lo”, finaliza.

Fonte: Agência Saúde Mental
http://www.abpcomunidade.org.br/agencia/reportagens/exibir/?id=11



CONSUMO DE CRACK AUMENTA PROBLEMA DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO RIO DE JANEIRO

26.08.10 às 22h56

Rio - O problema da dependência química se agravou no Rio de Janeiro com a entrada gradual do crack, a partir de 2000, disse nesta quinta-feira o psiquiatra Osvaldo Saide, da Associação Psiquiátrica do Estado do Rio de Janeiro (Aperj). Ele participou do primeiro dia de trabalhos da 7ª Jornada Sudeste da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e da 19ª Jornada de Psiquiatria da Aperj, no Rio.


Saide afirmou que a questão das drogas deve ser encarada como um problema de saúde pública. Os profissionais do setor estão preocupados com o aumento do número de dependentes químicos porque há poucos recursos no Sistema Único de Saúde (SUS) para tratar dos problemas que a população apresenta. “Os serviços de saúde pública não estão dando conta do atendimento que a população da cidade precisa e, provavelmente, o país”, avaliou.


De acordo com ele, as enfermarias para desintoxicação de dependentes químicos, criadas por portaria em 2002, até hoje não saíram do papel. O que existe, acrescentou, são apenas leitos em alguns hospitais. Isso, assinalou, não resolve a questão. Para o psiquiatra, a rede pública de saúde precisa contar com centros especializados no tratamento de dependentes químicos.


Por se tratar de um produto mais barato, o crack tem maior alcance, atingindo pessoas mais pobres.. Seu uso, porém, vem se ampliando também na classe média, principalmente entre os jovens, enfatizou o psiquiatra.


De acordo com o especialista, a questão das drogas não pode ser vista apenas como um problema social, mas deve ser incluída nas políticas públicas de saúde. Segundo ele, a procura pelo serviço de atendimento a dependentes químicos é crescente no Rio de Janeiro e o governo não tem onde colocar essas pessoas que, muitas vezes, apresentam uma conduta compulsiva para a compra de drogas e se tornam violentas.


A Secretaria Estadual de Saúde informou, por meio de sua assessoria, que o estado tem tratamento ambulatorial para o dependente químico, no Centra Rio e no Centro Psiquiátrico do Estado do Rio de Janeiro (CPRJ). O estado tem também três clínicas para internação, administradas pela Secretaria de Ação Social, onde os pacientes passam pela desintoxicação. Além disso, o Instituto Pinel de Psiquiatria conta com uma unidade para internação de dependentes de álcool.


Os eventos da ABP e Aperj se estenderão até o próximo sábado, debatendo o tema O Desafio dos Diagnósticos Espectrais em Psiquiatria: Mito ou Verdade.

http://odia.terra.com.br/portal/rio/html/2010/8/consumo_de_crack_aumenta_problema_da_dependencia_quimica_no_rio_106057.html
 
 
 
CRACOLÂNDIAS CARIOCAS
 
CONSUMO DE CRACK SE ALASTRA ENTRE MORADORES DE RUA E TAMBÉM NA CLASSE MÉDIA


Publicada em 10/04/2008 às 23h59m



O Globo OnlineRIO - A realidade de dois garotos que todas as noites fumam crack na Rua Marquês de Pombal, no Centro do Rio, expõe o alarmante crescimento do consumo da droga entre moradores de rua, com reflexos também na classe média do Rio, como atestam especialistas do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Atenção ao Uso de Drogas (Nepad), da Uerj. Atualmente, os dependentes de crack representam 30% dos atendimentos, ficando atrás apenas dos usuários de cocaína, de acordo com reportagem publicada no jornal "O Globo" desta sexta-feira.



Como os dois meninos, 80% dos dependentes de crack assistidos pelo Nepad são crianças e adolescentes, com idade abaixo de 15 anos. O aumento do consumo do crack no Rio, no entanto, não está associado apenas a moradores de rua. Diretora do Nepad, Maria Thereza de Aquino alerta para a expansão da droga entre a classe média. A psiquiatra afirma que em 21 anos de trabalho com dependentes de drogas nunca enfrentou um quadro tão grave:


A proliferação das pedras, como a droga também é chamada, nas ruas do Rio, tem uma característica própria: o consumo é pulverizado e pode ser constatado em locais como os arredores do Museu de Arte Moderna (MAM), no Aterro do Flamengo, na Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, e no Largo de São Francisco, no Centro. Em 2006, a PM recolheu 5.711 pedras. Ano passado, o número saltou para 14.876, aumento de 160,4%.


Policiais dizem que o crack começou a chegar ao Rio em 2002, depois que a maior facção criminosa fluminense se aliou a uma outra de São Paulo. Uma das hipóteses é a que de que traficantes começaram a fazer operações casadas: ou seja, para comprar a cocaína, tem de levar também o crack. Até então traficantes impediam a venda da droga nas favelas porque, além de ser barata, causa um efeito rápido e devastador no viciado.

http://oglobo.globo.com/rio/mat/2008/04/10/consumo_de_crack_se_alastra_entre_moradores_de_rua_tambem_na_classe_media-426788920.asp

219 - OS EFEITOS DO CRACK NO ORGANISMO

Forma menos pura da cocaína, o crack tem um poder infinitamente maior de gerar dependência, pois a fumaça chega ao cérebro com velocidade e potência extremas. Ao prazer intenso e efêmero, segue-se a urgência da repetição. Além de se tornarem alvo de doenças pulmonares e circulatórias que podem levar à morte, os usuários se expõem à violência e a situações de perigo que também podem matá-lo.







CONSEQUÊNCIAS PARA A SAÚDE


Jornal de Santa Catarina e A Notícia

Intoxicação pelo metal

O usuário aquece a lata de refrigerante para inalar o crack. Além do vapor da droga, ele aspira o alumínio, que se desprende com facilidade da lata aquecida. O metal se espalha pela corrente sanguínea e provoca danos ao cérebro, aos pulmões, rins e ossos.


Fome e sono

O organismo passa a funcionar em função da droga. O dependente quase não come ou dorme. Ocorre um processo rápido de emagrecimento. Os casos de desnutrição são comuns. A dependência também se reflete em ausência de hábitos básicos de higiene e cuidados com a aparência.


Pulmões

A fumaça do crack gera lesão nos pulmões, levando a disfunções. Como já há um processo de emagrecimento, os dependentes ficam vulneráveis a doenças como pneumonia e tuberculose. Também há evidências de que o crack causa problemas respiratórios agudos, incluindo tosse, falta de ar e dores fortes no peito


Coração

A liberação de dopamina faz o usuário de crack ficar mais agitado, o que leva a aumento da presença de adrenalina no organismo. A consequência é o aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial. Problemas cardiovasculares, como infarto, podem ocorrer


Ossos e músculos

O uso crônico da droga pode levar à degeneração irreversível dos músculos esqueléticos, chamada rabdomiólise.


Sistema neurológico

Oscilações de humor: o crack provoca lesões no cérebro, causando perda de função de neurônios. Isso resulta em deficiências de memória e de concentração, oscilações de humor, baixo limite para frustração e dificuldade de ter relacionamentos afetivos. O tratamento permite reverter parte dos danos, mas às vezes o quadro é irreversível


Prejuízo cognitivo

Pode ser grave e rápido. Há casos de pacientes com seis meses de dependência que apresentavam QI equivalente a 100, dentro da média. Num teste refeito um ano depois, o QI havia baixado para 80


Doenças psiquiátricas

Em razão da ação no cérebro, quadros psiquiátricos mais graves também podem ocorrer, com psicoses, paranoia, alucinações e delírios


Sexo

O desejo sexual diminui. Os homens têm dificuldade para conseguir ereção.

Há pesquisas que associam o uso do crack à maior suscetibilidade a doenças sexualmente transmissíveis, em razão do comportamento promíscuo que os usuários adotam


Morte

Pacientes podem morrer de doenças cardiovasculares (derrame e infarto) e relacionadas ao enfraquecimento do organismo (tuberculose).

A causa mais comum de óbito é a exposição à violência e a situações de perigo, por causa do envolvimento com traficantes, por exemplo.

Fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br/especial/br/cracknempensar/conteudo,0,3755,Comocrackagenoorganismo.html

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

218 - Jogos da Castanha tiveram início no dia 13 de outubro de 2010

Atendendo a solicitação de muitos desportistas da cidade, conseguimos informações sobre os XXVII Jogos Estudantis da Castanha, com a participação de milhares de estudantes da rede pública e privada de ensino. Ao todo, 19 internautas acessaram o nosso blog à procura de informações dos Jogos Estudantis. Esperamos que as informações abaixo venham ao encontro das expectativas de nossos ilustres visitantes.


Os Jogos Estudantis tiveram início neste 13 de outubro (terça-feira), com a Sede principal das disputas o Ginásio Olímpico de Marabá, com disputa de medalhas para os estudantes e troféus para os estabelecimentos de ensino nas seguintes modalidades: handebol, voleibol, basquete, xadrez, judô, atletismo, natação, karatê e tênis de mesa, em três categorias distintas.


A professora Joecy, da Coordenação Geral dos Jogos informou que o certame prosseguirá até o dia 12 de novembro. A professora confirma a modalidade que apresenta o maior número de participantes nas disputas dos jogos, é o Futsal.


Ainda em tempo, a coordenação comunicou que houve alterações nas programações esportivas que carreiaram no início dos jogos apenas no dia 13 do corrente mês, precisando reprogramar todas as disputas.


Em relação ao Xadrez informa que será disputado na Biblioteca da Escola Geraldo Veloso sem data confirmada. Mas, ressalta que as disputas de jogos individuais terão início a partir do dia 19 de outubro.



AS CATEGORIAS FICARAM ASSIM DEFINIDAS:

Mirim, para nascidos entre os anos de 1998 a 2000;

Infantil A, para nascidos entre os anos de 1996 e 1997 e;

Juvenil B (para nascidos entre os anos de 1993 e 1995) dos sexos masculino e feminino.




O Clube de Xadrez Marabá aproveita para desejar muito, muito sucesso aos alunos participantes, a organização geral e às Professoras Joecy e Rosângela Botelho.  O Clube vai procurar saber a programação das competições de Xadrez para divulgar e acompanhar, na medida do possível as disputas.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

217 - EM MARABÁ: VIOLÊNCIA SEM FIM, SEM SOLUÇÃO - O TRABALHO SOCIAL DA PREFEITURA

VIOLÊNCIA SELETIVA


Logo atrás de Itabuna (BA), Marabá é o segundo município brasileiro a apresentar maior vulnerabilidade à violência contra os jovens. O levantamento é do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que destaca dez das mais de 266 cidades brasileiras com população acima de 100 mil habitantes. As outras, pela ordem, Foz do Iguaçu (PR), Camaçari (BA), Governador Valadares (MG), Cabo de Santo Agostinho (PE), Jaboatão dos Guararapes (PE), Teixeira de Freitas (BA), Serra (ES) e Linhares (ES).



Segundo o Fórum, a faixa etária com maior risco de perder vidas por causa da violência é aquela entre 19 a 24 anos. A previsão é que 5 jovens morrerão por homicídios antes de completarem 24 anos no Brasil. Na faixa etária de 12 a 18 anos, a estimativa é que 2,38 adolescentes morram antes de completarem os 18 anos. Entre jovens adultos de 25 a 29 anos, a expectativa é que morram 3,73 jovens antes dos 29 anos.


No último fnal de semana,dois menores de 16 anos foram assassinados na Velha Marabá. Um, a tiro, após assaltar um transeunte. Outro, a facadas, foi achado quase debaixo da orla. Em ambos os casos, como é rotina em Marabá, ninguém sabe e ninguém viu.
 
 
Fonte: http://www.quaradouro.blogpot.com/

Fotos: Jornal Correio Tocantins (versão digital)




MORRER É APENAS NÃO SER VISTO


(Fernando Pessoa)


por Fernando Carneiro


 
Onde estão nossos miseráveis? Segundo dados oficiais o Pará tem hoje cerca de 2,1 milhões de seres humanos vivendo abaixo da linha de miséria. Quase um a cada três paraenses. Você sabe onde eles estão? Muitos haverão de ser invisíveis aos olhos de quem está acostumado a viver em um mundo de exclusões. Muitos não são vistos e por essa razão estão quase mortos.


Mas mortos de verdade estão os 512 mil brasileiros assassinados no período de 1997 a 2007. Isso mesmo, mais de meio milhão de pessoas assassinadas em 10 anos. A maioria jovens meninos entre 15 a 24 anos. Boa parte negros, pois em 2002 morriam, vítimas de homicídio, 46% mais negros do que brancos. Já em 2007, apenas cinco anos depois, essa proporção se elevou para 108%.

 
No Pará, no mesmo período de 1997 a 2007, a taxa de homicídios aumentou 195%, o que fez com que pulássemos da 20ª para a 7ª colocação entre o ranking dos estados mais violentos. Entre as 15 cidades mais violentas temos duas: Marabá e Tailândia, sendo que esta ocupa o nada desejado posto de 3ª cidade mais violenta do país.



Miséria e violência andam juntas. Não precisa ser um cientista político ou sociólogo pra saber disso, mas estes números além de serem menosprezados ou escondidos pela propaganda oficial são ofuscados, entre outras coisas, pelo gasto de dinheiro público para fazer propaganda de uma empreitada privada: a construção de uma siderúrgica em Marabá pela Vale. Uma empresa que em muitos aspectos se configura como um estado dentro do estado.


Ao governo estadual, a quem cabe a obrigação de ver toda a população, os mortos e miseráveis são invisíveis. Neste caso, contrariando Saint Exupéry em seu antológico “O pequeno príncipe”, o essencial não é invisível aos olhos. E só vê bem com o coração, quem ainda se indigna diante de tanta iniqüidade.


Mudar esse mundo é preciso. Não dá mais para conviver com hipocrisias e mentiras oficiais, não dá mais para ouvir autoridades afirmarem que a culpa das mortes no desabamento do “morro do bumba”, em Niterói, é da população pobre que “resolveu morar” lá, como se tivessem opção de morar numa suíte na Viera Souto. Por isso revoltar-se é inadiável. Precisamos ver, precisamos não morrer, precisamos da luta.


Fernando Carneiro é Historiador, membro da equipe editorial do Ponto de Pauta e pré candidato do PSOL ao Governo do Pará.

Fonte: http://ribamarribeirojunior.blogspot.com/2010/04/fernando-carneiro.html


 
 
MARABÁ NO TOPO
 
Em vez de liderar o IDH, Marabá lidera IHA



Marabá registra a situação considerada "mais grave" pela pesquisa em termos de vidas perdidas na adolescência, com o IHA de 5,2 mortes em cada grupo de mil. A cidade foi a única da região a registrar média superior a cinco. Macapá (AP) e Porto Velho (RO) ficaram com valores entre três e cinco jovens assassinados.


A pesquisa foi feita em parceria pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República, Laboratório de Análise da Violência da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) e a ONG Observatório de Favelas. Foram analisados os dados dos 267 municípios do país com mais de 100 mil habitantes.


E aí azulino?
Qualificação profissional!
Esporte e Lazer na periferia!
Programas Sociais permanentes!
Inclusão Digital!
Escola para todos!
Iluminação Pública!
É um bom começo!!


Fonte: http://ribamarribeirojunior.blogspot.com/2009/08/violencia-1-maraba-no-topo.html




PROGRAMA DE REDUÇÃO DE VIOLÊNCIA CONTRA ADOLESCENTES E JOVENS

28/07/2009


Teve início às 9h de hoje, 28, no auditório da Secretaria de Assistência Social da Prefeitura – SEASP, reunião da Rede de Atendimento à Criança a ao Adolescente, composta pela Secretarias Municipais de Esporte e Lazer – SEMEL, Educação – SEMED, Saúde – SMS, Conselho Tutelar e Ministério Público, além de diversas outras entidades representativas. O objetivo era apresentar o “Programa de Redução da Violência Letal contra Adolescentes e Jovens” instituído pela SEASP como resultado de sua integração no programa Nacional de Redução da Violência Letal na Infância e Adolescência, gerido pela Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República (SEDH/PR), que atua no enfrentamento da violência contra crianças e adolescentes em todo o país, em colaboração com os Municípios e Estados.

Após apresentação conduzida pela assistente social Nadjalúcia Oliveira, da metodologia do Programa obtida junto à SEDH, durante recente encontro nacional ocorrido em Brasília, houve a formação de reunião de trabalho onde os cerca de 25 participantes puderam sugerir uma série de ações no sentido de colaborar com sua implantação conforme a realidade do município. Algumas, inclusive, previamente formuladas a partir de suas experiências, decidiu-se iniciar um completo levantamento de necessidades fundamentais, sob a ótica de cada entidade, para em seguida partir para a realização, a curto prazo, de uma Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, cuja data será brevemente definida. Nesse contexto, com objetivo similar, haverá também o lançamento de uma campanha intitulada “Cadê Seu Filho?”.


Segundo a titular da SEASP, Edileusa Magalhães, o triste posto de 18º lugar que Marabá ocupa no ranking dos municípios brasileiros com maior índice de homicídios na adolescência não fará a SEASP desanimar. “Não temos dúvidas de que o município reúne todas as condições de se implantar um programa exemplar na redução da violência contra os nossos jovens. Essa será nossa meta”, afirmou.


O Programa de Redução da Violência Letal (PRVL) visa principalmente à promoção de ações de sensibilização. Age perante articulação política e produção de mecanismos de monitoramento, sempre no intuito de assegurar que as mortes violentas de adolescentes e jovens sejam tratadas como prioridade na agenda pública. Na difusão de suas estratégias, pautadas na valorização da vida, o PRVL foi projetado para funcionar sob três eixos:


1 - Articulação Política.
2 - Produção de Indicadores
3 - Sistematização de Experiências

Fonte: http://www.maraba.pa.gov.br/programa-de-reducao-de-violencia-contra-adolescentes-e-jovens
 
 
 
 
PREFEITO DISCUTE PROJETOS PARA ÁREA DE SEGURANÇA EM BRASÍLIA
 
26/02/2010 - 17:11
 
 
Dando cumprimento a sua agenda de compromissos em Brasília, onde está desta a última quarta-feira, o prefeito Maurino Magalhães de Lima (PR) se reuniu ontem (25), no Ministério da Justiça, com o secretário nacional de Segurança Pública Ricardo Balestreri e o secretário estadual de Segurança Pública Geraldo Araújo. O prefeito estava acompanhado do presidente da Fundação Vale, Sílvio Vaz, do diretor do DMTU (Departamento Municipal de Transporte Urbano), Antônio Araújo, e secretário de Representação do Município de Marabá em Brasília, Marcos David de Aguiar. Na conversa com Ricardo Balestreri, Maurino deixou claro sua preocupação com a área de segurança, dizendo que fará o que tiver dentro do seu alcance, para tentar minimizar a violência em Marabá.



O prefeito pontuou as medidas que vêm tomando nessa área, dentre elas a criação da Guarda Municipal, que contará com efetivo de 140 pessoas; o projeto de implantação do sistema de monitoramento com câmeras de vídeo; e implantação de um sistema de Disk-Denúncia municipal; e da Secretaria Municipal de Segurança Pública.

Outro projeto em discussão no seu governo será o compartilhamento de experiências da Secretaria Municipal de Segurança com a Secretaria Estadual e o Ministério da Justiça. O Secretário Nacional de Segurança Pública concordou e elogiou as medidas e projetos do prefeito no setor e colocou à disposição toda sua equipe na Secretaria Nacional de Justiça para ajudar no que for preciso.


Ricardo Balestreri frisou que o Ministério da Justiça está investindo em projetos de prevenção à violência. Entre os projetos criados está o Pronac, que vem obtendo resultados positivos. Ele, no entanto, reconhece que o recurso ainda é pequeno para a demanda existente.


O secretário estadual de Segurança, Geraldo Araújo, também colocou sua equipe à disposição do município de Marabá e pediu ajuda ao secretário nacional para tenta reduzir a violência no Estado do Pará. O presidente da Fundação Vale, Silvio Vaz, propôs a criação de um grande pacto no combate à violência. Ele falou do projeto Alpa – Aços Laminados do Pará – e observou que o mesmo vai causar um grande impacto no município, porque vai atrair não só investimentos, mas também muitas pessoas para Marabá, que vai sofrer uma grande explosão demográfica.


O pacto seria chamado de PSPP (Parceria Social Pública Privada). O mesmo seria custeado com R$ 6 bilhões dos R$ 17 bilhões que a Vale pagará de impostos entre o ano de 2009 a 2014 do Projeto Alpa. O recurso seria aplicado na área de segurança, educação, saúde e infraestrutura. Para a empresa, isso estaria compensando o impacto que será causado pelo aumento populacional desta região.


Fonte: http://www.maraba.pa.gov.br/prefeito-discute-projetos-para-area-de-seguranca-em-brasilia

terça-feira, 12 de outubro de 2010

216 - 10 Razões pelas quais as Crianças devem praticar Xadrez

Por: Ray Raymond


O jogo de xadrez vem cativando as mentes das pessoas em todo o mundo durante os últimos 1500 anos. Qual é a razão para isso? Simples, o xadrez é divertido ... Assim, a primeira razão para as crianças jogarem xadrez é porque o xadrez é divertido.



Nos últimos anos tem havido dezenas de estudos educacionais e psicológicos que examinar os benefícios de jogar xadrez para crianças. Dr. Peter Dauvergne da Universidade de Sydney, escreveu um artigo chamado "O Processo de xadrez como uma ferramenta para desenvolver mentes de nossas crianças." Esta lista de benefícios é levado diretamente a partir de seu artigo e é fato. Xadrez ajuda a:



1º Aumentar o quociente de inteligência (QI);


2º Fortalecer habilidades para resolver problemas, aprender a tomar decisões difíceis e abstratas de forma independente;


3º Avivar a memória a linguagem e habilidades matemáticas;


4º Desenvolver o pensamento crítico, criativo e original;


5º Proporcionar elementos na tomada de decisões precisas e rápidas sob pressão de tempo, uma habilidade que pode ajudar a melhorar nas provas escolares;


6º Aprender a pensar logicamente e de forma eficiente, aprendendo a selecionar a melhor "escolha" de um grande número de opções;


7º Desafiar crianças potencialmente inteligentes ajudando alunos superdotados a aprender a estudar e se esforçar para a excelência;


8º Demonstrar a importância do planejamento, concentração, e as conseqüências das decisões;


9º Aproximar meninos e meninas, independentemente de suas habilidades naturais ou condições sócio-econômicas;


10º Xadrez é divertido e uma ótima forma de desenvolvimento social.


Estou certo de que você pode ver os benefícios, bem como acrescentar a estes benefícios, porque as crianças devem jogar xadrez. Incentive, inicie um programa de xadrez em sua escola ou centro comunitário.


Em Inglês:

Ten Reasons Why Kids Should Play Chess



By: Raymond Roy


The game of chess has been captivating peoples minds the world over for the past 1500 years. What is the reason for this you ask. Simple, chess is fun... So, the first reason kids should play chess is that chess is fun.


In recent years there have been scores of educational and psychological studies that examine the benefits of playing chess for children. Dr. Peter Dauvergne of the University of Sydney wrote an article called, "The Case for Chess as a Tool to Develop Our Children's Minds." This list of benefits is taken directly from his article and are fact. Chess helps to:




1.) Raise intelligence quotient (IQ) scores.


2.) Strengthen problem solving skills; teaching how to make difficult and abstract decisions independently.


3.) Enhance reading, memory, language, and mathematical abilities.


4.) Foster critical, creative, and original thinking.


5.) Provide practice at making accurate and fast decisions under time pressure, a skill that can help improve exam scores at schools.


6.) Teach how to think logically and efficiently, learning to select the 'best' choice from a large number of options.



7.) Challenge gifted children while potentially helping underachieving gifted students learn how to study and strive for excellence.



8.) Demonstrate the importance of planning, concentration, and the consequences of decisions.




9.) Reach boys and girls regardless of their natural abilities or socio-economic backgrounds.


10.) Chess is fun, and a great form of social development.


I am certain you can see the benefits, as well as add to these benefits, why kids should play chess. Get active, start a chess program at your local school, or community center.



Ray

215 - O ensino de xadrez contribui para o desenvolvimento da memorização, raciocínio e criatividade

Tabuleiro Multifuncional - Além de apoio a aulas de matemática, história e geografia, o ensino de xadrez contribui para o desenvolvimento da memorização, raciocínio e criatividade

Artigo publicado na Revista Educação - Edição 97



Aos 5 anos, Juliana estava entre as meninas mais tímidas de sua turma. Escutava muito e falava pouco. Foi com essa idade que ela começou a jogar xadrez, oferecido na grade curricular da Escola Stance Dual, em São Paulo, onde estuda. A menina logo mostrou grande habilidade para o jogo, o que fez a professora Sandra Guidi notar mudanças na postura de Juliana, hoje com 7 anos: "A prática do xadrez a fez perceber qualidades. Ela se soltou mais, fez novos amigos. De muito tímida, passou até a me auxiliar na hora de checar as jogadas dos outros alunos."



Juliana não é a primeira a usufruir das qualidades do xadrez. Albert Einstein, que revolucionou a física moderna, utilizava um tabuleiro para demonstrar a quarta dimensão. Lênin, o líder da Revolução Russa, dizia que o jogo era um fator de elevação de espírito do bom revolucionário. Voltaire, pensador francês conhecido pela ironia e sagacidade, proclamou o xadrez como um fator de honra ao espírito. Benjamin Franklin, o inventor da eletricidade, e Goethe, o maior escritor alemão de todos os tempos, já creditaram ao xadrez uma importância singular, tanto do ponto de vista cultural quanto do desenvolvimento do raciocínio lógico.



Nos antigos países comunistas, por exemplo, sempre foi um esporte incentivado pelas autoridades nas escolas e nos clubes sindicais. Os cientistas soviéticos chegaram a criar em Moscou uma faculdade de xadrez, que desde 1966 forma professores e enxadristas de renome internacional, como Yuri Balashov, considerado um dos grandes mestres da modalidade. A presença do xadrez também se multiplica nas escolas brasileiras. Seus entusiastas acreditam que ele incentiva as crianças no aspecto psicológico e contribui para desenvolver memorização, criatividade, raciocínio e resolução de problemas, tudo aliado a diversão, pois não deixa de ser um jogo.



A educadora Estela Milani, coordenadora de matemática do Colégio Magno, de São Paulo, quer aproveitar a tendência para mudar a concepção de ensino dos professores. "Estudos comprovam que há um crescimento exponencial de informação, coisa de 100 vezes a cada 20 anos. É um excesso de fatos desconectados que entram na cabeça de uma criança ou adolescente diariamente. Logo, não dá mais para a escola ensinar o conteúdo somente pelo conteúdo. O professor moderno precisa dirigir o foco para o desenvolvimento de certas capacidades. O xadrez cai muito bem nesse contexto", diz.



O domínio de si mesmo, a disciplina, a capacidade de análise e síntese, a criatividade e a imaginação são as capacidades às quais se refere Estela, que bancou o xadrez na grade curricular da escola desde o início deste ano, nas aulas de matemática. Para capacitar os professores, pediu apoio para a psicóloga, enxadrista e professora Cristiane Fiúsa Carneiro, que já foi campeã brasileira da modalidade e atualmente delimita uma dissertação de mestrado baseada nos aspectos positivos do ensino de xadrez nas escolas.



"Comecei a jogar xadrez no clube, quando tinha 13 anos. Fiquei de recuperação em matemática na escola na mesma época", diz Cristiane. "Quando peguei gosto pelo jogo, minhas notas melhoraram muito, nunca mais tive problema com a disciplina. Não notei nenhum aspecto ruim no xadrez até hoje."



Muito além da matemática - Não é somente entre números e contas que o xadrez surge nas escolas. O colégio Stance Dual promove um contato entre as crianças e o tabuleiro a partir dos quatro anos, dentro da grade curricular, mas desvinculado do ensino de matemática. A pedagoga Sandra Guidi, professora da escola, foi quem propôs à direção a atividade.



"É claro que não dá para começar a ensinar o jogo para crianças muito pequenas. A partir dos quatro anos, contamos historinhas que envolvem o xadrez e a própria origem de cada peça, inclusive com as crianças ajudando a montá-las", conta. "Aos seis anos, há 30 minutos de aula. Até que, quando elas chegam na terceira série, temos uma sessão por semana. No ensino fundamental, o xadrez passa a ser extracurricular, mas a procura é grande."



Outro colégio a adotar o ensino da modalidade foi o Pentágono, de Alphaville (Barueri). A professora Renata Falcone estuda o jogo desde 1999. "O importante é ter a técnica do jogo aliada à pedagogia. O xadrez engloba áreas do conhecimento como história e geografia, pois o jogo teve várias formas ao longo do tempo", conta Renata. "Depois, contamos a história de cada peça. Isso obriga os alunos a ler a respeito, o que fortalece a gramática. Por último, óbvio, desenvolve a matemática", diz a professora.



No início, os alunos aprendem outros jogos que lembram o xadrez, como o ta-te-ti e o de damas. Posteriormente, eles são apresentados a um castelo medieval e às peças do xadrez. "Isso é fundamental para a criança pegar gosto pelo jogo. Por exemplo: a peça que representa o soldado anda duas casas em sua primeira jogada. Depois, só uma por vez. Por quê? Nas guerras, o soldado sai correndo no início das batalhas. Detalhes como esse fascinam as crianças", diz Renata, que valoriza a ética acima dos fatores pedagógicos: "O xadrez tem uma tendência natural ao respeito mútuo. Você estuda o adversário, vê o outro e tenta se enxergar através dele. Isso faz dele muito mais que um simples jogo".



Apoio na rede pública - O presidente da Federação Paulista de Xadrez, José Alberto dos Santos, e o enxadrista Luiz Loureiro queriam ver o maior número possível de crianças praticando a modalidade. Como lugar de criança é na escola, nada como associar as duas coisas. Foi então que, em 1996, a Federação deu início a um projeto de massificação do esporte. A primeira tentativa foi levar professores de xadrez até os colégios para ensinar os alunos. Depois de algumas experiências mal-sucedidas, descobriu-se o problema: como os professores das escolas não sabiam jogar, não estimulavam as crianças. Era preciso ensinar os professores para que eles ensinassem seus alunos. E isso foi feito a partir de 1998.



Desde então, o xadrez deslanchou. Em 2004, todas as 173 escolas de Campinas, em São Paulo, passaram a contar com material próprio para dar aulas. O mesmo vale para todas as unidades da Febem de São Paulo. Nos campeonatos inter-escolares, o teto de participantes é de 2 mil alunos. Hoje, segundo José Alberto, há uma espécie de febre pelo esporte. "Dez anos atrás, não recebíamos sequer um pedido para elaborar ou fornecer material de xadrez para escolas", conta. "Agora, recebemos entre 20 e 30 pedidos semanais."



A dupla ministrou, em fevereiro, o primeiro curso de ensino de xadrez para professores da rede pública paulista, em Campinas. O curso é resultado de um convênio com a Secretaria de Estado da Educação. "Nosso objetivo é ver o xadrez em todos os municípios. Estimamos hoje que ele chega a 600 escolas públicas", diz José Alberto.



De acordo com a Secretaria de Educação Básica (SEB), do MEC, no segundo semestre desse ano, será implantado o projeto Xadrez nas Escolas. Em parceria com Ministério dos Esportes, o programa capacitará educadores de todos os estados do país, com exceção de São Paulo e do Acre, para ensinar o jogo formalmente para nas escolas. As secretarias de educação (Seducs) dos estados selecionarão 50 escolas e a prioridade são as instituições carentes. Segundo o MEC, outras escolas serão atendidas ao longo do tempo.



Livros apresentam o jogo

Primeiro, o xadrez chega com os professores. Depois, entra na grade curricular. Por fim, os livros paradidáticos. O xadrez já cumpriu esse caminho, embora os títulos no mercado ainda sejam escassos. Um deles é O Ensino de Xadrez na Escola, de Abel Segura Fontarnau (Artmed, 336 págs., R$ 48), que nasceu e vive na Espanha, um dos países em que o ensino do esporte foi mais incentivado nos últimos anos.



Fontarnau usa a experiência adquirida como fundador da Escola de Xadrez de Barcelona para enfatizar a prática da modalidade. Feito como um caderno de exercícios, o livro mostra situações do jogo e pede para que os alunos as resolvam. No final, há um caderno de soluções. A faixa etária a que se destina o livro é para crianças entre 6 e 11 anos. Um problema, contudo, atrapalha a sua adoção: falta de teoria e de uma contextualização mais adequada do surgimento do esporte e do sentido de cada peça. Apesar da faixa etária ao qual se destina, o livro não satisfaz perguntas que poderiam ajudar a criança a se envolver melhor com o esporte.



Esse é justamente o caminho escolhido por Xadrez para Crianças, das brasileiras Regina Ribeiro e Fernanda Letícia Loth (EKO, 180 págs., R$ 24). As autoras unem a experiência de quem pratica o esporte - Regina foi cinco vezes campeã brasileira - à sensibilidade de quem sabe o que é ensinar: Regina trabalha com xadrez nas escolas há 23 anos e Fernanda, há 10. Por meio do menino Yuri, personagem central, elas contam a história do jogo, o sentido de cada peça e ainda propõem exercícios. Com abundância de ilustrações, o livro pode ser usado como complemento para o de Fontarnau. Se no primeiro falta empatia, mas sobram exercícios práticos, no segundo faltam justamente os exercícios que ajudam a criança a se familiarizar melhor com o jogo antes de partir confiante para o tabuleiro.



Auxílio à auto-estima

Enquanto as escolas estaduais tinham os primeiros contatos com o ensino de xadrez, os tabuleiros já eram velhos conhecidos nas unidades da Fundação para o Bem-Estar do Menor (Febem). Segundo José Alberto dos Santos, presidente da Federação Paulista de Xadrez, todas as unidades da instituição tem material para o jogo. "Em 2001, Saulo de Castro Abreu Filho (atual secretário de Segurança Pública) era o diretor-geral da Febem. Como gosta de xadrez, e houve uma aproximação entre ele, o Gabriel Chalita (então secretário da Juventude, atual secretário de Educação) e a federação. O aspecto social de se ensinar xadrez para menores infratores era interessante. A partir de janeiro de 2002, começamos a preparar funcionários para ensiná-los."



Atualmente, mais de três anos após o início do projeto, o xadrez é o segundo esporte mais praticado nas unidades, perdendo somente para o futebol. A empolgação já rendeu frutos. "Chegamos a organizar um campeonato com 40 internos de todo o estado", lembra José Alberto." Os três primeiros colocados foram convocados para disputar um torneio estudantil. Compramos roupas novas para os três disputarem o torneio e não dissemos a ninguém que eles eram da Febem. A satisfação de serem tratados como um jovem qualquer, e não como infratores, foi única na vida deles."



Reportagem: Fernando Vives e Leandro Beguoci
http://revistaeducacao.uol.com.br/textos.asp?codigo=10685