sábado, 7 de agosto de 2010

175 - PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO XADREZ EDUCACIONAL

O cenário nacional do xadrez em ambiente escolar poderá ser ampliado. É o que pretende o Ministério do Esporte ao instituir no dia 25 de setembro o Grupo de Trabalho para estudar o cenário nacional da prática de xadrez e a construção de um Plano Nacional de Desenvolvimento do Xadrez Educacional.


O grupo de trabalho é formado por 8 membros: 02 do Ministério do Esporte/ME, 02 da Confederação Brasileira de Xadrez/CBX, 01 da Confederação Brasileira de Desporto Escolar/CBDE, 01 da Confederação Brasileira de Desporto Universitário/CBDU, 01 da Universidade Estadual de Maringá e 01 do Ministério da Educação/MEC.


Leia a publicação abaixo:




Ministério do Esporte






GABINETE DO MINISTRO






PORTARIA Nº 171, DE 24 DE SETEMBRO DE 2009






O MINISTRO DE ESTADO DO ESPORTE, no uso de suas atribuições regulamentares e, considerando o disposto no art. 217 da Constituição Federal;


considerando a competência da Secretaria Nacional de Esporte Educacional (SNEED/ME) definida no Regimento Interno do Ministério do Esporte/ME;


considerando a demanda da sociedade brasileira quanto ao fomento e à prática de modalidade esportiva xadrez, em todas as suas particularidades; e


considerando o Programa Interministerial Xadrez na Escola realizado entre o Ministério do Esporte e o Ministério da Educação,


resolve:


Art. 1º Instituir Grupo de Trabalho para estudar o cenário


nacional da prática de xadrez e a construção de um plano nacional de desenvolvimento do xadrez educacional.


Art. 2º O Grupo de Trabalho será integrado pelos seguintes membros:


I - Antonio Apolinário Rebelo Figueiredo, Diretor do Departamento de Esporte Universitário da SNEED/ME;


II - Danielle Fermiano dos Santos Gruneich, Coordenadora Geral de Esporte Universitário da SNEED/ME;


III - Amauri Aparecido Bássoli de Oliveira, Representante da Universidade Estadual de Maringá;


V - Charles Moura Netto, Vice-Presidente Financeiro da Confederação Brasileira de Xadrez - CBX;


V - Júlio Lapertosa, Vice-Presidente de Xadrez Escolar da Confederação Brasileira de Xadrez - CBX;


VI - Robson Lopes Aguiar, Secretário-Geral da Confederação Brasileira de Desporto Escolar - CBDE;


VII - Andre de Mendonça Furtado Mattos, Diretor-Técnico da Confederação Brasileira de Desporto Universitário - CBDU;


VIII - Leandro da Costa Fialho, Coordenador de Ações Educacionais Complementares da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do MEC.


Parágrafo único. A presidência ficará a cargo do Diretor do Departamento de Esporte Universitário da SNEED/ME, Antonio Apolinário Rebelo Figueiredo.


Art. 3º Compete ao Grupo de Trabalho:


I - construir a proposta de plano nacional de fomento ao xadrez educacional, a ser apresentada ao Ministério do Esporte e ao Ministério da Educação;


II - elaborar estratégia de fomento do xadrez no Programa Segundo Tempo;


III - elaborar interface da modalidade xadrez no âmbito do Programa Mais Educação;


IV - analisar a execução e as diretrizes do Programa Xadrez nas Escolas; e


V - elaborar proposta de capacitação para professores de Educação Física do Programa Segundo Tempo.


Art. 4º As despesas relativas às reuniões do Grupo de Trabalho correrão por conta da dotação orçamentária deste Ministério do Esporte.


Art. 5º O Grupo de Trabalho poderá solicitar a participação de convidados e colaboradores eventuais, mediante justificativa.


Parágrafo único. O pagamento de diárias e passagens necessárias para essa participação será custeado pelo Ministério do Esporte.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

174 - REUNIÃO DO CLUBE DE XADREZ ADIADA PARA O DIA 20 DE AGOSTO

Devido a sérios transtornos familiares, em especial pelo falecimento de pessoas queridas da minha família, devidamente noticiado na imprensa local, impossibilitou a nossa reunião do dia 30 de julho.


Diante desta situação e de compromissos familiares estarei me ausentando de Marabá no período de 06 a 17 de agosto, quando me deslocarei até a cidade de Goiânia-GO. Entretanto, no retorno retomaremos nossa caminhada com mais afinco e dedicação. Enfim, a próxima reunião para a montagem da Diretoria ficará marcada para o próximo dia 20/08 as 20h00 na Apeme.


Atenciosamente


Francisco Arnilson de Assis




Obs.: para acrescentar conteúdo, deixo abaixo uma boa notícia colhida da internet:






O Xadrez, Como Modalidade Esportiva e o Profissional de Educação Física



Por Charles Moura Netto - em 07-07-2009, às 15h19.


O xadrez assimilou ao longo dos séculos aspectos culturais de muitas sociedades dos quais ele foi difundido e a forma atual é uma representação da sociedade medieval européia, do qual sempre o tratou como um esporte.


Há registros de jogos (súmulas) datadas do século XVI , mas a unificação definitiva das regras aconteceu no século XX , depois da criação Fédération Internationale des Échces (FIDE) em 1924, mesmo ano de criação da Confederação Brasileira de Xadrez (CBX). No Brasil, a prática do xadrez foi introduzida com os primeiros colonizadores, mas só realmente com a chegada da Corte de D. João VI, em 1808, a prática ganhou um grande impulso.


O xadrez vem tendo uma grande inserção nas últimas décadas na educação, pelos benefícios pedagógicos de sua prática, como elemento articulador de atividades multidisciplinares e em ações de integração social. O jogo colabora de forma significativa na conquista da autonomia – principal alicerce da educação. Ele vem de encontro às atuais diretrizes educacionais ancoradas em concepções do aluno como sujeito histórico, interativo, ativo, produtor de aprendizagem e de cultura, capaz de criar, imaginar, pensar, raciocinar, analisar e agir com autonomia. Em 1986 a Fédération Internationale des Échces (FIDE) e a United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization (UNESCO) criaram o Committee on Chess in Schools (CCS) que tem um importante papel na divulgação do ensino e na democratização do xadrez enquanto instrumento pedagógico.


Há vários projetos educacionais de municípios brasileiros (Recife, Belo Horizonte, São Paulo, Brasília, Londrina, Teresina, Rio de Janeiro, Niterói, Vitória, Quixadá, Guarapari, Passos, São Sebastião do Paraíso, Santa Maria de Jetibá e outros) que trabalham com o xadrez como tema transversal e/ ou como disciplina curricular obrigatória. Em especial com a disciplina de educação física,o esporte possui uma conotação ímpar, é exclusivamente de aporte intelectual, sendo assim não interfere, ou melhor, deve ser estimulado com outros esportes essencialmente físicos. Essa característica do xadrez possibilita aos professores de educação física uma grande flexibilidade de ensino e de prática, proporcionando a interação de alunos de diferentes faixas etárias.


A oferta do xadrez como disciplina na grade curricular das instituições de ensino superior de Educação Física é praticante nula, exceções como a escola de educação física da UFMG são raras, ocasionadas um déficit de profissionais com capacitação para ensino e treinamento deste esporte. Em detrimento as estas afirmações vários profissionais tem buscado capacitações técnicas e elevando o nível das competições enxadrísticas.




Comentários


Por Charles Moura Netto - em 07-07-2009, às 15h20.
Xadrez é tema de palestra na Comissão de Educação da Ales


Segunda-feira, 6 de julho de 2009
Da Redação
16h05
A Comissão de Educação da Assembléia Legislativa do Espírto Santo (ALES) recebeu, nesta segunda-feira (6), o professor de Educação Física e coordenador do projeto “Xadrez Pedagógico”, Charles Moura Netto, para falar sobre a iniciativa implantada há dois anos na cidade de Santa Maria de Jetibá.




Professor Charles Moura Netto
A Comissão quer enviar a proposta ao governador Paulo Hartung (PMDB) e ao secretário estadual de Educação, Haroldo Corrêa, para que o Espírito Santo seja o primeiro Estado da Federação a implementar um projeto que inclua o xadrez como disciplina da grade curricular básica das escolas públicas.




A deputada Luzia Toledo (PTB) avalizou a proposta. “Fiquei entusiasmada porque no torneio de xadrez realizado no município os alunos estavam com um comportamento fantástico, uma disciplina exemplar. Isso mexeu comigo e acho que podemos ter um torneio dessa modalidade no âmbito do Estado. Adotei a iniciativa do professor Charles”, contou.
Deputada Luzia Toledo (PTB)




Para o palestrante, a modalidade esportiva é pouco aprofundada no Brasil, mas uma série de pesquisas, a primeira datada de 1891 e publicada por Alfred Binet, comprova que o xadrez é um instrumento de ensino lógico, lúdico, de manifestação artística que estimula o pensamento coeso e crítico.


Palestra
“A condição de estar colocando para os alunos problemas que estimulam o senso crítico é muito importante para o desenvolvimento da inteligência, concentração e imaginação. Acredito que o xadrez é a arte de pensar. Você estimula a criança desde cedo a ter senso crítico, a pensar nos seus atos e nas conseqüências”, explica o professor.


Fonte : http://www.al.es.gov.br/trabalho.cfm?ParId_noticia=20382
http://cev.org.br/comunidade/xadrez/debate/o-xadrez-como-modalidade-esportiva-o-profissional-educacao-fisica/