quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

259 - IDEB 2009: AC, CE E RO SÃO ÚNICOS DO N E NE - ENTRE OS 10 MELHORES

Acre, Ceará e Rondônia são os únicos representantes das regiões Nordeste e Norte entre os Estados que tiveram melhores notas no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) 2009. O índice, que vai de 0 a 10, foi calculado com base nos resultados da Prova Brasil, do Saeb (Sistema de Avaliação da Educação Básica) e da média de aprovação dos alunos das séries iniciais e finais do ensino fundamental e do ensino médio.

A região Sul, por outro lado, é a única que têm todos os Estados entre os dez melhores resultados. Dos Estados da região Sudeste, o Rio de Janeiro só apareceu na lista de séries iniciais do fundamental e na região Centro-Oeste, o Distrito Federal é o único que aparece entre os melhores dos três níveis.

Apesar de o índice oferecer um retrato da educação no país, segundo a secretária de educação básica do MEC (Ministério da Educação) Maria do Pilar Lacerda, não é possível comparar o nível de ensino entre um Estado e outro, uma vez que cada um deles apresenta fatores que vão influenciar individualmente na qualidade da educação, tais como índice de analfabetismo e acesso a escolas. "Ter três Estados do Norte e Nordeste entre os melhores já é um dado interessante: significa que começamos a ganhar fôlego", ressalta.


De acordo com dados do Ideb, nos anos iniciais do ensino fundamental (até a 4ª série), Minas Gerais e Distrito Federal tiveram a melhor média: 5,6. Em seguida, vêm São Paulo (5,5), Paraná (5,4), Santa Catarina (5,2), Espírito Santo (5,1), Goiás, (4,9), Mato Grosso (4,9), Rio Grande do Sul (4,6) e Rio de Janeiro (4,7).


De quinta a oitava série, São Paulo e Santa Catarina foram os mais bem colocados, com nota 4,5. Em seguida vêm Distrito Federal (4,4), Mato Grosso (4,3), Minas Gerais (4,3), Paraná (4,3), Acre (4,1), Rio Grande do Sul (4,1), Mato Grosso do Sul (4,1) e Espírito Santo (4,1).


No ensino médio, a região Sul teve os melhores resultados: Paraná ficou com média 4,2; Santa Catarina, 4,1; e Rio Grande do Sul, 3,9. Minas Gerais e São Paulo vêm em seguida, com 3,9, seguidos de Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal, com 3,8. Rondônia (3,7) e Ceará (3,6) fecham a lista.

Até 2021, o governo espera que os níveis fundamental e médio atinjam a nota 6 - média da educação nos países membros da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), que participam do Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos, em inglês), tais como Alemanha, Canadá, Estados Unidos, Suécia, Finlândia, Coréia do Sul, Japão, Uruguai, Brasil, México e Rússia, dentre outros.
 
"Tenho muita convicção que vamos atingir as metas para 2021 porque percebo muito fortemente envolvimento e comprometimento dos profissionais. O MEC tem se articulado com os Estados e municípios para isso", diz Maria do Pilar.


Vocês viram, o Estado do Pará não apareceu entre os 10 melhores. TÁ DIFÍCIL...


Referencia: http://educacao.uol.com.br/ultnot/2010/07/05/ideb-2009-acre-ceara-e-rondonia-sao-unicos-do-n-e-ne-no-ranking-de-melhores-por-estado.jhtm

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

258 - MELHORES ESCOLAS PÚBLICAS DE MARABÁ DO 1º AO 5º ANO


O Clube de Xadrez continua levantando o tema da Educação, mostrando a realidade do ensino em Marabá. Desta feita vamos mostrar uma radiografia das Escolas de Ensino Fundamental do 1º ao 5º ano. O presente levantamento coloca em ordem descrescente, uma espécie de ranking, as notas do IDEB - Índice de Desenvolvimento do Ensino Básico, divulgado pelo MEC/INEP em julho de 2010.
Se você vai colocar o seu filho na Escola, nas séries iniciais, é bom ficar bem informado e não sofrer depois.

Este ranking não representa uma classificação oficial, pois não existe, o Governo Federal e a Secretaria Municipal de Educação não tem essa pretensão. Serve apenas para tentar compreender se o ensino é de qualidade ou não e quais são as escolas que tem se saído melhor nas avaliações do MEC. Fique de olho!
As três melhores Escolas de Marabá, apresentaram melhorias contínuas, revelando uma correta postura da direção, professores, alunos e pais, visando a qualidade do ensino, cujo meta do MEC está prevista para ser alcançada no ano de 2020 é de notas a partir de 6,0.


Algumas escolas vem aumentando suas notas. Entre estas destacamos a EMEF DUQUE DE CAXIAS que obteve a melhor nota de 2009:
4,0 em 2007 e
5,5 em 2009.


A EMEF ELINDA SIMPLÍCIO COSTA também vem crescendo continuamente suas notas: Obteve as seguintes notas:
3,9 em 2005,
4,3 em 2007 e
5,1 em  2009.


EMEF BASÍLIO MIGUEL DOS SANTOS também vem numa excelente ascendência, com as seguintes notas:
3,1 em 2007,
4,1 em 2007 e
5,0 em 2009. 


Estas são, portanto, as melhores Escolas Públicas do 1º ao 5º ano, dígnas de ofercer ao seu filho um ensino bem próximo do que se chama de Ensino de Qualidade.


A próxima avaliação do IDEB será no ano de 2011 e apresentado no ano de 2012. Assim, quem ficou mal na "foto" deve fazer algo para mudar esta triste realidade.


A média municpal é nota 4,0 e, no entanto, temos muitas escolas que apresentaram notas abaixo da média. Com a nota máxima é 10,0 estas escolas para se tornarem mais atraentes precisam de muito trabalho de superação, do contrário, poderá piorar com o aumento da evasão escolar ou até na redução do número de alunos ingressantes.


Os pais, responsáveis por seus filhos, também pode se tornar um importante protagonista nesta articulação. Devem, portanto, procurar a direção da escola de seus filhos e ver o que pode ser feito.


Algumas escolas, de fato, com notas abaixo de 3,0 devem receber maior atenção, também, do poder público, pois as notas estão muito baixas. Entre elas: Rachel de Queiroz, Carlos Marighella, Adelaide Molinari, Faixa Linda, Geraldo Luiz Gonzaga e Rui Barbosa.


Finalmente, vamos procurar fazer um comentário sobre o desempenho das Escolas de Marabá dentro do IDEB. Pelo menos uma certeza, mudar a merenda para uma refeição escolar não é capaz de provocar uma grande mudança no rendimento mental e intelectual dos alunos




SAIBA MAIS SOBRE O IDEB
É o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) foi criado pelo Inep em 2007 e representa uma iniciativa pioneira de reunir num só indicador dois conceitos igualmente importantes para a qualidade da educação: fluxo escolar e médias de desempenho nas avaliações.


Ele agrega ao enfoque pedagógico dos resultados das avaliações em larga escala do Inep a possibilidade de resultados sintéticos, facilmente assimiláveis, e que permitem traçar metas de qualidade educacional para os sistemas.


O indicador é calculado a partir dos dados sobre aprovação escolar, obtidos no Censo Escolar, e médias de desempenho nas avaliações do Inep, o Saeb – para as unidades da federação e para o país, e a Prova Brasil – para os municípios. O IDEB é realizado apenas em Escolas Públicas. Paa as Escolas Particulares, o SAEB é amostral.