terça-feira, 7 de dezembro de 2010

247 - MAL EXEMPLO NO ESPORTE - MANO MENEZES REPETE DUNGA

Está virando moda no Brasil, treinadores que chegam à Seleção Brasileira de Futebol, antes desconhecidos e sem nenhum patrocínio, antes, fazerem comerciais na TV. Mas, o problema não é este, trata-se justamente do patrocínio de bebidas alcoolicas. A ampla exposição na mídia passa uma mensagem aos jovens, sobre o consumo de cervejas.


Na Era Dunga, no comercial da TV o técnico gritava: Eu falo pouco, mais falo como Guerreiro. Eu quero raça. Os jogadores, após se exercitarem e dançarem, o goleiro Júlio César, perguntava: Nós somos o quê? E todos respondiam: Guerreiros.... Guerreiros... Participaram do comercial da Brahma os guerreiros de Dunga: Luís Fabiano e Júlio César.


Como treinador de futebol o Dunga teve rendimento anual de R$ 1.750.000,00 e, vários contratos de publicidade. Aparentemente não precisaria sua ligação do Futebol com a Cerveja. Mas, digo-vos isto por conta do forte apelo da Seleção junto aos jovens.


O comercial era costurado com apresentações de pessoas bebendo e terminava com a garrafa Brahma quando a alegria encontra a raça, não tem prá ninguém. Brahma sabor de ser brasileiro.


O MAL EXEMPLO CONTINUA
O treinador da Seleção Brasileira, Mano Menezes, que não fica com a cara vermelha de vergonha, embora vista a cor da cerveja – que deveria servir de exemplo para seus comandados – tornou-se “embaixador” de uma marca de cervejas, a Kaiser.


O Mano Menezes ultrapassa limites éticos e faz uma convocação: Convoco vocês a renovarem seus conceitos e opiniões. Vamos escalar a KAISER para os nossos momentos de lazer e descontração. O vídeo mostra o treinador com uma linguagem futebolísta, parece que está falando de futebol. Mas, não é. Esta foi uma forma de incultir no telespectador uma espécie de mensagem subliminar. O cara tá falando é da cerveja.


Acredito que o cara já possua muita grana e poderia escolher os comerciais nos quais possa perpassar valores humanos de solidariedade, de ética, respeito, sustentabilidade e etc. Não pensar apenas na grana preta.


O Mano poderia se mostrar diferente e grande, deveria ter recusado esta proposta. Ficou pequeno. Parecendo como um anão.


Não dá para misturar incentivo ao consumo de bebidas alcoolicas com uma seleção que estimula garotos a praticarem esporte. E que costumam imitar a maneira de se portar de seus ídolos.


Será que o filme vai se repetir em sua totalidade. Será que vamos ficar com cara de bobos novamente?


Precisamos rever nossos conceitos em relação aos nossos representantes. Infelizmente o que está na mente do Mano é apenas dinheiro. Valores apenas monetários. Que pena!